Saiba o que aconteceu com o ator que fez Calixto em O Cravo e a Rosa

Whatsapp

Podendo ser revisto atualmente em O Cravo e a Rosa, Pedro Paulo Rangel nasceu no Rio de Janeiro em 29 de junho de 1948. Além de ator, é diretor, tradutor e letrista.

Pedro Paulo Rangel

Seu primeiro trabalho na televisão foi em 1969, na TV Tupi, na telenovela Super Plá. Ainda na Tupi, participou de Toninho on The Rocks (1970).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Longa trajetória na Globo

Pedro Paulo Rangel em O Noviço

Sua estreia na TV Globo foi em 1972, na telenovela Bicho do Mato. No mesmo ano, fez parte do elenco da novela A Patota.

Em Gabriela (1975), protagonizou o primeiro nu masculino da televisão brasileira. Ainda em 1975, viveu o jovem aventureiro Carlos, em O Noviço, seu primeiro protagonista. Em 1976, participou de Saramandaia. Em 1978, despontou em O Pulo do Gato.

Em 1979, voltou à Rede Tupi de São Paulo e participou da trama Dinheiro Vivo.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Veia humorística

TV Pirata

Em 1981, quando retornou para a Rede Globo, o ator foi convidado por Jô Soares para integrar o elenco de seu novo programa, o Viva o Gordo. Rangel aceitou e interpretou diversos personagens no humorístico.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A experiência deu tão certo que, anos depois, ele tornou a participar de outros programas do gênero, como TV Pirata (1990) e Minha Nada Mole Vida” (2007).

O ator continuou atuando em diversas novelas e minisséries na emissora, como Vale Tudo (1988), quando se destacou como Poliana, O Primo Basílio (1988), O Sorriso do Lagarto (1991), Pedra Sobre Pedra (1992), O Mapa da Mina (1993), Engraçadinha… Seus Amores e Seus Pecados (1995), O Fim do Mundo (1996), A Indomada (1997), Pecado Capital(1998), Torre de Babel (1998), A Invenção do Brasil (2000).

O Cravo e a Rosa

Também em 2000, o artista deu vida, a Calixto, em O Cravo e a Rosa. O personagem era o antigo criado da casa de Petruchio (Eduardo Moscovis), tio de Lindinha (Vanessa Gerbelli). Era quem fabricava os queijos.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Bom caráter, paternal, quase um pai para Petruchio, funcionava como o “grilo falante” do protagonista. Sabe que ele, no fundo, ama Catarina (Adriana Esteves). Gosta de Mimosa (Suely Franco), a quem conhece no decorrer da história.

Ainda trabalhou ainda em A Muralha (2000), O Quinto dos Infernos (2002), Sabor da Paixão (2002), Um Só Coração (2004), Belíssima (2005), quando deu vida a Gigi, Amazônia, de Galvez a Chico Mendes (2007), Desejo Proibido (2007), Cama de Gato (2010) e Amor Eterno Amor (2012), sua última novela até o momento.

Além de seus trabalhos em novelas e minisséries, atuou em sete episódios do programa interativo Você Decide e, em 2004, no seriado A Diarista.

Em 2004, protagonizou o seriado Os Aspones, juntamente com os colegas Andréa Beltrão, Marisa Orth, Drica Moraes e Selton Mello. Também fez participações especiais em A Grande Família, no papel de Frank, irmão de Lineu , e no humorístico Sob Nova Direção (2005).

Mágoa da antiga emissora

Pedro Paulo Rangel atuando em seu monólogo O Ator e o Lobo

Em 2013, após mais de 30 anos na Rede Globo, o ator não renovou contrato com a emissora e passou a se dedicar exclusivamente ao teatro.

Certa vez, numa entrevista, ele revelou que guarda mágoa da emissora, pois, no processo de desligamento, esta teria divulgado na mídia que o dispensou.

“Eu falei para o meu chefe que queria dar um tempo e que depois voltaria”, contou.

Por onde anda Pedro Paulo Rangel, o Calixto de O Cravo e a Rosa?

O ator, que tem 73 anos e fumou por muitos anos, tem uma doença grave e crônica nos pulmões.

Por isso, precisou ficar completamente isolado quando começou a pandemia da Covid-19.

Por causa da doença, Rangel se sente cansado com facilidade e toma medicamentos com efeitos colaterais incômodos, como tremores e perda de memória.

“Para tomar banho, eu esfrego de um lado, descanso, e esfrego do outro”, contou em uma entrevista ao Metrópoles.

Whatsapp


Leia também