Relembre a história de A Força do Querer - TV História

Relembre a história de A Força do Querer

Se existe algo comum a todo ser humano é que temos sonhos, desejos, quereres. Pode ser relacionado a amor, dinheiro, sucesso, identidade, poder, realização profissional. Enfim, os quereres são múltiplos e interagem entre si nesse grande painel da convivência humana, harmonizando-se ou chocando-se uns com os outros. Movidos pelo querer, somos o tempo todo desafiados a fazer escolhas. Escolhas que nos fazem bem ou que se voltam contra nós. São questões que nos unem em um mundo em ebulição, no qual as certezas e os valores estão em pleno questionamento. Num tempo em que as distâncias são relativas, a vida de todos é arrebatada por uma enxurrada de informações e surgem novas linguagens, novos modelos e novos códigos.

Em A Força do Querer, de Gloria Perez, com direção artística de Rogério Gomes, os caminhos de diferentes personagens se cruzam quando suas trajetórias pessoais os levam ao limite, fazendo-os ultrapassar seus horizontes, desafiar barreiras e vencer conflitos. Nesse percurso, a força do querer de um afeta a força do querer do outro, determinando, assim, os rumos inesperados desta história.

E, para contar as histórias com uma boa dose de encantamento e magia, A Força do Querer traz a riqueza da cultura paraense, a lenda dos botos e das sereias e até a sabedoria da tribo indígena Ashaninka, que vive na fronteira do Acre com o Peru.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


Confira as tramas que integram a novela:

Porto de Belém, 15 anos atrás

Eugênio (Dan Stulbach) está no Pará e comanda o embarque de castanha para o Rio de Janeiro, acompanhado pelo filho Ruy (João Gabriel Cardoso / Fiuk) e o primo Caio (Rodrigo Lombardi). O empresário finalmente tomou coragem para deixar a C.Garcia, poderosa indústria de alimentos, apesar da forte resistência do irmão Eurico (Humberto Martins), com quem administra a empresa desde a morte precoce do pai. Eugênio quer realizar o sonho de seguir a carreira de advogado, que precisou abandonar para assumir os negócios da família. Ele acredita que já cumpriu sua parte na preservação do patrimônio dos Garcia e agora quer cuidar da própria vida. Mas, para realizar essa virada, investe em Caio para ser seu substituto na empresa e leva também o pequeno Ruy em sua última viagem à região Norte. Quer que o menino veja o pai à frente dos negócios que poderá assumir quando mais velho.

Um imprevisto, no entanto, faz com que a viagem seja esticada para o Acre. Eugênio precisa encontrar um fornecedor que está em um local que só se chega de barco. Ele libera o primo, que volta para casa, mas leva Ruy com ele. Acha que será bom para o menino um tempo maior com o pai, apesar de a esposa Joyce (Maria Fernanda Cândido) insistir que Ruy retorne com Caio.

Enquanto isso na Amazônia…

Eugênio (Dan Stulbach) segue viagem pelo rio com o pequeno Ruy (João Gabriel Cardoso / Fiuk), feliz por estar passando mais tempo com o filho e prestes a realizar o sonho de deixar a empresa para trabalhar como advogado. Até que, durante a travessia de barco, é surpreendido por uma tempestade fortíssima, comum na região. As águas começam a ficar agitadas, e escurece rapidamente. Mas, como a embarcação é pequena, Eugênio se preocupa. O barqueiro explica que não existe um lugar próximo para se abrigarem, estão em meio à mata virgem, quase na fronteira com o Peru. Sem sinal de celular para solicitar um resgate, o empresário começa a entrar em pânico.

Enquanto Eugênio e o barqueiro lutam para segurar a embarcação, Ruy, indiferente ao perigo, se debruça e cai no rio, sendo rapidamente levado pela correnteza. Desesperado, Eugênio perde o filho de vista. Zeca (Xande Valois / Marco Pigossi), um garoto da região com a mesma faixa etária de Ruy, corre pela margem e vê o menino em perigo. Na tentativa de ajudar, estende um galho pra Ruy, que se agarra firme. Mas, apesar da força que faz para puxá-lo, Zeca também acaba sendo levado pela correnteza.

