Produção de remake de grande sucesso da Globo seria impossível atualmente

Produção de remake de grande sucesso da Globo seria impossível atualmente

Whatsapp

De autoria de Ivani Ribeiro, A Gata Comeu é cultuada por uma legião de fãs, movidos pela memória afetiva, especialmente os que foram crianças quando exibida pela primeira vez (em 1985).

A trama tem um forte apelo infantojuvenil, tanto pela trama – com boa carga lúdica, sem muito compromisso com a verossimilhança – quanto pelo elenco de atores mirins.

A produção já era um remake em 1985: foi baseada em A Barba Azul, trama da Tupi de 1974-1975, estrelada por Eva Wilma e Carlos Zara. A versão da Globo foi protagonizada por Christiane Torloni e Nuno Leal Maia, como Jô Penteado e o professor Fábio, papeis que marcaram suas carreiras.

E se A Gata Comeu fosse produzida hoje em dia? Um remake dessa novela seria impossível na atualidade. Seriam necessárias tantas alterações no roteiro que os puristas reclamariam de descaracterização da trama.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

E manter o roteiro original esbarra em uma série de questionamentos de nossa sociedade moderna, tantos que praticamente inviabilizariam a produção.

Toda obra audiovisual deve ser analisada dentro do contexto histórico em que foi criada. É um equívoco criticar uma produção do passado com os olhos de hoje, tendo como base os padrões atuais da sociedade, do que é julgado como certo e errado pelo senso comum.

Para a sua época (1985), A Gata Comeu coube perfeitamente no pensamento de seu tempo. Não fosse assim, não teria sido considerada uma novela despretensiosa, de apelo infantojuvenil, exibida às seis da tarde.

Entre tapas e beijos

Todavia, como justificar hoje os tapas que o Professor Fábio revidava em Jô, pelo simples “bateu, levou”? Com o agravante de que o perfil de Fábio é o de um homem correto, íntegro, pai e professor de crianças. Em uma dessas situações, o tapa foi na frente de seus alunos. Em outra, ele se justificou: “Porque ela me tira do sério!”. O pior de tudo: a trama dá a entender que Jô se apaixona por Fábio porque foi esbofeteada.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Só ao final, a autora explica a paixão de Jô por seu algoz: Fabio, ao rejeitar Jô tão veementemente, lhe despertou um sentimento que ela tinha por seu pai: a ausência paterna após o segundo casamento dele. Ela não conseguia se apaixonar por homens bonzinhos, como o pai, permissivo traduzido como ausente.

O primeiro homem que lhe impôs limites (por meio de violência), fez com que ela se apaixonasse, ao lhe remeter ao pai menos permissivo, porém mais presente, de sua infância.

Se essa situação tem realmente algum fundamento defendido pela Psicologia, teria que ser hoje discutido em uma novela das nove, não em uma trama infantojuvenil.

Os problematizadores de plantão exigiriam explicações bem mais plausíveis logo no primeiro tapa, no início da história. Imagina o cancelamento e a quantidade de textões achincalhando a novela!

Machismo e estupro

Engraçado que a autora até aborda o machismo, por meio de outro personagem: Edson (José Mayer).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Só que, neste caso, a discussão limita-se à figura do machão, que já era anacrônica na década de 1970 (quando foi ao ar A Barba Azul). Edson não aceita que a mulher trabalhe fora porque acha que o homem deve ser o provedor do lar. Apenas.

Outra incongruência com nosso tempo que poderia gerar muita controvérsia: a maneira como Tony (Roberto Pirilo) conquista Paula (Fátima Freire), que casou-se com ele sem estar apaixonada.

Ele a envolve de tal forma e com tal domínio que acaba levando-a para o altar – contra a vontade dela. Essa insistência se repete na noite de núpcias. Romantização do assédio e do estupro?

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Afinal, houve vontade apenas de uma parte, do homem. Com o tempo, por meio de muita enganação, Tony consegue finalmente conquistar Paula.

Esta é uma discussão levantada com os olhos de hoje. Um regravação ipsis litteris de A Gata Comeu seria inviável nesses tempos de conscientização da posição e dos direitos da mulher e de luta contra o machismo, misoginia e a violência doméstica. Eu prefiro A Gata Comeu como obra original, que se mantem como um clássico de nossa televisão, fruto de seu próprio tempo.

AQUI tem tudo sobre A Gata Comeu: trama, personagens, elenco completo, trilha sonora e muitas curiosidades de bastidores.



Leia também