Morte do diretor e tragédia com Gerson Brenner: Corpo Dourado estreava há 23 anos - TV História

Morte do diretor e tragédia com Gerson Brenner: Corpo Dourado estreava há 23 anos

Whatsapp

Novela de Antônio Calmon, Corpo Dourado estreava há exatamente 23 anos na Rede Globo, em 12 de janeiro de 1998.

Relembre abaixo 20 curiosidades sobre a trama:

1 – Corpo Dourado partia do assassinato do milionário Zé Paulo (Lima Duarte), em condições similares ao ocorrido com PC Farias, tesoureiro da campanha de Fernando Collor de Melo à Presidência da República, encontrado sem vida ao lado de sua namorada, também morta, em circunstâncias jamais esclarecidas. Por meio de uma fita VHS, Zé Paulo orientava o filho, Arthurzinho (Marcos Winter), a desposar Selena (Cristiana Oliveira), tipo rústico. A moça era filha bastarda do antigo sócio do empresário, pai de Amanda (Maria Luiza Mendonça). Esta, por sua vez, havia sido noiva de Arthurzinho – os negócios entre as famílias degringolaram após a moça abandoná-lo no altar.

2 – Zé Paulo fora reservado, a princípio, para Paulo Autran. O elenco provisório contou ainda com Gracindo Jr como Ezequiel, personagem entregue a Antônio Petrin. E Nívea Maria como Hilda; substituída por Lucinha Lins, por conta da semelhança desta com Fernanda Rodrigues, sua “filha”, assim como em A Viagem (1994).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


3 – Fernanda, aliás, gravou sua última cena em Zazá numa terça-feira, mudou o visual – do vermelho para o loiro – no dia seguinte e, na quinta-feira, já estava em Búzios, litoral do Rio de Janeiro, para as primeiras tomadas de Corpo Dourado. A saída de Valéria, sua personagem na novela anterior, foi justificada com uma viagem ao exterior: apaixonada por Douglas (David Cardoso), ela abria mão do rapaz em favor de sua irmã, Lúcia (Juliana Martins), à espera de um filho dele. Já Humberto Martins, o galã Chico, estava reservado para Anjo Mau (1997) quando foi recrutado para a trama das 19h. Seu personagem às 18h, Freddy, foi entregue a Jackson Antunes.

4 – Felipe Camargo, por sua vez, perdeu Billy para Fábio Jr. Mas não deixou o elenco da produção… Fora remanejado para Tadeu, terceiro vértice do triângulo amoroso formado com Billy e Judy (Giovanna Antonelli, de volta à Globo após bons trabalhos na Manchete). Com a alteração, o autor Antônio Calmon aumentou a importância de Tadeu na narrativa e atenuou características do perfil de Billy que não condiziam com Fábio, como a prática de esportes. Também reduziu as cenas em que o forasteiro se dedicava à fotografia, para evitar comparações com Jorge Tadeu, personagem dele em Pedra Sobre Pedra (1992), e atenuou seu “lado mau-caráter”; uma pesquisa de opinião indicou que as telespectadoras preferiam ver o ídolo “mais mocinho” do que vilão.

5 – Isabel Fillardis entrou para o elenco sem ser avisada! A atriz garantiu em entrevistas, logo após a estreia, que tomou um susto ao ver seu nome nos créditos de abertura. “Pensaram em mim para fazer o papel, mas não me consultaram“, declarou. Após, enfim, acertar sua participação, Isabel se integrou à trama; contudo, a personagem, Noêmia, “não aconteceu”. A fisioterapeuta, e o marido Nando (Lui Mendes), atleta que se recuperava de uma fratura no fêmur, deixaram Corpo Dourado antes do fim.

6 – A equipe do folhetim evitou a necessidade de “duplicar” uma atriz escalando as gêmeas Joyce e Thaís Caldas para os papéis de Ana e Lana, irmãzinhas endiabradas que “causavam” todas para cima de Kris (Daniel Ávila) e Duca (André Ricardo), netos de Zé Paulo. A ideia era justamente otimizar a produção, sem necessidades de efeitos especiais ou de gravar uma única cena duas vezes, como ocorria em Mulheres de Areia (1993), com Glória Pires, e Cara & Coroa (1995), também de Calmon, com Christiane Torloni.