Eugênio acredita que perdeu o filho para sempre. E Abel (Tonico Pereira), pai de Zeca, fica aflito com o sumiço do menino. Mas os garotos têm sorte, muita sorte. São encontrados, num estado entre a consciência e a inconsciência, por um índio da tribo Ashaninka (Benki Piyãko), que habita essa região da floresta amazônica. O índio cuida deles usando todo o conhecimento e a sabedoria de sua tribo.

De madrugada, a lua cheia brilha com intensidade e se funde com as águas do rio. Assustados, os meninos olham fixamente para a bela imagem e apertam as mãos. Acabam adormecendo e tendo um mesmo sonho, o que faz com que o índio perceba que eles estarão ligados para sempre pelas águas. Ele, então, faz uma predição: “Se viram tudo igual, é um aviso que o espírito da floresta está mandando. A vida toda vocês tomem cuidado com o que brotar das águas. O que brotar das águas vai juntar vocês dois e separar de novo!”. O Ashaninka parte um fio feito com sementes de açaí e entrega um pedaço a cada um dos meninos, para que nunca se esqueçam do que ele disse.

A esta altura, o índio já mandou avisar no povoado próximo que os rapazes foram encontrados. Numa casa de seringueiro, Eugênio, completamente abatido, reencontra Ruy, custando a acreditar que o filho está vivo. Refeito da emoção e grato pelo milagre, ele parte em seguida para o Rio de Janeiro com seu pequeno. Os dois meninos são levados embora sem nem sequer saber o nome um do outro, mas não se desgrudam do fio, símbolo da sorte inexplicável que tiveram.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


Mudança de rumo

Alheio a tudo, Caio (Rodrigo Lombardi) voltou para o Rio de Janeiro e para os braços da noiva Bibi (Juliana Paes), que conheceu na faculdade de Direito e por quem é completamente apaixonado. O problema é que os dois enxergam o amor de forma muito diferente. Bibi não compreende quando o noivo precisa se ausentar por causa do trabalho. Reclama que está indo a todos os eventos sociais sozinha.

Caio, amoroso e paciente, tenta convencer a noiva de que está se empenhando pelos dois e que ela poderá trabalhar com ele na empresa quando terminar a faculdade. Juntos formarão uma dupla imbatível. Mas Bibi não pensa em conforto material, no amor tranquilo, tecido na convivência cotidiana, ela quer viver o romance sempre em temperatura máxima, só acredita na adrenalina, na intensidade que hipnotiza e faz com que a pessoa amada seja objeto de todo o desejo e atenção.

Durante uma discussão, Bibi termina o relacionamento alegando falta de paixão. E acaba indo atrás de Rubinho (Emílio Dantas), um estudante de Química que trabalha como garçom, e que conheceu em uma das festas que foi sozinha. Nele encontra a paixão que tanto procurava. E Caio, sem chão com o rompimento, decide se mudar para os Estados Unidos, desistindo de assumir o comando da C.Garcia.

15 anos depois, o reencontro de Caio e Bibi

Depois de 15 anos morando nos Estados Unidos, Caio (Rodrigo Lombardi) decide que é hora de voltar e encarar o que deixou para trás. É muito bem recebido pela família, principalmente pela irmã Heleninha (Totia Meireles) e pelo cunhado Junqueira (João Camargo). Eurico (Humberto Martins), no entanto, nunca engoliu a saída repentina do primo da empresa e chega a ser hostil com ele, mas se segura a pedido da esposa Silvana (Lilia Cabral). Já Eugênio (Dan Stulbach), que teria ainda mais motivos para guardar rancor de Caio, o recebe com o maior carinho, pois admira sua coragem de ter ido embora atrás de um sonho.

