Nova aquisição da Globoplay, A Favorita vale a pena ver de novo

O Globoplay está cada vez mais empenhada em ampliar seu catálogo para atrair mais assinantes. Como a gravação de novas séries está interrompida por conta da pandemia do coronavírus, o serviço de streaming da Globo insere a partir de hoje, dia 25, uma lista de novelas que fizeram sucesso e são até hoje lembradas. Entre as escolhidas estão “Dancin`Days” (1978), “Baila Comigo” (1981), “Tieta” (1989), “Guerra dos Sexos” (1983), “Roque Santeiro” (1985), “Vale Tudo” (1988), “Vamp” (1991), “A Próxima Vítima” (1995), “Explode Coração” (1995), “Torre de Babel” (1998) e “Laços de Família” (2000). Há vários outros títulos escolhidos ainda sem previsão de estreia. O investimento contabiliza cerca de 50 produções em processo de resgate, sendo 21 liberados para publicação. Aliás, todos os folhetins já reexibidos pelo Canal Viva serão inseridos. E a primeira produção que inaugura esse projeto, hoje (dia 25), é “A Favorita” (2008).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


É a primeira oportunidade do telespectador assistir ao folhetim em HD, já que em 2008 a maioria das televisões no Brasil não tinha resolução em alta definição. A novela marcou a teledramaturgia porque começou a ser exibida para o público sem as ‘determinações’ clássicas a respeito de quem era mocinha e quem era vilã. O telespectador não ficou na condição privilegiada de saber o contexto do enredo, muito pelo contrário, ele simplesmente passou a fazer parte daquela trama, podendo ser enganado ou não pelas duas principais personagens. Eram duas versões de uma mesma história e a pergunta exposta no teaser chamava atenção: “Quem está falando a verdade?”. Um dos atrativos era justamente bancar o detetive, analisando o comportamento dos perfis.

O público se viu na mesma condição dos personagens, não podendo julgar quem acreditava ou não em quem. Afinal, o telespectador ficou tão em dúvida quanto várias figuras pertencentes ao enredo tão bem trabalhado pelo autor. Porém, João, muito inteligentemente, soube induzir com competência, abusando de esteriótipos clássicos em folhetins.

Era normal achar que a loira, de olhos claros e cara de sofrida (que havia cumprido pena de 18 anos por ter assassinado um homem) era inocente e tentava se vingar de seus delatores, após ter ficado longe da filha (Lara – Mariana Ximenes) por tanto tempo. Flora (Patrícia Pillar) carregava todos os atributos de uma vítima injustiçada.

Ao mesmo tempo que Donatela (Cláudia Raia), uma mulher rica, arrogante e perua tinha todas as características de uma vilã em potencial. E a personagem sempre garantiu que Flora era uma demônia que havia assassinado seu marido, Marcelo (Flávio Tolezani), a sangue frio. A novela foi se desenvolvendo em torno dessa disputa de ‘verdades’, e, apesar das induções do autor, não dava para ter certeza a respeito de quem era culpada ou vítima da situação. Havia um clima de suspense constante que deixava a trama imperdível, onde as peças do quebra-cabeças eram encaixadas aos poucos, à medida que os capítulos se desenrolavam. Aliás, essa ousadia do escritor provocou um natural estranhamento do público, refletindo em uma audiência abaixo do esperado nas primeiras semanas.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


Porém, a história caiu do gosto popular assim que a grande revelação foi feita, em uma das melhores viradas da teledramaturgia. Após apontar uma arma para Flora, ameaçando matá-la, Donatela é desarmada pela rival, que tira sua máscara revelando seu instinto assassino, enfatizando que a perua nunca teria coragem de apertar o gatilho, ao contrário dela. A partir de então, o enredo começou a seguir o seu caminho tendo a vilã e a mocinha claramente expostas. A reviravolta se deu antes da metade da trama e serviu para destacar ainda mais Patrícia Pillar e Cláudia Raia na história, que passaram a ser ainda mais exigidas.

