Não tinha como dar certo: novela sinistra quase afundou a Globo - TV História

Não tinha como dar certo: novela sinistra quase afundou a Globo

Muita gente comenta que o brasileiro gosta de ver novela para esquecer da realidade, dos problemas do dia a dia e sonhar junto com os protagonistas. Agora imagine uma produção que trata de temas como doença, eutanásia, aborto, brigas familiares, processos judiciais e, no final, para completar, a protagonista se suicida. Não tem como dar certo.

Assim foi Os Gigantes, depressiva trama de Lauro César Muniz exibida pela Globo entre 20 de agosto de 1979 e 2 de fevereiro de 1980, em 147 capítulos.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


A narrativa contava a trajetória da jornalista Paloma Gurgel, que voltava ao Brasil depois de um longo período como correspondente internacional, se fixando na pequena cidade de Pilar, onde é herdeira da Fazenda Fênix. Ela volta para tratar de problemas familiares e acaba desligando os aparelhos de Fred, seu irmão, que vive em coma profundo após uma cirurgia no cérebro.

Acusada de eutanásia, em caso que tem repercussão nacional, Paloma ainda tem tempo para viver um triângulo amoroso com o fazendeiro Fernando Lucas e o médico Chico Rubião. Nada muito empolgante, concorda?

No elenco do dramalhão, nomes de peso como Dina Sfat, que vivia a protagonista, Francisco Cuoco (Chico Rubião), Tarcísio Meira (Fernando Lucas), que não atuavam juntos em uma obra desde O Semideus (1973), Susana Vieira, Joana Fomm, Vera Fischer e Mário Lago, entre outros.

O próprio autor, no livro “A Seguir, Cenas do Próximo Capítulo”, de André Bernardo e Cíntia Lopes, falou sobre os problemas da novela e o descontentamento de Dina com a trama e sua personagem.

“Era uma novela mórbida, pesada, infeliz. Dina Sfat rompeu comigo. Ela chegava no estúdio, pegava o script, jogava no chão e sapateava em cima: ‘Não vou fazer essa droga de jeito nenhum’, ela gritava”, contou.

Para ajudar, a emissora não percebeu as críticas às multinacionais na sinopse e recebeu muita pressão por parte de importantes patrocinadores, como a Nestlé – na história, uma poderosa indústria de laticínios se instalava em Pilar e se chamava Eltsen (leia ao contrário e perceba o truque).

Com o fracasso da novela, que só não afundou o Ibope da Globo porque as concorrentes não tinham grandes produtos em sua grade – a Tupi, por exemplo, estava às vésperas de seu fechamento –, Lauro César Muniz (foto acima) foi demitido da emissora.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


De acordo com o próprio autor, José Bonifácio de Oliveira Sobrinho, lendário diretor global, fez de tudo para segurá-lo no canal, mas não teve jeito. Ele foi para a Bandeirantes, onde escreveu Rosa Baiana, voltando para a Globo em 1983.

Muniz saiu da emissora antes do final de Os Gigantes e o último capítulo seria escrito por Benedito Ruy Barbosa, que se negou e também deixou a emissora. Dessa forma, Walter George Durst acabou sendo o redator do desfecho da trama, que culminou com Paloma tirando sua própria vida.



Leia também