Caio se aperfeiçoou bastante no universo do Direito enquanto esteve fora, e voltou ao Brasil para dar aulas na mesma faculdade em que se formou e conheceu Bibi (Juliana Paes). E é num corredor da universidade que o destino volta a cruzar o caminho dos dois. O constrangimento é inevitável. A relação deixou marcas profundas, por mais que eles se recusem a admitir isso para eles mesmos.

Bibi não se arrepende de ter deixado Caio para ficar com Rubinho (Emílio Dantas), mas vive uma fase financeira muito difícil. O marido não consegue emprego e ela sustenta a família com o que ganha trabalhando num salão de beleza. Mesmo assim, se enche de orgulho para dizer a Caio que vive um casamento perfeito, tem ao seu lado um homem cheio de virtudes e apaixonado por ela, e que ainda lhe deu um filho lindo. Com sua família, acredita que irá superar todas as dificuldades.

Caio fica incomodado, mas quer seguir em frente. E sabe que não será nada fácil. A mãe de Bibi, Aurora (Elizangela), procura o advogado após saber que ele e sua filha se reencontraram para pedir ajuda, sem que Bibi saiba. Conta que a filha está para ser despejada e que vai “morar” em um bar com o marido até que a situação se ajeite. Penalizado, Caio decide emprestar um imóvel para a ex-noiva morar com a família, na condição de que Aurora não conte quem a está ajudando.

A casa fica no bairro da Usina, onde Heleninha (Totia Meireles), irmã de Caio, vive com a família num casarão antigo. A princípio, a ajuda do advogado vai melhorar e muito a qualidade da vida de Bibi e sua família. Mas, com o passar do tempo e as escolhas erradas, em nome da paixão por Rubinho, Bibi vai cair no mundo do crime, e Caio, que é movido por ideais éticos e ligado ao mundo da Justiça, viverá um enorme conflito entre sua essência e o amor por essa mulher, que se torna a “Bibi Perigosa”.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


Relações delicadas

Quando Eugênio (Dan Stulbach) decide que vai finalmente montar seu escritório de advocacia, a esposa Joyce (Maria Fernanda Cândido) não dá apoio algum. Muito ligada a tudo o que diz respeito à beleza e ao universo feminino, Joyce é sofisticada, tem gostos caros. Teme que o marido não consiga manter o alto padrão de vida da família e também não entende sua busca pela realização profissional. Assim como o irmão de Eugênio, Eurico (Humberto Martins), ela acha que o marido já está velho demais para pensar em mudar de vida.

Enquanto Eugênio tenta que Joyce compartilhe de sua alegria com o projeto do escritório, ele conhece Irene (Débora Falabella), arquiteta indicada pela cunhada Silvana (Lilia Cabral) para fazer a reforma da sala que logo receberá os primeiros clientes. Irene é uma mulher manipuladora, que atropela tudo e qualquer coisa para fazer valer o seu querer. E o seu querer é Eugênio.

Ela joga com todas as armas que tem. Percebe que Eugênio está carente de alguém que entenda o que se passa com ele, que lhe incentive, dê força. Silvana nota a besteira que fez apresentando sua colega de profissão ao cunhado e dá um jeito de assumir o projeto, com o objetivo de afastar os dois. Esforço em vão. Irene está determinada a conquistá-lo, custe o que custar.

Eurico (Humberto Martins) também enfrenta problemas no casamento com Silvana. Os dois se gostam muito, mas ela coloca toda a harmonia da relação a perder com seu vício em jogo. Silvana quer a emoção dos riscos. Eurico, que quer controlar tudo e todos, sabe que a esposa gosta de um carteado com as amigas, mas nem sonha que ela aposta alto em mesas de jogo e que já chegou a perder enormes quantias numa única noite.

