Ninguém entendeu nada: as novelas que deram um nó na cabeça do público - TV História

Ninguém entendeu nada: as novelas que deram um nó na cabeça do público

Algumas tramas da história da televisão brasileira falharam em diversos motivos, confundindo o público, que acabou fugindo da atração. A maioria dessas atrações teve que sofrer ajustes no roteiro para tentar recuperar a audiência, nem sempre obtendo bons resultados.

Confira a lista!

Anastácia, a Mulher sem Destino

O público não entendeu o enredo de Anastácio, a Mulher Sem Destino, novela de 1967 da Rede Globo. A história era confusa e longe da realidade brasileira, o que era comum nas atrações daquela época. Além disso, existiam muitos personagens, o que dificultava o desenvolvimento da história. Com os baixos índices de audiência e muitas reclamações, a emissora teve que tomar uma atitude: afastou o autor Emiliano Queiróz e chamou Janete Clair para dar um jeito. A autora, em seu primeiro trabalho na Globo, criou um terremoto na ilha, eliminando mais de 100 personagens. A partir daí, a história de um salto de 20 anos, recomeçando com apenas sete personagens.

O Casarão

Em 1976, um fato único ficou marcado na história da Globo. A emissora estreou a novela das oito O Casarão, de Lauro César Muniz, em 7 de junho daquele ano, mas o público não entendeu a complexa história. Diante da reclamação de inúmeros telespectadores por telefone, o primeiro capítulo foi reprisado no mesmo dia, às 23h. Em uma época de experimentação na televisão brasileira, O Casarão foi uma tentativa de inovação no gênero feita pelo autor. A saga da família do cafeicultor Deodato Leme (Oswaldo Loureiro) acontecia em três tempos distintos, com diferentes atores interpretando os mesmos personagens, apresentados simultaneamente. O primeiro momento acontecia entre 1900 e 1910; a fase seguinte, vinha de 1926 a 1936; e a última se passava quarenta anos depois, em 1976. Todas as fases foram marcadas pela presença do casarão da família que dava título à obra.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


Espelho Mágico

Apesar de ter sido bastante inovadora (ou, principalmente, por isso), Espelho Mágico está na lista dos maiores desastres da Globo. A trama de Lauro César Muniz tinha um elenco de peso, como Tarcísio Meira, Glória Menezes, Lima Duarte, Sônia Braga e Vera Fischer, entre outros, mas não engrenou. A iniciativa de contar tudo o que acontecia nos bastidores da própria televisão – a trama tinha até uma novela dentro da história – não foi bem vista pelos telespectadores. A queda no Ibope chegou a 20 pontos, numa época em que a Globo dominava completamente os índices. A novela que existia dentro da novela, Coquetel de Amor, chamava mais atenção do público do que os problemas que os artistas enfrentaram nos bastidores e eram mostrados na trama.

O Amor é Nosso

Numa época que a Globo dominava praticamente toda a audiência nacional, O Amor é Nosso conseguiu ser a mais problemática trama já exibida pela emissora. A novela contava, basicamente, a história do jovem cantor Pedro (Fábio Jr.), em busca do sucesso e do reconhecimento da crítica. O público simplesmente não entendeu a história, que misturava romances com elementos policiais e confusões típicas dos jovens. O Amor é Nosso ainda tinha excesso de personagens – muita gente não tinha sequer função na trama. Exatamente no meio da novela, em uma situação emergencial, Walter Negrão assumiu o lugar dos autores originais, seguindo até o final da conturbada história.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


Amazônia

Depois do sucesso de Pantanal e da regularidade de A História de Ana Raio e Zé Trovão, a Manchete resolveu abrir os cofres e gastou o que não tinha para fazer Amazônia, com Cristiana Oliveira e Marcos Palmeira nos papeis principais. A confusa trama se passava em duas épocas simultaneamente, afugentando o público. A partir do capítulo 43, mudou tudo, ficando somente a trama histórica, em Amazônia, Parte 2. Não adiantou e a novela ficou marcada como um dos maiores fiascos da história da televisão brasileira, contribuindo para o agravamento da eterna crise financeira da emissora da família Bloch.

As Filhas da Mãe

Típica comédia rasgada de Silvio de Abreu no horário das sete, As Filhas da Mãe teve elenco estelar, com nomes como Fernanda Montenegro, Tony Ramos, Raul Cortez, Cláudia Raia e Thiago Lacerda, entre outros. Mas deu tudo errado. O público não entendeu e não gostou da história, que não tinha elementos típicos, como casal de protagonistas, e tinha as cenas costuradas por raps. A audiência ficou muito abaixo do esperado e a novela foi encurtada.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


Metamorphoses

A Record resolveu voltar a produzir novelas em grande estilo, fazendo um enorme investimento, inclusive gravando em alta definição quando ninguém ainda falava nisso. Fechou uma parceria com a produtora Casablanca e inventou de estrear a produção num domingo. Depois de alguns dias com audiência satisfatória, o Ibope começou a despencar, ficando na casa dos dois a três pontos. No final das contas, a trama confusa de Metamorphoses terminou com 20 capítulos a menos do que o previsto e um narrador contou como seria o destino de alguns personagens.

Além do Horizonte

A novela queria ser diferente, com um clima de série, como Lost. Mas a história, sem pé nem cabeça, foi rejeitada pelo público, só engrenando (um pouco) quando foi dado maior enfoque romântico. A produção acabou ficando na lista de piores novelas do horário da história da emissora.



Leia também