Mudou: Globo esconde pacto com diabo no remake de Renascer

Chamadas da novela não mencionam importante detalhe da trama

Whatsapp

Próxima novela das nove da Globo, Renascer resgata vários elementos sempre presentes na obra de Benedito Ruy Barbosa. Um deles é a presença do “cramulhão”, que aparece por meio do protagonista José Inocêncio (Humberto Carrão/Marcos Palmeira). Acredita-se que o fazendeiro enriqueceu após fazer um pacto com o diabo.

Humberto Carrão em Renascer
Humberto Carrão em Renascer (divulgação/Globo)

O tal pacto marcou os espectadores que acompanharam a primeira versão de Renascer, em 1993. Mas, curiosamente, tal fato não aparece nas chamadas do remake, que já estão sendo veiculados pela Globo. Seria para não afugentar os evangélicos, público que a emissora tenta conquistar?

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cadê o capeta?

Humberto Carrão e Duda Santos em Renascer
Humberto Carrão e Duda Santos em Renascer (Divulgação / Globo)

A primeira chamada de Renascer mostra a icônica cena em que o jovem José Inocêncio, vivido por Humberto Carrão, finca seu facão na raiz de um cacaueiro e faz um pacto para prosperar. Outra chamada narra a história de amor do protagonista e Maria Santa (Duda Santos).

Mas, até aqui, nada foi mostrado sobre o pacto que José Inocêncio teria feito com o capeta. Na trama, os personagens comentam que o protagonista possui um diabinho dentro de uma garrafa, o que lhe garante toda a riqueza conquistada.

Leia mais

Os rumores são tão intensos que se tornam a obsessão de Tião Galinha (Irandhir Santos). O catador de caranguejo chega a andar com um ovo debaixo do braço na intenção de fazer nascer um diabinho que lhe garanta a mesma prosperidade alcançada por Inocêncio.

 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Histórias que o povo conta

Benedito Ruy Barbosa
O autor Benedito Ruy Barbosa (reprodução/web)

Benedito Ruy Barbosa costuma incluir vários mitos e lendas populares em suas tramas rurais. O capeta na garrafa, que aparece também na novela Paraíso (1982/2009), o autor tirou de um “causo” que ouviu há muito tempo.

“Eu tinha ouvido um causo sobre um tal de Seu Firmo, o fundador das fazendas da região, que havia dividido suas terras entre os sete filhos. Seu Firmo tinha a proteção do capeta e guardava o diabo na garrafa. Contaram que um dia, Seu Firmo havia aparecido com essa garrafa, botado dentro de casa e, a partir de então, virado protegido: nenhuma bala entrava nele”, disse no livro Autores – Histórias da Teledramaturgia.

“Nas noites de florada, Seu Firmo abria a garrafa, o diabinho pulava para fora e virava um bode enorme, com os olhões brilhando feito brasa. Seu Firmo montava nele e o bode saía voando, mijando no cacau. Na manhã seguinte, o que nascia de flor era uma maravilha! Por isso que não tinha cacau que desse mais do que o do Seu Firmo, por causa do mijo do diabo, que adubava”, completou.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Globo evangélica

Benedito Ruy Barbosa e Bruno Luperi
Os autores Benedito Ruy Barbosa e Bruno Luperi (Divulgação / Globo)

Atualizada por Bruno Luperi, Renascer vai manter a história do capeta na garrafa em sua nova versão. Porém, nas primeiras chamadas, esse fato tem ficado de fora, levando o público a especular os motivos.

Recentemente, o portal Notícias da TV informou que Amauri Soares, diretor geral dos Estúdios Globo, teria dito aos autores que busca maneiras de atrair o público conservador e evangélico, já que pesquisas indicam que a religião evangélica será predominante no Brasil em alguns anos. O diretor, inclusive, teria orientado autores a “pegar leve” com romances homossexuais e até vetado tramas espíritas.

Na época, a Globo negou qualquer orientação nesse sentido. Mas a decisão de não enfatizar o cramulhão nas chamadas de Renascer indica que a emissora não quer afugentar o público conservador. E vale lembrar que o personagem Livio (Breno da Matta), que era um padre na primeira versão, foi transformado em pastor no remake.

Whatsapp


Leia também