Perna necrosada: ator que foi galã da Globo passou por 65 cirurgias

Whatsapp

Galã de novelas da Globo e do SBT nos anos 1980, Raymundo de Souza voltou às novelas no ano passado após passar por nada menos que 65 cirurgias. O ator se recuperou após sofrer um grave acidente de moto em 2017.

Raymundo de Souza

“Eu só tenho essa profissão na minha vida, desde 1978. Nunca fiquei tanto tempo afastado daquilo que amo fazer: representar. Ainda estou com pinos nas pernas, mas foi muito emocionante ver como as pessoas me receberam, ver os cuidados dos colegas, da produção”, contou à colunista Patricia Kogut, do jornal O Globo.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Aos 70 anos, Raymundo fez participações em Gênesis, na Record, e Nos Tempos do Imperador, produção da Globo.

Leia mais

Após o acidente, o ator foi internado com uma fratura na perna, que acabou causando uma necrose. O membro quase foi amputado.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“Cheguei ao hospital numa terça e marcaram de me operar no sábado. Não era para ter acontecido desta maneira, e a minha perna necrosou, tive uma infecção hospitalar no osso. Tiveram que tirar 80% da minha pele entre o tornozelo e o joelho. Adiante, tive que passar por procedimentos para colocar pinos, depois cirurgias para colocar enxerto. Ao todo, já foram 65 cirurgias. Fiz a última há 15 dias”, explicou.

“As pessoas estão há um ano em casa por conta da pandemia, mas eu vivi isso antes: fiquei oito meses num hospital sem ver a luz do sol. Os médicos dizem que as pessoas, por muito menos, deprimem-se. Coisa pior podia ter acontecido: na infecção, por exemplo, a bactéria podia ter ido para o sangue. E não aconteceu. Eu me sinto um vencedor por ter conseguido passar por isso. Foram muitas idas ao hospital, muitos procedimentos. Ficam até alguns traumas. Agora, uma das sequelas é que tenho a perna direita menor do que a esquerda em três centímetros”, completou.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Vida pessoal e carreira

Nascido em 12 de maio de 1952, em Santo André (SP), Raymundo estreou na televisão em 1979, na novela Cara a Cara, da Band.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Ainda fez tramas como Vida Roubada (1983) e Meus Filhos, Minha Vida (1984), no SBT, Sinhá Moça (1986), Direito de Amar (1987), Mandala (1987) e Pacto de Sangue (1989), na Globo, entre outras.

Nos anos 1990, esteve em produções como Pedra Sobre Pedra (1992), Irmãos Coragem (1995), Explode Coração (1995), Mandacaru (1997) e Terra Nostra (1999).

Na década de 2000, após diminuir sua participação na telinha, voltou com tudo na Record, onde fez Vidas Opostas (2007), Caminhos do Coração (2007), Chamas da Vida (2008), Rei Davi (2012), Máscaras (2012), Pecado Mortal (2013), Milagres de Jesus (2014), Vitória (2014), Os Dez Mandamentos (2015), A Terra Prometida (2016) e Belaventura (20017), seu último trabalho antes do acidente.

Em Gênesis, participou como Nordic; em Nos Tempos do Imperador, viveu Serafim, reitor de uma faculdade de medicina.

Casado com a executiva Fabrícia Oliveira, o ator agradeceu pelos momentos de apoio.

“Tive momentos de profunda tristeza e, se eu não tivesse cuidado disso, teria entrado em parafuso. Me ajudou muito ter recebido o apoio da minha mulher e dos meus amigos. Também fiz meditação. A gente se apegar às coisas positivas colabora. Tenho orgulho da minha trajetória”, concluiu.



Leia também