Malhação bíblica é uma das piores coisas já produzidas na TV brasileira

Whatsapp

Zamenza

A pandemia do novo coronavírus afetou as gravações de todas as novelas das emissoras. Mas a Record vem enfrentando dificuldades até hoje. Ainda não conseguiu reestruturar sua faixa de teledramaturgia. O relativo êxito de Gênesis, em 2021, animou a emissora em criar temporadas para suas produções. Porém, foi apenas uma mudança de nome porque o folhetim bíblico nada mais era do que uma história com várias fases. O canal tentou repetir o feito com Reis, mas não conseguiu uma frente de gravações e resolveu chamar a novela de série. Tanto que precisou interromper sua exibição. Aí que entra Todas as Garotas em Mim, produção que a substituiu.

TAGEM

A nova série entrou como um tapa-buraco para Reis conseguir avançar nas gravações sem que a Record precise colocar outra reprise no ar. Mas a emissora já começou errando porque a série parece uma Malhação bíblica. É um produto destinado a outro tipo de público e ainda assim com sérias ressalvas. Não por acaso, a queda de audiência foi gigantesca. O folhetim conseguia média em torno dos 8 pontos, o que também não era considerado um bom índice, e agora caiu para 5 pontos e muitas vezes até 2. É a menor audiência de uma novela na história da Record —- posto até então ocupado por Jesus e Máscaras —-, o que fez o canal perder a vice-liderança para o SBT.

Leia mais

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Para culminar, a história é rasa e muito mal escrita. Lendo a sinopse até parece um enredo clássico de seriado adolescente. Mirela (Mharessa), a protagonista, é uma digital influencer, namorada do rapaz mais popular de um colégio, Gustavo (Caio Vegatt), e que desperta a paixão de Erick (Diego Kropotoff), o filho de Carla (Manuela do Monte).

Todas as Garotas em Mim

Apesar disso, a neta de Isis (Adriana Garambone) enfrenta alguns dilemas e sentimentos que não sabe explicar. É através da avó, dona de uma pousada naquela cidade gaúcha, que a adolescente passa a conhecer histórias da Bíblia. Isis é mãe de Heloísa (Rhaissa Batista), uma diretora de cadeia de hotéis em Santa Catarina, e sogra de Júlio (Ângelo Paes Leme).

No grupo de amigas de Mirela estão a popular Sabrina (Gabi Borges), a invejosa Nicole (Gabriela Magalhães), a ingênua Paloma (Luana Camaleão), a corajosa Verônica (Juhlia Ficer) e a patricinha Dara (Julia Zimmer), além do nerd Diogo (Euller Scarpinelli), do debochado Arthur (Hall Mendes), do cantor Felipe (Luckas Moura), do esnobe Plínio (Luan Argollo) e do mauricinho Otávio (João Pedro Preticcione). Todos os personagens parecem repetir a mesma cena a todo instante de tão semelhante que é o texto e as situações apresentadas, todas exageradas e artificiais.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Lição de moral

Todas as Garotas em Mim

Aliás, os conflitos criados são dignos de algum desenho voltado para crianças bem pequenas. Parece que há sempre uma lição de moral a ser dada em cada situação. E todos os perfis caem na caricatura, não há nada naturalista na trama. Tudo está em uns seis tons acima. A forma como Heloísa é apresentada expõe bastante a visão que a cúpula da Record tem das mulheres que trabalham e são bem-sucedidas.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A ricaça parece uma megera da Disney. Trata o marido como um lixo, está sempre de péssimo humor e transborda frieza. Já o marido, sustentado por ela, é um completo idiota que mal sabe argumentar. O pior é que os conselhos que dá para a filha, que a história mostra como ‘bons’, são bem conservadores. Julio acha um absurdo a filha postar fotos em sua rede social. Ser uma influenciadora digital para ele beira a falta de caráter.

E como se não bastasse o conjunto equivocado da série, tudo piora quando Mirela pede conselhos para sua avó e o recurso serve para ‘transportá-la’ ao universo bíblico. Todos os personagens passam a vestir aquele figurino característico das produções bíblicas da Record e protagonizam algumas cenas de novelas e minisséries que a emissora já exibiu, como Sansão e Dalila, exibida em 2011, por exemplo.

Sansão e Dalila

O resultado é constrangedor. O texto parece um jogral de ensino fundamental. Os atores nem têm culpa porque só fazem o que é proposto. Difícil ter algum bom desempenho em meio a um conjunto sem qualquer acerto. Ainda mais com vários deles estreando na televisão. Até bons nomes como Ângelo Paes Leme e Adriana Garambone não estão à vontade.

A série é escrita por Sthepanie Ribeiro, mas Cristiane Cardoso, filha do bispo Edir Macedo, dono da Record, supervisiona e participa ativamente. Tanto que provocou um desmonte no time de autores da casa. Vários foram desligados e quase ninguém sobrou. O resultado da nova administração tem se revelado catastrófico. Todas as Garotas em Mim – cujo título é abreviado como TAGEM – é apenas uma das muitas evidências disso.

E tem um detalhe: a emissora anunciou que a série teria sete temporadas antes mesmo da estreia da primeira. Difícil acreditar que terão coragem para tanto.

Whatsapp


Leia também