Saiba o que aconteceu com a atriz que fez Odete em O Clone

Whatsapp

Mara Virgínia Manzan nasceu em 28 de maio de 1952, na capital paulista. Seu amor pela dramaturgia explodiu aos 17 anos, ao assistir a uma apresentação no Teatro Oficina. Foi paixão à primeira vista.

O Clone

Executou diversas tarefas junto à trupe, como ajudar na bilheteria, comprar lanche para os atores e ajudar nos bastidores. Até que uma das atrizes faltou e Mara a substituiu competentemente e nunca mais largou o ofício, tendo mais de 30 peças no currículo.

Em sua trajetória na televisão, atuou em Perigosas Peruas (1992), Mulheres de Areia (1993), A Viagem (1994) e Salsa e Merengue (1996), onde interpretou Sexta-feira, um de seus papeis de maior destaque.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cada mergulho é um flash

Mara Manzan

Outro personagem impagável foi Odete, de O Clone, novela de Glória Perez, que está novamente no Vale a Pena Ver de Novo, da Globo.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Engolidora de fogo, casada com Edivaldo (Roberto Bonfim) e mãe da alpinista social Karla (Juliana Paes), Odete era fofoqueira. Ela acompanhava os devaneios da filha e emplacou o bordão “cada mergulho é um flash”, lembrado e usado até hoje pelos brasileiros.

Atuou ainda em Hilda Furacão e Pecado Capital (ambas em 1998), Terra Nostra (1999), Sítio do Picapau Amarelo (2003), Senhora do Destino (2004), América (2005) e Duas Caras (2007).

Último trabalho

Mara Manzan

Seu último trabalho foi em Caminho das Índias (2009), onde viveu Ashima, uma viúva indiana que morava no bairro carioca da Lapa.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Em virtude do câncer, Mara saiu mais cedo de Duas Caras para ser operada e depois, já em Caminho das Índias, ficou algumas semanas afastada para tratamento de quimioterapia.

A atriz morreu em 13 de novembro de 2009, aos 57 anos, no Rio de Janeiro (RJ), vítima de câncer no pulmão, decorrente do tabagismo – foi fumante por 40 anos.

Filha de Mara Manzan

No BBB21, Carla Diaz, colega de elenco de Mara em O Clone, lembrou o velório da atriz que, apesar de tudo, trouxe conforto aos presentes, com música e certa alegria, assim como era a amiga.

Considerava-se “muito doida”, mas foi muito querida e desapegada. Numa ocasião, chegou a colocar boa parte de seus pertences na rua para que as crianças da Rocinha pegassem o que quisessem.

Morou com os Mutantes, no auge dos anos 70, e planejava ser advogada antes de enveredar para a carreira de atriz.

Mara teve uma única filha, a também atriz e produtora Tathi Annie Manzan (foto acima), de seu relacionamento com o músico Rufino Lomba Neto, com quem viveu por seis anos. A filha lhe deu dois netos.

Whatsapp


Leia também