Com três perdas recentes, poucas estrelas da Tupi continuam entre nós - TV História

Com três perdas recentes, poucas estrelas da Tupi continuam entre nós

Whatsapp

Com as recentes mortes de Nicette Bruno, em dezembro de 2020, Berta Zemel, em fevereiro, e Eva Wilma, no dia 15 de maio, a TV Tupi perdeu mais algumas de suas estrelas. Poucas atrizes que protagonizaram as novelas da saudosa emissora dos Diários Associados ainda estão vivas.

Antes de brilhar na Globo, Nicette Bruno foi uma das principais atrizes da Tupi, estreando no canal em 1952. Também passou pela TV Excelsior, mas, a partir de 1970, emendou diversos papeis: A Gordinha (1970), O Meu Pé de Laranja Lima (1970), A Fábrica (1971), Signo da Esperança (1972), Camomila e Bem-me-quer (1972), Rosa dos Ventos (1973), As Divinas… e Maravilhosas (1973), Papai Coração (1976), Éramos Seis (1977), Salário Mínimo (1978) e Como Salvar Meu Casamento (1979), que não chegou ao final em meio à derradeira crise da emissora. A atriz nos deixou em 20 de dezembro de 2020, aos 87 anos, vítima de complicações causadas pela Covid-19.

Berta Zemel esteve em Vitória Bonelli (1972), onde foi a protagonista, além de Os Apóstolos de Judas (1976) e Gaivotas (1979). A atriz teve uma grande carreira no cinema e no teatro. Sua última novela foi Água na Boca (2008), na Band. Ela nos deixou em 25 de fevereiro de 2021, aos 86 anos, vítima de broncopneumonia.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Pioneira da televisão brasileira, Eva Wilma entrou na Tupi em 1953 e ficou até o fechamento do canal, seguindo para a Globo. No canal de Assis Chateaubriand, foi protagonista em seguidas produções, com destaque para Mulheres de Areia (1973), quando viveu as gêmeas Ruth e Raquel, A Barba Azul (1974), no papel de Jô Penteado, e A Viagem (1975), como Dinah. Ela também nos deixou aos 87 anos, tendo descoberto um câncer no ovário pouco antes.

Além das citadas acima, diversas estrelas do canal, especialmente nos anos 1970, infelizmente já nos deixaram.

Cleyde Yáconis morreu em 15 de abril de 2013, aos 89 anos, tendo participado de Mulheres de Areia (1973), Os Inocentes (1974), Ovelha Negra (1975), O Julgamento (1976), Um Dia, o Amor (1976), Aritana (1978), Gaivotas (1979) e Drácula, uma Historia de Amor (1980), que mal começou e foi tirada do ar.

Maria Estela, que morreu em 6 de julho de 2017, aos 75 anos, esteve em tramas como Mulheres de Areia (1973), Os Inocentes (1974), Meu Rico Português (1975), Um Dia, o Amor (1975), Aritana (1978) e Roda de Fogo (1978).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Estrela de novelas como As Bruxas (1970), Hospital (1971), Na Idade do Lobo (1972), Camomila e Bem-me-quer (1972), Mulheres de Areia (1973), O Machão (1974), Vila do Arco (1975), Xeque-Mate (1976), Éramos Seis (1977) e Salário Mínimo (1978), Maria Isabel de Lizandra morreu em 14 de março de 2019, aos 72 anos.

Márcia Maria foi a protagonista ou teve papel de destaque em diversas novelas da Tupi, como Bel-Ami (1972), Mulheres de Areia (1973), Os Inocentes (1974), Meu Rico Português (1975), A Viagem (1976), Os Apóstolos de Judas (1976), João Brasileiro, o Bom Baiano (1978) e Dinheiro Vivo (1979). Ela nos deixou em 8 de fevereiro de 2012, aos 68 anos.

Outras atrizes que brilharam na Tupi e já nos deixaram: Yara Lins, que morreu em 28 de junho de 2004, aos 74 anos; Geórgia Gomide, que morreu em 29 de janeiro de 2011, aos 73 anos; Yoná Magalhães, que morreu em 20 de outubro de 2015, aos 80 anos; e Ruthinéa de Moraes, que morreu em 24 de julho de 1998, aos 68 anos.

Estrelas da Tupi que seguem na ativa

Aracy Balabanian, 81 anos, entrou na Tupi em 1966 e esteve em sucessos como Antônio Maria (1968) e Nino, o Italianinho (1969). Depois de A Fábrica (1971), seguiu para a Globo, onde está até hoje.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Outro nome destacado que teve uma passagem pela estação foi Bete Mendes, atualmente com 72 anos. Na Tupi, fez Beto Rockfeller (1968), que revolucionou a linguagem das novelas brasileiras, Super Plá (1969), Simplesmente Maria (1970), O Meu Pé de Laranja Lima (1970), Nossa Filha Gabriela (1971), Na Idade do Lobo (1972), A Revolta dos Anjos (1972), A Volta de Beto Rockfeller (1973) e As Divinas… e Maravilhosas (1973). A partir de 1974, brilhou em O Rebu, da Globo, não voltando mais à antiga casa.

Um ano mais nova, Débora Duarte esteve em Beto Rockfeller (1968), João Juca Jr. (1969), Toninho on the Rocks (1970), As Bruxas (1970) e, após alguns anos na Globo, voltou em 1977 para protagonizar o grande sucesso O Profeta.

Também seguem firmes e fortes no segmento veículos como Ana Rosa, Guy Loup, Irene Ravache, Nathália Timberg e Elaine Cristina.



Leia também