Redução drástica do elenco da Globo estava na gaveta há 35 anos - TV História

Redução drástica do elenco da Globo estava na gaveta há 35 anos

Whatsapp

Em 2020, em virtude da reestruturação em todo o Grupo Globo e também pela retração econômica gerada por conta da pandemia do novo coronavírus, a Rede Globo está dispensando ou não renovando os contratos fixos de diversas estrelas, como Renato Aragão, Tarcísio Meira, Glória Menezes, Vera Fischer, Miguel Falabella e muitos outros.

O que pouca gente sabe é que esse projeto é antigo na emissora. Há 35 anos, em abril de 1985, reportagem do Jornal do Brasil explicou que a Globo estava trabalhando numa proposta que tirava o sono de boa parte do elenco.

“Pensa-se no corte da figura do ator funcionário e no cancelamento dos contratos a longo prazo. Se a proposta for adiante, a Globo passa a fazer contratos por obra certa, ou seja, só recebe dinheiro o ator que estiver trabalhando”, explicou a reportagem.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


Ainda segundo o texto, os dirigentes da emissora descobriram que centenas de profissionais presentes na folha de pagamento passavam mais de um ano sem pisar no estúdio, mas recebiam normalmente no final do mês.

“Há pouco tempo, foi feito o levantamento do elenco e a emissora constatou ter 119 atores disponíveis. Começava gravação de um Caso Verdade e a emissora precisava preencher cerca de 20 papéis. Apesar da lista de atores da casa, foi obrigada a pagar cachês porque seus funcionários deram as mais variadas desculpas, recusando o chamado”, enfatizou o texto.

Entre as figuras citadas, estavam astros de primeira grandeza, com salários de 5 milhões de cruzeiros mensais.

“Diante de tantas dificuldades em arregimentar elenco com seu pessoal contratado, a Globo imaginou que a melhor medida seria demitir todo mundo. Acredita que, dessa maneira, terá mais facilidade em encontrar atores dispostos a trabalhar”, destacou a nota.

Como se sabe, o projeto não foi adiante e a Globo continuou com muita gente em sua folha de pagamento durante todos esses anos. Mas a situação mudou a partir de 2020 e, pelo jeito, essa nova realidade veio para ficar.



Leia também