Para enganar o marido e sair para jogar, a arquiteta lança mão das maiores mentiras, chegando até a envolver a filha dos dois, Simone (Juliana Paiva), e sempre acaba se enrolando. Silvana vai se envolvendo numa teia de mentiras e a situação só não se complica ainda mais porque sua empregada e fiel escudeira Dita (Karla Karenina) está sempre lhe ajudando e acobertando suas confusões. Com o passar do tempo, o vício de Silvana irá levá-la a situações bem mais arriscadas e comprometedoras.

Já Heleninha (Totia Meireles), irmã de Caio (Rodrigo Lombardi) e prima de Eugênio e Eurico, vive um casamento morno com Junqueira (João Camargo), e se aflige com o comportamento do filho Yuri (Adriano Alves). O garoto só fala com os pais via mensagem de celular. Mesmo as coisas mais simples, como pedir um sanduíche no café da manhã. E ainda é adepto do Cosplay. A vida em família e a dificuldade com esses novos códigos resulta em um grande conflito de gerações.

Heleninha e Caio estão há muitos anos sem ver o pai, Garcia (Othon Bastos), tio de Eugênio e Eurico. Um homem excêntrico, bon vivant, do tipo que vive sem preocupações, e se comunica com os parentes através de cartões postais que envia sempre de algum lugar do mundo. Mas Garcia reaparece de uma hora para outra e volta a viver no casarão da família. Ele acaba reencontrando Elvira (Betty Faria), uma antiga paixão que não foi adiante por conta do temperamento forte de ambos. No reencontro, vão constatar que os anos não transformaram nem um nem outro.

A profecia do índio Ashaninka se cumpre

Nas águas de Parazinho, cidade fictícia no interior do Pará, os caminhos de Zeca (Marco Pigossi) e Ruy (Fiuk) voltam a se cruzar. Zeca se mudou para a cidade com o pai, Abel (Tonico Pereira), depois do acidente no rio, e Ruy vai ao local em viagem com Eugênio (Dan Stulbach). Agora, Eugênio prepara Ruy para assumir seu posto e os dois seguem de barco do porto de Belém até Parazinho com o objetivo de negociar com um fornecedor.

Zeca caminha pela margem do rio, com o fio Ashaninka amarrado no pulso. Já Ruy, dentro da embarcação, observa os botos nadando, até que surge uma bela moça, de cabelos compridos, brincando entre os animais. “O que brotar das águas vai juntar vocês dois e separar de novo!”, dizia a profecia do índio, que aqui começa a se cumprir. A moça é Ritinha (Isis Valverde), namorada de Zeca, que também a observa encantado do outro lado da margem.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


O encanto da sereia

Zeca (Marco Pigossi) é rude, passional, mas tem um coração enorme. Adora a vida pacata de Parazinho e a profissão de caminhoneiro. Tem no veículo o seu grande xodó, ama pegar a estrada, e a felicidade se completa quando ele volta para a sua cidade e encontra Ritinha (Isis Valverde), sempre alegre e faceira à sua espera. Tudo o que Zeca quer é se casar com ela e viver em Parazinho. Mas a jovem, fascinada desde pequena pelas águas do rio, tem o poder de encantar e seduzir as pessoas, assim como as sereias. Isso é instintivo nela. Ritinha também vive a euforia da juventude. Quer experimentar de tudo, conhecer outros lugares, aproveitar o que a vida tem para oferecer.

Os avisos insistentes do pai, Abel (Tonico Pereira), criticando a postura e a natureza de Ritinha, não abalam Zeca. Para ele, o amor imenso que sente pela namorada fala mais alto do que tudo. Mais alto do que a razão.

Ritinha conhece Ruy (Fiuk) e se encanta por aquele “estrangeiro”. O jovem da alta sociedade carioca está noivo de Cibele (Bruna Linzmeyer) e também fica fascinado por aquela mulher que ele vê nadando com os botos e que parece uma sereia. Ele quer Ritinha de qualquer maneira. Mas não pretende abrir mão do noivado e da vida organizada que leva no Rio de Janeiro.

