Salve-se Quem Puder é a melhor pior novela do momento - TV História

Salve-se Quem Puder é a melhor pior novela do momento

Whatsapp

Eu não posso te dar um mínimo de confiança que você já se aproveita para tentar me comover com essa sua carinha de boa moça. Você é muito manipuladora garota!“.

Essa frase foi dita por Helena (Flavia Alessandra) a Fiona (Juliana Paiva) no capítulo dessa segunda-feira (5) de Salve-se Quem Puder. Porém, caberia como uma luva se direcionada ao autor da novela.

Daniel Ortiz vem há quase 100 capítulos cozinhando o público com a trama da mãe bondosa que foi enganada no passado, afastada de marido e filha pequena, e a reencontra adulta sob outra identidade, sem saber que trata-se da criança que julgava morta. Como em toda boa trama melodramática, Ortiz manipula o público com os sentimentos e emoções mais básicos, usando com competência todos os artifícios que fazem a festa dos amantes de novelas mexicanas.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

 

E isso não é uma crítica. Para escrever uma boa novela mexicana é preciso muita habilidade. A proposta de Salve-se Quem Puder é explícita, tanto que uma das ambientações foi o México e a mocinha Luna, além da origem mexicana, é bondosa, sofredora, cheia de boas intenções e ainda por cima religiosa, devota fervorosa de Nossa Senhora de Guadalupe, santa padroeira do México. Existe apelo maior? Não. É piegas? Demais!

Piegas também é a heroína saber que Helena é sua mãe e ficar calada por quase cem capítulos sofrendo hostilidade e caindo em uma série de “armadilhas do destino“. Piegas, mas irresistível! A cartilha de todo bom folhetim ensina que as emoções do público precisam ser manipuladas de tal forma que quanto mais esgarçado for o sofrimento da mocinha, maior será a catarse.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A catarse veio no capítulo de segunda-feira. O público foi às lágrimas com a ansiada revelação a Helena de que Fiona é Luna. O cenário não poderia ser mais propício senão na igreja, diante do altar a Nossa Senhora de Guadalupe. Não suportando mais as alfinetas de Helena, Fiona-Luna deu a deixa para que a mãe reconhecesse nela a filha de quem foi obrigada a separar-se no passado.

A sequência foi toda excelente, da direção à ambientação, trilha sonora, texto e interpretação das atrizes, Flávia Alessandra e Juliana Paiva. Alguns enxergaram exagero, mas o exagero é um ingrediente da receita folhetinesca. As emoções são elevadas à máxima potência, mas o tom precisa ser dosado, para não cair na caricatura, e as atrizes precisam segurar bem. Flávia e Juliana entregaram tudo com o que o público vinha há meses ansiando.

A única novela inédita da Globo peca pelo excesso de personagens e situações infantiloides, caricatos e bobinhos. Alguns irritantes (meu sonho é ver aquela galinha em uma panela). Atende uma boa parcela do público, já que a audiência é boa (vem se mantendo em torno de 27 pontos no Ibope da Grande São Paulo). Contudo, a mais mexicana das tramas paralelas é o que vem fazendo Salve-se Quem Puder valer a espiada. É a melhor pior novela do momento.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

 

Capítulo recorde

O capítulo de segunda foi recorde de audiência e de participação. A novela registrou 35 pontos e 50% de participação no Rio de Janeiro. Em São Paulo, marcou 28 pontos e 42% de participação igualando o recorde anterior. A #Salve-seQuemPuder, além dos nomes de Flávia Alessandra e Juliana Paiva, permaneceram nos TTs Brasil na noite de ontem.

Whatsapp


Leia também