7 – Flávio Galvão atuou na frente e atrás das câmeras: além de interpretar o médico Orlando, também dirigia as sequências de seus colegas – a única exigência dele, para aceitar a jornada dupla, foi a de não “se dirigir”. Também a promoção de Fábio Junqueira, de assistente de direção a diretor. Fábio, pai do ator Caio Junqueira, atuou em Olho no Olho (1993), de Antônio Calmon, e História de Amor (1995), dentre outras. Em 2004, migrou para a Record TV; o ator e diretor faleceu quatro anos depois.

8 – A sinopse de Corpo Dourado passou por vários tratamentos – nome dado ao processo de readequação de tramas, personagens e cenários. A princípio, uma história de viés político – Selena era filha de uma guerrilheira, exilada em Cuba -; posteriormente, a inspiração na Família Buscapé, que rendeu a protagonista, sua mãe Camila (Ana Rosa) e os vizinhos Epaminondas (Lafayette Galvão) e Jorginho (Gerson Brenner).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


9 – Mudanças também na trama prevista para Judi: em dado momento, a herdeira de Zé Paulo e Isabel (Rosamaria Murtinho), adotada, se defrontaria com sua origem: era filha biológica de uma negra. O conflito deixou de existir, já que o preconceito racial estava em voga nas novelas das 18h e das 20h. Em Anjo Mau, Tereza (Luiza Brunet) escondia do marido rico, Rui Novaes (Mauro Mendonça), a mãe negra e humilde, Cida (Léa Garcia); já em Por Amor (1997), Wilson (Paulo César Grande) rompia com a esposa Márcia (Maria Ceiça), por temer que o filho que esta esperava fosse negro. Também da sinopse original para a aprovada: o balneário onde se desenrolava o folhetim, Marimbá, foi batizado, a princípio, como Aimorés.

10 – Após a estreia, a Globo determinou mais alterações. Saiu de cena a tarja preta que cobria os seios de Alicinha (Danielle Winits), sempre que esta fazia topless na praia – uma ideia proveniente da série Armação Ilimitada (1985), que contou com Calmon na equipe de criação. Os banhos de sol com os peitos desnudos foram mantidos, mas a atriz passou a ser focalizada apenas de costas. Também corrigiram o sotaque paulistano, anasalado, que Marcos Winter atribuiu a Arthurzinho. E diante das dificuldades de José de Abreu com as aulas de surfe, esporte favorito de seu personagem Renato, o autor passou a escrever apenas cenas do tipo na areia, com a prancha a tiracolo.

11 – Rosamaria Murtinho queixou-se publicamente dos rumos de Isabel. Após a morte de Zé Paulo, a viúva padecia com visões do fantasma, desenvolvendo um quadro similar à esquizofrenia. Mas a assombração não fez sucesso e acabou rifada do enredo. Isabel, curada, casou-se com o motorista da família, Sérvulo (Sebastião Vasconcelos). Ao jornal O Globo, de 12 de maio de 1998, Rosamaria declarou: “Tenho a impressão de que não sou mais necessária na trama“. A saída de Lima Duarte do elenco, em definitivo, também alterou os rumos de Laís (Mara Carvalho), filha de Zé Paulo e Isabel. Tabagista inveterada, Laís sofreria uma parada cardíaca que a deixaria em estado de coma. No “limbo”, ela reencontraria o pai. A personagem deixou o cigarro, passou a devorar doces, enfrentou problemas de saúde e por fim deixou a novela; Renato, seu marido, acabou se envolvendo com a vizinha Debbie (Cláudia Lira).

12 – A mudança mais significativa de Corpo Dourado, contudo, se deu nos bastidores. Após a morte do diretor de núcleo Paulo Ubiratan, em 29 de março de 1998, o diretor geral Flávio Colatrello foi destituído de sua função; Marcos Schechtmann o substituiu. A imprensa noticiou várias versões para a troca: do comportamento inadequado de Colatrello – envolvendo atrasos e distanciamento da equipe – à falta de cuidado com a estética da novela.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


13 – Corpo Dourado foi considerada a primeira novela da era Marluce Dias da Silva. Seu antecessor na direção-geral da casa, Boni (José Bonifácio de Oliveira Sobrinho), havia participado ativamente do processo de produção e lançamento de Anjo Mau e Por Amor; em Corpo Dourado, foi Marluce quem serviu de esteio e de “mestre de cerimônias”, implantando um novo estilo: a figura do diretor de núcleo e o hábito de receber a imprensa na cidade cenográfica, semanas antes da estreia de uma produção.

