Muito antes das redes sociais, personagem odiada de Por Amor foi cancelada na internet - TV História

Muito antes das redes sociais, personagem odiada de Por Amor foi cancelada na internet

Whatsapp

No final de 1997, nos primórdios da internet comercial no Brasil, muito antes do surgimento das redes sociais e de sites de petições, foi realizada a primeira campanha de cancelamento contra uma personagem de televisão. Os internautas, revoltados com o comportamento mimado de Eduarda, vivida por Gabriela Duarte em Por Amor, da Rede Globo, criaram um site que possibilitava enviar mensagens para o autor Manoel Carlos.

Por Amor estreou no dia 13 de outubro de 1997. A novela perguntava ao público: o que você seria capaz de fazer por amor? Na trama, Helena (Regina Duarte) e Eduarda engravidam ao mesmo tempo. No dia do parto, Eduarda perde o útero e seu filho morre, enquanto o bebê de Helena nasce saudável. Desesperada pelo momento trágico e pensando no fato da filha não poder engravidar novamente, Helena pede ao jovem médico César (Marcelo Serrado) para trocar as crianças, o que é feito.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


Desde o início da história, Eduarda não conquistou o público. Ciumenta, mimada e frágil, vivia pegando no pé do noivo, Marcelo (Fábio Assunção), e rejeitava o pai, Orestes (Paulo José), que era alcoólatra.

O público logo se cansou e alguém teve a ideia de montar um site na internet, na extinta plataforma Geocities, que possibilitava criar sites simples de forma gratuita. “Eu Odeio a Eduarda” entrou no ar no final de 1997 e logo chamou a atenção da mídia, que começou a repercutir o fato. Num mundo ainda sem buscadores precisos como o Google, o acesso ao material só se dava com esse tipo de repercussão.

No site, era possível enviar uma mensagem para Manoel Carlos pedindo a morte da personagem. Também existia um arcaico jogo onde se podia jogar tomates no rosto de Eduarda. Tudo muito rudimentar, mas inédito.

A atriz falou sobre o site à Folha de S. Paulo de 12 de abril de 1998, quando a novela se aproximava do fim. “Nunca me senti pessoalmente atingida. Se a página chamasse Eu Odeio a Gabriela Duarte, ficaria chateada, mas não foi o caso. Eu tenho de dizer que isso tudo criou uma polêmica muito saudável em torno do meu trabalho”, disse.

Ela também achava que se outra atriz tivesse feito a Eduarda, a personagem seria completamente diferente. “Talvez o público não a odiasse tanto naquele período. Mas sou eu que estou fazendo, e ninguém pode dizer que está errado. Ela é a minha Eduarda”, ressaltou.

Em contraponto aos que odiavam a personagem, mas com menor repercussão, foi criado outro site, “Eu Adoro a Eduarda”, para manifestar apoio à moça.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


Mudança de planos

Tamanha repercussão fez o autor Manoel Carlos mudar de ideia: na sinopse original, Eduarda deveria morrer para que pudesse ser solucionado o polêmico caso da troca dos bebês.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


Mas, segundo o autor disse à mesma reportagem da Folha, dois fatores o fizeram escolher outro desfecho. “A virada de Eduarda, mostrando que ela não é apenas uma menina mimada e arrogante, e a expectativa do público, que prefere ver a personagem feliz, de preferência nos braços de Marcelo, no final da trama”, explicou a reportagem.

“Sou um autor que ouve a voz das ruas, e as pessoas pedem para que Eduarda não morra”, concluiu Manoel Carlos. E ela não morreu mesmo, tendo um final feliz ao lado de Marcelo.



Leia também