Na miséria, estrela lamentou sumiço dos amigos: “Dava dinheiro pra todo mundo”

Whatsapp

Wilza Carla Pereira da Silva nasceu em Niterói (RJ), no dia 29 de outubro de 1935. Sua carreira artística começou nos anos 1950, participando das chanchadas do cinema e também como uma das mais destacadas vedetes do teatro de revista.

Wilza Carla

Na televisão, ela estreou na novela Assim na Terra como no Céu, da Globo, em 1970. Em 1972, esteve em Jerônimo, o Herói do Sertão, na Tupi.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Em 1976, veio seu maior sucesso: a Dona Redonda, de Saramandaia. A personagem ficou marcada na história da televisão brasileira após explodir de tanto comer.

Leia mais

Depois, ressurgiu como Dona Bitela, irmã gêmea de Redonda.

Após anos afastada das novelas, fez uma participação especial em Cambalacho (1986), como Marilene. Em 1990, participou de A História de Ana Raio e Zé Trovão, na Manchete, como Maria Gasolina. Em 1991, fez a minissérie O Portador, na Globo.

Além de atuar nessas produções, Wilza atuou como jurada em diversos programas de auditório, como o Show de Calouros, de Silvio Santos, e humorísticos. No cinema, fez mais de 40 filmes.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Problemas de saúde

Em 1994, ela teve um AVC (Acidente Vascular Cerebral). Nos últimos anos de vida, sofreu com diversos problemas de saúde, agravados pela obesidade.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Ela sofria de diabetes e Mal de Alzheimer. Acamada, reclamava da falta de dinheiro e, principalmente, da ausência dos amigos, que não a visitavam.

“Eu ganhava bem, mas dava dinheiro para todo mundo”, disse, em entrevista.

Wilza Carla

Era cuidada pela filha, Paola Faenza Bezerra da Silva, que sempre a acompanhou. Teve dois netos: Janaína e Breno, com quem gostava muito de brincar.

Após se afastar da televisão e ir morar em São Paulo, Wilza Carla morreu em 18 de junho de 2011, aos 75 anos, no Hospital das Clínicas.

Seu corpo foi sepultado no Cemitério do Caju, no Rio de Janeiro (RJ).



Leia também