Um Lugar ao Sol prova que o público não vive sem um bom clichê

Whatsapp

Zamenza

A novela de Lícia Manzo está em plena reta final e desde o início da produção, incluindo a divulgação nas coletivas online, a autora deixou claro que Um Lugar ao Sol não era uma mera novela de gêmeos, como tantas que o telespectador já viu.

Um Lugar ao Sol

Agora fica clara a explicação da escritora. Realmente não é e passou longe de ser. A ousadia em matar Renato (Cauã Reymond) logo no começo do enredo e depois focar apenas na saga de Christian (Cauã) usurpando a vida do irmão foi merecedora de elogios.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A autora optou pelo mais difícil: confiar na potência de sua narrativa e evitar situações óbvias envolvendo trama de gêmeos. Não teve gêmeo bom e gêmeo mau.

Renato era um playboy inconsequente e problemático, mas passou longe da vilania. Christian era um sujeito íntegro, mas também estava longe de ser uma pessoa boazinha.

Os dois eram sujeitos repletos de camadas e contradições. Agora, com o protagonista no posto da presidência da Redentor que tanto almejou, ficou claro que o falso Renato se transformou em algo muito pior que seu irmão.

Volta triunfal

Um Lugar ao Sol

Apesar de alguns tropeços na trama, como a enrolação de alguns conflitos que acabaram caindo na repetição e a edição dos capítulos por conta de um esticamento forçado pela Globo, Um Lugar ao Sol segue com boas qualidades. No entanto, é comum ver nas redes sociais comentários reclamando da ausência de Renato.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Grande parte do público esperava uma volta triunfal do irmão morto para desmascarar Christian, mesmo após a cena exibida nas primeiras semanas, quando Lara (Andreia Horta) viu o corpo de Renato no Instituto Médico Legal (IML) e achou que era de Christian.

Nunca existiu a possibilidade de um retorno. Ele foi metralhado pelos traficantes que cobravam uma dívida de Christian. Mas a dúvida de parte da audiência nunca foi totalmente dissipada.

A questão é que a ‘esperança’ do público apenas prova que o famigerado clichê é sempre ridicularizado, mas quando algum autor opta em fugir do recurso o telespectador sente.

Nada contra o clichê

Caua Reymond em Um Lugar ao Sol

Lícia seria massacrada pela crítica especializada caso trouxesse Renato de volta, pois a grande maioria dos críticos detesta clichês e plots que acabam exigindo uma certa fuga da realidade para serem de fato comprados.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Todavia, o povo ama mesmo fingindo detestar para não parecer ‘menos inteligente’. E nada contra o clichê, é bom ressaltar. Todo bom folhetim precisa dele. Há escritores que usam muito e outros que aproveitam menos. Depende do estilo de cada um e tudo bem. Há produções para todos os gostos.

É preciso até citar outra situação da atual novela. Túlio (Daniel Dantas) e Ruth (Pathy DeJesus) morreram em uma queda de helicóptero. Os dois eram corruptos e chantageavam Christian.

Daniel Dantas e Pathy Dejesus em Um Lugar ao Sol

Com a morte do casal de amantes, o protagonista se livrou de dois coelhos com uma cajadada só. Infelizmente, a cena nem foi exibida por conta dos vários impedimentos que a produção teve durante as gravações em tempos de pandemia.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Mas a ausência da cena acabou despertando novas dúvidas nos telespectadores nas redes sociais sobre a veracidade da morte da dupla. Muitos acharam que os dois voltariam para acabar com Chris.

Só que não voltarão. A autora não adota esse tipo de ‘plot’. Não é uma característica sua. Mais uma vez parte da audiência sentindo falta daquele clichê.

Um Lugar ao Sol é uma novela que ousou na narrativa. Fugiu do óbvio, ainda que tenha todos os elementos clássicos dos folhetins. Lícia Manzo foi corajosa e merece reconhecimento.

Ao mesmo tempo, sua história provou que muita gente reclama de clichês mas, no fundo, não sabe viver sem eles.

Whatsapp


Leia também