Com a revelação, todo o passado das duas protagonistas foi ficando ainda mais em evidência. Elas cresceram como irmãs e eram unha e carne, pois Donatela perdeu os pais em um acidente e acabou adotada pela família de Flora. Ambas tinham vocação para o canto e acabaram formando uma dupla sertaneja (Faísca e Espoleta) de relativo sucesso (“Beijinho Doce” era a música que marcava a parceria), cujo ’empresário’ era Silveirinha (Ary Fontoura), um caça-talentos —- que depois virou mordomo de Donatela e ainda foi para o lado da Flora quando a então patroa se viu arruinada. A turnê da duas acabou interrompida quando Donatela conheceu Marcelo, provocando imenso ciúmes de Flora, que acabou se envolvendo com o malandro Dodi (Murilo Benício) —- a vilã ainda mandou sequestrar o filho da ‘amiga’ (Halley – Cauã Reymond) e teve um caso com Marcelo, desestabilizando de vez o relacionamento com a ‘quase irmã.’

O enredo central era repleto de detalhes e foi desenvolvido com maestria por João Emanuel Carneiro, que soube rechear a trama com drama, suspense, viradas e thriller. Até porque uma das cenas mais impactantes da história da teledramaturgia foi protagonizada por Patrícia Pillar e Mauro Mendonça, intérprete do ricaço Gonçalo. Pouco depois de ter descoberto que Flora era uma psicopata assassina, o empresário caiu em uma emboscada armada pela vilã —- que já havia substituído os remédios do avô de Lara por balinhas —- e teve um infarto quando viu todos os cômodos de sua mansão ensanguentados, enquanto ouvia a víbora dizer que sua neta e esposa (Irene – Glória Menezes) tinham sido assassinadas por ela. Uma cena de terror psicológico extraordinária, onde Patrícia e Mauro deram um verdadeiro show de atuação.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


A novela também tinhas alguns bons núcleos paralelos. O drama de Catarina (esplêndida Lília Cabral), que era constantemente agredida pelo marido (Leonardo – Jackson Antunes), fez muito sucesso e ainda marcou a estreia de Alexandre Nero nas novelas —- ele viveu o verdureiro Vanderlei, que era apaixonado por Catarina. O romance de Copola (Tarcísio Meira) e Irene (Glória Menezes) também agradou, assim como todas as situações vividas pela ex-manicure Cilene (Elizângela) e suas meninas que eram ‘oferecidas” como acompanhantes de homens ricos pela quase cafetina —– Manu (Emanuelle Araújo), Sharon (Giovanna Ewbank) e Melissa (Raquel Galvão). Outros perfis que merecem menção são Zé Bob (Carmo Dalla Vechia), Pedro (Genésio de Barros) — pai de Flora —, Orlandinho (Iran Malfitano), Dr. Salvatore (Walmor Chagas) e o alienado Augusto Cézar (José Mayer em um perfil completamente diferente dos seus galãs conquistadores).

Porém, nem tudo funcionou. O autor se equivocou em algumas tramas paralelas, deixando personagens avulsos e com enredos que não foram desenvolvidos a contento. O triângulo protagonizado pelo prefeito Elias (Leonardo Medeiros), a esposa Dedina (Helena Ranaldi) e o amante Damião (Malvino Salvador), por exemplo, não disse a que veio, assim como o núcleo do político corrupto Romildo (Milton Gonçalves), que vivia em conflito com os filhos Alícia (Taís Araújo) e Didu (Fabrício Boliveira). O sonho do tímido Cassiano (Thiago Rodrigues) em ser cantor pouco acrescentou e outros perfis também ficaram deslocados, desvalorizando seus intérpretes, como Tereza (Rosi Campos), Lorena (Gisele Fróes), Átila (Chico Diaz), Dulce (Selma Egrei), Arlete (Ângela Vieira), Cida (Cláudia Ohana), entre outros.

“A Favorita”, dirigida por Ricardo Waddington, não foi uma novela impecável em virtude dos problemas em alguns núcleos paralelos, entretanto, foi a trama mais ousada de João Emanuel Carneiro e entrou para a galeria de grandes folhetins da teledramaturgia em virtude do seu forte enredo central, que arrebatou o público. A principal história foi contada com maestria e ainda inseriu Flora no time das grandes vilãs da ficção, cuja personagem é considerada a melhor da carreira de Patrícia Pillar com louvor. Sem dúvida, um trabalho que deixou sua marca e ficou na memória do telespectador. Vale a pena ver de novo na Globoplay!

SÉRGIO SANTOS é apaixonado por televisão e está sempre de olho nos detalhes, como pode ser visto em seu blog. Contatos podem ser feitos pelo Twitter ou pelo Facebook.



Leia também