Apesar de gostar muito de Zeca (Marco Pigossi), Ritinha (Isis Valverde) adora a atenção de Ruy (Fiuk). Ele a faz se sentir desejada e ela vibra com o fascínio que exerce sobre os homens. Sabe como ninguém atiçar e manter aceso o desejo do forasteiro, mas sem se entregar a ele. Afoito para continuar até o fim as explosões de desejo sempre interrompidas, Ruy faz promessas irresponsáveis. Quando vê a moça implorando que Zeca a leve com ele em uma viagem de trabalho até a capital fluminense, promete levar Ritinha ao Rio. Situação, aliás, armada pelo próprio Ruy para afastar o caminhoneiro da cidade. Ritinha, então, prepara sua fuga, com ajuda da melhor amiga e confidente Marilda (Dandara Mariana), que despista a atenção de sua mãe, Edinalva (Zezé Polessa). Mas a moça acaba se desencontrando de Ruy no horário marcado, afinal, ele não queria levá-la de verdade. Sem entender, vai atrás de Ruy em Belém – para onde eles iriam antes de seguir viagem ao Rio – acreditando que irá encontrá-lo no hotel que costuma ficar na capital do Pará. É tarde: o rapaz já foi embora.

A frustração não é suficiente para fazer Ritinha (Isis Valverde) sossegar e voltar para casa. Ela decide ficar em Belém e encontrar uma amiga, Francineide (Laize Câmara), que trabalha como sereia em um aquário e lhe apresenta o universo do sereísmo, que a deixa fascinada. O breve sumiço de Ritinha faz com que sua mãe e todos em Parazinho acreditem que ela foi embora com Ruy (Fiuk). A notícia chega até Zeca (Marco Pigossi), que está na casa de sua tia Nazaré (Luci Pereira), no bairro de Portugal Pequeno, em Niterói, para onde ele foi depois de entregar a carga no Rio de Janeiro. O caminhoneiro, certo de que foi abandonado por Ritinha, se revolta e decide mudar de vida: vai voltar a Parazinho, buscar o pai e depois se mudar para Niterói.

Quem cai na rede é peixe

O tempo a mais que Ruy (Fiuk) ficou em Parazinho deixou Cibele (Bruna Linzmeyer) incomodada. Ela está envolvida com os preparativos do casamento e a reforma do apartamento que irão morar. Quer que o noivo participe de tudo e fique tão entusiasmado quanto ela. Percebe que tem algo errado, que Ruy não está tão carinhoso e presente como antes. Uma nova oportunidade de voltar ao Pará por conta do trabalho cai como uma luva para Ruy e deixa a noiva ainda mais intrigada.

A esta altura, Zeca (Marco Pigossi) já saiu de Niterói rumo a Parazinho, mas decide parar em Belém para entregar uma carga. Por ironia do destino, encontra Ritinha (Isis Valverde) enquanto procura um lugar para comer. É atraído pela animação de adultos e crianças que olham fixamente para um aquário e a vê nadando entre os peixes, com cauda de sereia. Impactado, Zeca consegue tirar Ritinha à força do local e a leva, bastante contrariada, de volta a Parazinho. Ela deseja ficar em Belém de qualquer maneira. Mas o caminhoneiro quer se vingar, ver Ritinha sofrer na boca do povo e nas mãos de Edinalva (Zezé Polessa), que não deixará barato.

Apesar da desonra pública, com o passar dos dias Zeca (Marco Pigossi) se deixa levar novamente por Ritinha (Isis Valverde). Ela aproveita a passagem do Círio de Nazaré pela cidade, quando tem a chance de estar mais perto de Zeca, para convencê-lo de que fugiu para Belém sozinha, para trabalhar como sereia, e que não contou nada porque ele e sua mãe nunca iriam deixá-la ir. Jura para Zeca que voltaria e que não levou todas as suas roupas como disseram. O caminhoneiro a perdoa, e, apaixonado, quer levar a amada para morar com ele em Niterói. Já está de mudança marcada. Mas Ednalva bate o pé: Ritinha só vai se estiver casada. Mesmo contra a vontade de Abel (Tonico Pereira), que agora não pode nem ver a moça em sua frente, Zeca se casa com Ritinha em Parazinho.

