Ninguém entendeu: novela mais confusa da Globo terminava há 47 anos

Trama protagonizada por pai e filho deixou o público confuso

Whatsapp

Clássico de Lauro César Muniz, O Casarão chegava ao fim em 11 de dezembro de 1976. A trama agradou a crítica especializada por conta de sua narrativa um tanto ousada, mas deixou parte do público bastante confusa.

Paulo Gracindo e Grancindo Jr. em O Casarão
Paulo Gracindo e Grancindo Jr. em O Casarão

Estrelada por nomes como Paulo Gracindo, Yara Cortes, Gracindo Jr e Sandra Barsotti, O Casarão estreou em 7 de junho de 1976 na faixa das oito da Globo. A trama chegou a ser reprisada no horário nobre anos depois.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Narrativa ousada

Paulo Gracindo e Yara Cortês em O Casarão
Paulo Gracindo e Yara Cortês em O Casarão

O Casarão ousou ao contar uma história dividida em três tempos simultaneamente. Ou seja, a trama se passava em 1900, 1926 e em 1976 (ano da produção), mas não havia divisão de fases. A ação nestas três épocas se desenrolava ao mesmo tempo.

Por meio da história de amor entre João Maciel (Gracindo Jr/Paulo Gracindo) e Carolina (Sandra Barsotti/Yara Cortes), a trama contava uma saga familiar tendo como principal cenário um casarão.

Leia mais

Situado no município de Tangará, o casarão fica na Fazenda Água Santa, onde é instalado um ramal ferroviário que leva progresso à região. Mas, no decorrer dos anos, o casarão é ameaçado pelo mesmo progresso, quando a nova linha ferroviária vai passar exatamente onde ele está.

 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Curiosidades

Bandeira 2
Elizângela e Paulo Gracindo em Bandeira 2

Por conta da narrativa ousada em três tempos, O Casarão fez uso de um recurso que é até comum atualmente, mas, na época, tratava-se de algo pouco usual. A trama trazia atores diferentes vivendo os mesmos personagens.

Isso acontece até hoje, mas em novelas divididas em fase. O que não era o caso de O Casarão. Gracindo Jr e Paulo Gracindo, por exemplo, viviam João Maciel em diferentes fases da vida, mas apareciam em um mesmo capítulo, já que a narrativa era simultânea.

Por falar em Paulo Gracindo, por pouco o veterano não estrelou a produção. É que Walter Avancini, diretor de Saramandaia, o queria em sua novela. Mas Daniel Filho, diretor de O Casarão, acabou vencendo a “disputa”.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Público confuso

Daniel Filho
Daniel Filho

Muito elogiada pela crítica, O Casarão não foi bem assimilada pelo público. O vai e vem temporal proposto pela narrativa acabou deixando os espectadores confusos. Tanto que a Globo decidiu reprisar o primeiro capítulo às 23 horas no dia da estreia, depois de receber muitos telefonemas de espectadores reclamando que não entenderam a novela.

“O Casarão me agradou muito como trabalho de roteiro e de narrativa, de comportamento de época, mas parece que confundiu demais o público. Depois que a novela acabou, volta e meia alguém dizia: ‘O que eu queria mesmo saber é se o Mário Lago é tio ou pai do Dennis Carvalho [na verdade, ambos viviam Atílio em épocas distintas]. Foi uma novela de prestígio, mas não uma novela popular. Era realmente complicada”, disse Daniel Filho (foto acima), em seu livro Antes que me Esqueçam.

Mesmo assim, O Casarão foi reprisada pela Globo em horário nobre. Com o encurtamento de Sol de Verão (1983) ocasionado pela morte do ator Jardel Filho, a emissora exibiu um compacto da produção na faixa das 20 horas até que Louco Amor, de Gilberto Braga, ficasse pronta para estrear.

Whatsapp


Leia também