Primeira semana mostra que Um Lugar ao Sol é muito mais que uma "novela com gêmeos" - TV História

Primeira semana mostra que Um Lugar ao Sol é muito mais que uma “novela com gêmeos”

Whatsapp

Foram muitas as emoções na primeira semana de Um Lugar ao Sol. Lícia Manzo não esperou 100 capítulos para fazer os gêmeos se conhecerem. O público foi bombardeado de informações para só depois a autora engrenar a história que quer contar. Ufa!

Concordam que não esperávamos tanto? Ou era meramente a saudade de comentar uma novela inédita no horário mais nobre da TV? Houve quem falasse que a emissora estava negligenciando a divulgação de sua nova novela em detrimento da próxima, Pantanal. “Mais uma novela com gêmeos?“, ouvi alguns reclamarem.

Todavia, há a assinatura de Lícia Manzo. A autora não decepcionou ao entregar uma história armada com tantas camadas e possibilidades, repleta de dramas envolvendo dilemas morais e éticos contundentes. Quase dois anos de pandemia sem novela inédita nos fez esquecer que o duplo fascina e que o arquétipo da sombra rende.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Não é apenas “uma novela com gêmeos“. É sobre o gêmeo que passa por cima de convenções morais e éticas para tomar o que julga ser de seu direito. A morte de Renato fez emergir das sombras o outro lado de Christian, agora em um novo Renato – o renascido – nome por si só carregado de possibilidades e interpretações. Seria o nome Christian outra dica da autora? Podemos esperar, ao final, uma ressureição do personagem?

A trajetória do herói é sempre cheia de obstáculos. Christian não tinha saída: ou assumia a identidade do irmão rico (claro, também movido pela ambição), ou se entregava à polícia e era preso por envolvimento com o tráfico de drogas (o que levou um inocente à morte, não por acaso de uma família poderosa). Ou ainda corria o risco de ser morto pelos bandidos ao descobrirem que mataram o cara errado.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Esse foi o seu argumento para tentar convencer Ravi a ficar de seu lado. O garoto também passa por um dilema: como negar o pedido de Christian se ele envolveu-se com traficantes por sua causa, para livrá-lo da cadeia. “Você sabe que eu não sou ladrão, assim como você sabe que não é nenhum pivete que roubou uma carteira“.

Confesso que estou curioso para saber qual papel a autora reserva a Ravi na trajetória de Christian. Talvez a régua moral do herói, sua consciência, seu Grilo Falante. Ou até a sua salvação.

As qualidades de Um Lugar ao Sol vão além da história inicialmente muito bem engendrada. Do texto de Lícia, repleto de sutilezas e ironias, frases de reflexão e conversas envolventes entre os personagens, à luxuosa direção artística de Maurício Farias.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O elenco, ainda restrito a poucos personagens neste início, já chama a atenção: da excelente interpretação de Cauã Reymond, que conseguiu fugir da armadilha do gêmeo bom versus gêmeo mau, a Alinne Moraes, Andreia Horta e Marieta Severo. O grande destaque foi o jovem Juan Paiva (como Ravi), ator já visto em Malhação Viva a Diferença e Totalmente Demais. Recomendo o premiado filme M8, Quando a Morte Socorre a Vida, em que Juan é protagonista.

Drops

– O segundo capítulo me incomodou demais. Foi exclusivamente dedicado ao calvário de infortúnios de Christian. Foi o mesmo incômodo que tive com o primeiro episódio da série Maid (Netflix). Mas entendo a importância desse método de narrativa na “trajetória do herói”.

– O terceiro capítulo já é antológico: os gêmeos se conhecem, passam a noite juntos, o suficiente para Christian (o Cauã Pobre) obter as informações que precisará para sua transformação, e Renato (o Cauã Rico) acaba assassinado.

– Excelentes as cenas do quarto capítulo em que Christian ouve calado a DR de Bárbara e fica sabendo de detalhes da relação dela com Renato. Inclusive que ela era vítima de um relacionamento tóxico. Frase fantástica de Bárbara: “Eu pensei que você tivesse morrido, mas a verdade é que você não morre. Você sempre reencarna na minha vida!“.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

– O discurso de Christian, se justificando para Ravi, remete às falas de Maria de Fátima em Vale Tudo (1988): “O pais tá ferrado! Eu tô exausto de ser tratado mal. Isso aqui é o Brasil! Só um idiota romantiza a pobreza. Você acha que o governo tá prestando atenção em você? Se a vida nunca foi correta comigo por que eu tenho que ser correto com a vida?“.

– Christian remete a outro personagem clássico de novela: Cristiano Vilhena, de Selva de Pedra (1972), que deixa para trás a vida modesta e simples que teria com a mulher amada, Simone, seduzido pela fortuna e poder que Fernanda pode lhe proporcionar.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Aliás, não por coincidência, Um Lugar ao Sol é o nome do filme (baseado no romance de Theodore Dreiser) que inspirou Janete Clair a escrever Selva de Pedra. No filme, de 1951, o triângulo central é formado por Montgomery Clift, Shelley Winters e Elizabeth Taylor.

– Atenção à relação que se forma entre o protagonista e Elenice (Ana Beatriz Nogueira), mãe de criação de Renato, a mulher que no passado enjeitou Christian. Ana Beatriz Nogueira sempre ótima em viver mães disfuncionais, vide Rock Story, Além do Tempo, Em Família, A Vida da Gente, Caminho das Índias e outras novelas.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

– Christian ainda não sabe, mas ao tomar o lugar de Renato, herdou dele, além de suas dívidas, um crime. É o preço que precisará pagar pelo almejado lugar ao sol.

Lícia Manzo usa a literatura para levar à reflexão. No primeiro capítulo, Tonico Pereira, o professor, presenteia Christian com uma edição de “Memórias Póstumas de Brás Cubas“, de Machado de Assis, e lê: “Melhor cair das nuvens que de um terceiro andar“. Complementa: “O perigo não é sonhar alto, grande, e não conseguir. O perigo é sonhar curto, medíocre e chegar lá“.

No sexto capítulo, Santiago (José de Abreu) lê para Christian/Renato um trecho de “Esaú e Jacó“, também de Machado: “Não é a ocasião que faz o ladrão. O provérbio está errado. A ocasião faz o furto. O ladrão já nasceu feito“. A cena aconteceu durante o casamento de Renato e Bárbara – a ocasião e o ladrão.



Leia também