A festa é simples, mas muito animada. Os convidados dançam ao som do Carimbó, dança típica do Pará. Tudo seguiria perfeito, se Ruy (Fiuk) não conseguisse entregar um bilhete para Ritinha (Isis Valverde), através de Marilda (Dandara Mariana), no meio da festa. Sem pensar muito, a jovem mais uma vez segue seus impulsos e vai ao encontro do rapaz, curiosa. Ele a espera no rio, dentro de um barco, e fica surpreso quando a vê vestida de noiva. Mal dá tempo de os dois conversarem, e Zeca (Marco Pigossi) chega, flagrando a situação. Sem pensar, o caminhoneiro pega uma arma, que está próxima dele em outra embarcação, e atira. Ritinha pula dentro do barco e foge com Ruy, em clima de total tensão e desespero.

Ruy percebe a cilada em que se meteu. Se sente culpado e responsável por Ritinha, e acaba a levando para o Rio de Janeiro. Pede emprestado ao amigo Amaro (Pedro Nercessian) uma casa afastada para deixá-la até que encontre uma saída. Mas enquanto isso, não resiste e tem outros momentos de paixão com Ritinha (Isis Valverde), durante as visitas para levar comida. Dantas (Edson Celulari), o pai de Cibele (Bruna Linzmeyer), está em sua cola, desconfiado. Dantas também trabalha na C.Garcia e acompanha os passos de Ruy e seus sumiços da empresa. A namorada dele, Shirley (Michelle Martins), é esperta e o ajuda a identificar o que está acontecendo com o noivo da filha.

Ruy consegue localizar Edinalva, a mãe de Ritinha, e compra passagem para mandar a moça de volta a Parazinho. Ao falar com Edinalva, sente-se seguro de que ninguém fará mal a Ritinha se ela voltar para sua cidade. Mas quando está prestes a conseguir se livrar da situação, Ritinha faz uma grande revelação para Ruy: está grávida dele.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


O recomeço de Zeca

Se Ruy (Fiuk) está em maus lençóis, a vida de Zeca (Marco Pigossi) também fica virada do avesso. O tiro que disparou no dia de seu casamento com Ritinha (Isis Valverde) atingiu um barqueiro, e ele precisou vender o caminhão para pagar a indenização ao homem que perdeu a carga que levava no barco. Do zero, ele recomeça a vida em Niterói ao lado do pai, Abel (Tonico Pereira), na casa da tia Nazaré (Luci Pereira). Zeca quer esquecer tudo o que aconteceu, mas não consegue. Amaldiçoa Ritinha em sua mente o tempo todo e vai acertar contas com Ruy na porta da C.Garcia, partindo com muita fúria para cima dele.

Os dias passam e ele se aproxima da vizinha Jeiza (Paolla Oliveira), uma policial linda, mas muito durona e cheia de garra. Ela ama o trabalho no Batalhão de Ações com Cães e também sonha se tornar lutadora de MMA. Jeiza quer conquistar os ringues e mostrar que mulher pode fazer o que quiser. Filha de Cândida (Gisele Fróes), Jeiza é feminina, gosta de se produzir bem para sair, mas seu comportamento em relação aos homens se difere da maioria das mulheres do bairro. Inclusive da própria mãe, que acaba se relacionando com tipos que não a valorizam. Jeiza não aceita domínio de namorado algum, principalmente quando envolve sua profissão. É ela quem sempre deu as cartas nas suas relações.

