Traição e cenoura: novela da Globo ficou marcada por bastidores picantes

Saiba os bastidores de novela escrita por escritora consagrada

Whatsapp

Há exatamente 47 anos, em 13 de dezembro de 1976, a Globo lançava na faixa das oito a novela Duas Vidas, escrita por Janete Clair. A autora, considerada uma das maiores novelistas brasileiras, já havia emplacado vários sucessos, mas Duas Vidas acabou não tendo grande destaque em sua galeria de obras.

Mário Gomes e Betty Faria em Duas Vidas
Mário Gomes e Betty Faria em Duas Vidas

Aliás, a novela se destacou pelos motivos errados: a trama teve bastidores conturbados, inclusive com detalhes “picantes” envolvendo seu elenco. A protagonista Betty Faria e o diretor Daniel Filho acabaram se envolvendo em um escândalo na época.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Folhetim realista

Duas Vidas - Isabel Ribeiro e Stepan Nercessian
Isabel Ribeiro e Stepan Nercessian em Duas Vidas (Divulgação / Globo)

Com Duas Vidas, Janete Clair tentava consolidar uma fase “realista” de sua carreira. A autora, até então, era adepta do folhetim rasgado e fantasioso. Mas, com Pecado Capital (1975), ela iniciava um estilo mais “pé no chão”. Duas Vidas nasce dentro deste contexto.

A trama mostra a vida de cariocas que são desapropriados do bairro do Catete por conta de uma obra para a construção de um metrô, fazendo uma crítica social quanto ao impacto do progresso na vida das pessoas. Uma das famílias desapropriadas é a de Grego (Sadi Cabral), que vai viver no apartamento que o filho Tomás (Cecil Thiré) mora com a esposa Leda Maria (Betty Faria).

Leia mais

Mas, após a morte de Tomás, Leda se vê envolvida com o médico Vitor Amadeu (Francisco Cuoco) e também com o aspirante a cantor Dino César (Mário Gomes), seu amor de juventude. Mas o artista se aproxima de Cláudia (Susana Vieira), a dona de uma gravadora.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Escândalo

Betty Faria
Betty Faria

Duas Vidas teve uma recepção morna por parte do público. No entanto, os bastidores conturbados da trama abasteceram os jornais e as revistas de fofoca. Na época, surgiram comentários sobre um romance entre Betty Faria (foto acima) e Mário Gomes, iniciado durante as filmagens do longa O Cortiço.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Daniel Filho, diretor da novela que era casado com Betty na época, acabou abandonando a produção. Com isso, Gonzaga Blota e Jardel Mello assumiram a condução da trama às pressas.

Depois disso, Mário Gomes ainda se viu em meio a mais uma fofoca. O jornal Luta Democrática publicou que o galã havia dado entrada em um hospital com uma cenoura entalada no ânus. De acordo com o site Teledramaturgia, do pesquisador Nilson Xavier, a fofoca teria partido de Carlos Imperial, produtor musical e cineasta.

Mário Gomes
Mário Gomes (Reprodução / Instagram)

O boato seria uma vingança de Imperial contra Gomes (foto acima). Isso porque, em 1976, o cineasta espalhou pela cidade cartazes do ator vestido de mulher para divulgar o filme O Sexo das Bonecas. Mário Gomes não teria gostado da ação e entrou na Justiça, conseguindo o recolhimento dos cartazes.

 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Censura

Janete Clair
Autora Janete Clair (Reprodução / Web)

Além de todo o quiprocó envolvendo Daniel Filho, Betty Faria e Mário Gomes, Duas Vidas ainda foi alvo da censura. O Brasil ainda vivia na Ditadura Militar e Janete Clair fazia justamente uma crítica às obras do metrô, que eram do Governo Federal.

A censura implicou com vários pontos da trama, como o romance entre a madura Sônia (Isabel Ribeiro) e o jovem Maurício (Stepan Nercessian). Tudo isso fez os censores cravarem que Duas Vidas era subversiva e atentava contra a moral e os bons costumes.

Janete Clair, incomodada, mandou uma carta ao à Divisão de Censura e Diversões Públicas do Departamento de Polícia Federal:

“Quem lhe escreve é uma escritora perplexa e desorientada em face dos cortes que vêm sendo feitos pela Censura Federal nos últimos capítulos da novela Duas Vidas. Perplexa e desorientada não apenas pela drástica mutilação da obra que venho realizando, como também diante do incompreensível critério que orienta a ação dos censores. De fato não posso entender que conceitos morais ou de qualquer natureza possam determinar a proibição de um romance de amor entre um jovem e uma mulher madura, ambos solteiros. (…) Não posso entender igualmente o porquê da proibição de outra cena em que o dono de uma casa de móveis reclama contra a poeira produzida pelas obras do metrô, que lhe emporcalha os móveis e afugenta a freguesia, quando todos nós sabemos dos transtornos ocasionados por essa obra pública (…)”, escreveu a novelista.

Whatsapp


Leia também