Longe das novelas, estrela da Globo está com o testamento pronto

Whatsapp

Atualmente com 77 anos e podendo ser visto em O Cravo e a Rosa, uma das inúmeras tramas que estrelou na Globo, Ney Latorraca está muito bem de saúde. Mas o veterano ator, que se aposentou da televisão em 2017, surpreendeu ao citar no programa Persona in Foco, da TV Cultura, que seu testamento está pronto.

O Cravo e a Rosa

Nascido Antonio Ney Latorraca em 25 de julho de 1944, em Santos (SP), o ator contou que passou uma infância pobre e que ficou com medo quando percebeu que seu grande sonho de ser famoso havia virado realidade.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Ele estreou na televisão em 1968, na revolucionária Beto Rockfeller, da Tupi, mas o reconhecimento nacional veio em 1975, quando viveu o Felipe em Escalada, na Globo.

Leia mais

A partir daí, teve diversos papeis de destaque, em novelas como O Grito (1975), Estúpido Cupido (1976), Anarquistas, Graças a Deus (1984), Rabo de Saia (1984), Um Sonho a Mais (1985), Vamp (1991), Zazá (1997), O Cravo e a Rosa (2000) e Da Cor do Pecado (2004), entre outras, além do humorístico TV Pirata (1988), onde viveu o inesquecível Barbosa (foto acima).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Por onde anda Ney Latorraca, o Cornélio de O Cravo e a Rosa?

Após fazer participações especiais em Meu Pedacinho de Chão (2014) e Novo Mundo (2017), o ator declarou que estava se retirando da televisão.

“Não quero mostrar minha decrepitude. Quero ficar em casa, descansar, viajar”, afirmou, na coletiva de imprensa do musical Vamp.

Depois disso, no entanto, ainda fez pequenas participações em Tá no Ar: a TV na TV (2018) e na série Cine Holliúdy (2019).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Testamento pronto

No Persona in Foco, Ney disse que seu patrimônio foi construído a partir de seu trabalho no teatro, principalmente por conta do grande sucesso O Mistério de Irma Vap, que ficou 11 anos em cartaz.

O ator contou que seu testamento já está pronto, deixando tudo para instituições como o Retiro dos Artistas e a ABBR (Associação Brasileira Beneficente de Reabilitação).

“É um desejo da minha mãe também. Acho que é assim que tem que ser. O que eu ganhei com o teatro tem que voltar para essas causas. Essa é a missão do artista, pelo menos para mim”, explicou.



Leia também