14 – Outra aposta inusitada da divulgação: além de 150 outdoors distribuídos na Grande São Paulo – onde a antecessora Zazá registrava baixos índices -, a Globo investiu em faixas puxadas por aviões em cidades litorâneas do Rio de Janeiro e de São Paulo.

15 – O psicanalista Alberto Goldin auxiliou Antônio Calmon a traçar o perfil dos personagens, tornando-os mais “autênticos”. Goldin já havia exercido tal função em Malhação (1995) e na série Mulher (1998). Em Corpo Dourado, contudo, suas intervenções foram tão proveitosas que ele acabou atuando como colaborador de texto. Também colaboraram as irmãs Eliane e Lilian Garcia, Ângela Carneiro e Flávia Lins e Silva – Elizabeth Jhin, que integrou a equipe no início, acabou deslocada para Era Uma Vez… (1998), folhetim que Walther Negrão desenvolvia para a faixa das 18h.

16 – O Domingão do Faustão elegeu a ‘Garota’ e o ‘Garoto Corpo Dourado’, repetindo a experiência de outra novela de Calmon, Top Model (1989), cujo concurso promovido no dominical revelou Adriana Esteves, Gabriela Duarte e Flávia Alessandra. Daniele Monte e Paco Vieira, contudo, não tiveram a mesma sorte das atrizes na carreira. O autor criou para eles, a princípio, um casal de veranistas. Posteriormente, transformou Daniele em Arlete, uma jornalista que seduz Arthurzinho; e Paco em Lipe, surdo-mudo que se encanta com Clara.

17 – Uma concha acústica instalada no centro da praça de Marimbá recebeu estrelas da música, como Netinho e Deborah Blando, presentes na trilha sonora com ‘Pra te ter aqui’ e ‘Somente o sol’, tema de abertura. Já Chitãozinho & Xororó animaram o casamento de Alicinha e Jorginho.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


18 – E por falar em abertura… Duas modelos desfilavam por um estúdio tomado por dois caminhões de areia de praia e vegetação natural – apenas o oceano, no final da vinheta, foi produzido em computação gráfica. As câmeras focalizavam o rosto de Isabelle Colmenero e o corpo de Karla Frazão; segundo o designer Hans Donner, responsável pela vinheta (que consumiu cerca de US$ 100 mil e foi toda gravada em película), foram necessárias duas modelos por conta das dificuldades de encontrar a “mulher ideal”: perfil bonito e físico escultural.

19 – O ator Gerson Brenner, foi baleado durante uma tentativa de assalto no km 4 da Rodovia Ayrton Senna, a 700 metros da Via Dutra, que liga São Paulo ao Rio de Janeiro. Gerson foi vítima de um golpe, lamentavelmente, comum na região: bandidos depositam pedras na pista, causando furos em pneus e obrigando motoristas a parar no acostamento para eventuais reparos. Ao tentar reagir diante da abordagem de criminosos, Brenner foi baleado na nunca. O ator luta, até hoje, contra as sequelas do trauma. Por conta do ocorrido, a produção de Corpo Dourado modificou o roteiro do último capítulo, que ainda não havia sido gravado. A cena final, que reuniria todo o elenco na praça da fictícia Marimbá, foi substituída por um momento romântico de Chico e Selena.

20 – Corpo Dourado voltou à telinha em Vale a Pena Ver de Novo, exatos seis anos após sua estreia: 12 de janeiro de 2004. A reprise se estendeu até 4 de junho, totalizando 105 capítulos. ‘Corpo’, contudo, não era a primeira opção da Globo para substituir Anjo Mau (1997), sua contemporânea às 18h em 1998. A emissora pretendia reexibir Estrela-Guia (2001), estrelada pela cantora Sandy, durante o período de férias (janeiro a março). Como Sandy, e seu irmão Junior, haviam deixado o canal recentemente, a reapresentação de Estrela-Guia acabou cancelada.



Leia também