Zeca, de início, não gosta da moça. Afinal, criado no Interior e muito machista, não entende uma mulher como Jeiza. Mas, com o tempo, os dois se tornam amigos – ela até o ajuda a encontrar uma advogada para entrar com o processo de anulação do casamento com Ritinha. Da amizade, surge uma grande paixão. Paixão que irá enganar Zeca novamente, fazendo-o acreditar que virou a página com Ritinha de uma vez por todas. Só que ele não se dá conta de que o velho sentimento continua ali, pronto para explodir a qualquer momento.

Os caminhos de Zeca, Ruy e Ritinha seguirão entrelaçados pela rede de fascínio e dominação dessa mulher, rumo a situações inesperadas e surpreendentes.

Ivana e sua jornada para compreender sua identidade de gênero

Filha caçula de Eugênio (Dan Stulbach) e Joyce (Maria Fernanda Cândido), Ivana (Carol Duarte) vive um grande conflito existencial. Quando se olha no espelho, não consegue se reconhecer: percebe que tem algo diferente em seu corpo, na forma como enxerga a si mesma. Ela foi criada para ser a imagem e semelhança da mãe, que cultua ao máximo tudo o que diz respeito à beleza e ao feminino. Ivana faz o que pode para não decepcionar Joyce. Mesmo assim, as discussões com a mãe são inevitáveis.

Quando criança, posou ao lado de Joyce para capas de revistas usando os modelos mais fashion e até sapatos de salto para crianças. Mas, na fase adulta, Ivana se tornou uma mulher com quase nenhuma vaidade, não curte maquiagem e roupas da moda. Adora jogar vôlei de praia e sonha se tornar uma jogadora profissional. Ela se esforça para namorar Claudio (Gabriel Stauffer). Mas não consegue ir adiante, embora goste bastante dele. E os conflitos internos se agravam.

A mãe, que tanto idealizou a filha, não aceita Ivana como ela é. Quer que ela se arrume, valorize suas formas, seja como a maioria das moças de sua idade e classe social. Assim como é a prima Simone (Juliana Paiva), filha de Silvana (Lilia Cabral) e Eurico (Humberto Martins), sua grande confidente e amiga. Chega um momento em que Ivana percebe a natureza de seu problema e, então, iniciará uma jornada para compreender sua identidade de gênero.

Enquanto Ivana luta para encontrar seu lugar no mundo, Joyce e Eugênio precisarão resgatar a cumplicidade perdida para lidar com essa questão tão delicada que jamais imaginaram viver.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


O orgulho Plus Size e o motorista misterioso de Eurico

Na C.Garcia trabalha Abigail (Mariana Xavier), conhecida como Biga. Secretária dos executivos da empresa de alimentos, ela tem a autoestima lá no alto. Está sempre na internet procurando modelos sensuais de lingerie plus size e não entende a obsessão das pessoas por dieta. Adora comer seu chocolate e é feliz com suas formas. Alegre e divertida, Biga também se mostra muito esperta: sabe de tudo o que acontece à sua volta na empresa.

É também na C.Garcia que trabalha Nonato (Silvero Pereira), homem que saiu do interior do Ceará para tentar a vida artística no Rio. Como meio de sustento, aceita o trabalho de motorista de Eurico (Humberto Martins), que inclui vigiar os passos de Silvana (Lilia Cabral). Sua função é descobrir para onde vai a esposa do patrão, cada vez mais desconfiado de que ela sai para jogar. Nonato conquista o reconhecimento de Eurico com sua competência, mas não perde o foco nos seus objetivos. Quer montar seu espetáculo e mostrar seu talento como transformista. Quando está na residência do patrão, precisa driblar a desconfiança de Dita (Karla Karenina), a empregada da casa, que percebe algo diferente na aparência dele. Eurico, que é um homem extremamente conservador, estabelece uma relação de amizade com Nonato, sem imaginar que ele guarda segredos que suas convicções jamais aceitariam.



Deixe sua opinião
Whatsapp


Leia também