Herói de Nos Tempos do Imperador acabou preso em cadeira de rodas

Whatsapp

Em Nos Tempos do Imperador, atual novela das seis da Globo, Jackson Antunes vive Duque de Caxias. Na trama, o personagem é o melhor amigo de Dom Pedro II e o aconselha nos assuntos políticos e sentimentais. Ele é um dos poucos a saber sobre o romance entre o monarca e a Condessa de Barral (Mariana Ximenes).

Jackson Antunes e Selton Melo em Nos Tempos do Imperador

Duque de Caxias realmente existiu e foi uma importante figura da história de nosso país. Nascido em 1803, descendente de uma família com grande tradição militar, também seguiu a carreira.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Lutou contra Portugal na Independência do Brasil, passou três anos na Cisplatina, enquanto o governo tentou resistir à secessão da província, e permaneceu leal a Dom Pedro I durante protestos em 1831, apesar de seus familiares terem abandonado o monarca.

Casou-se em 6 de janeiro de 1833, aos 29 anos, com Ana Luísa de Loreto Carneiro Viana. Ela era irmã de um amigo oficial e membro de uma família aristocrática carioca.

A mãe da noiva era contra a união, pois via Caxias e sua família como novos-ricos. Alguns jornais da época, ligados aos inimigos políticos de sua família, chegaram a divulgar noticias falsas, entre elas uma que dizia que ele havia sequestrado Ana Luísa.

Apesar de tudo, seu casamento foi feliz e o casal teve três filhos: Luísa de Loreto Viana de Lima, nascida em 1833, Ana de Loreto Viana de Lima, de 1836, e Luís Alves de Lima e Silva, em 1847.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Amizade com Dom Pedro II

Dom Pedro I abdicou em favor de seu filho, a quem Caxias serviu como mestre de armas, ensinando-lhe esgrima e hipismo e, finalmente, tornando-se seu amigo.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Sob seu comando as tropas brasileiras lutaram em importantes conflitos da época, como a Balaiada, no Maranhão, a Revolução Liberal, em São Paulo e Minas Gerais, a Guerra dos Farrapos, no Rio Grande do Sul, e também a Guerra do Paraguai, retratada na novela.

Nesta última, foi designado por Dom Pedro II como comandante das tropas na batalha. Ajudou a sanear as condições dos acampamentos, melhorar a alimentação dos soldados e a retirar dos hospitais homens já curados.

Depois de conquistar a capital paraguaia na guerra, em janeiro de 1869, um ano antes do término definitivo do confronto, Duque de Caxias deu sua missão como encerrada e retornou ao Brasil.

O Imperador ficou furioso por Caxias ter deixado seu posto sem permissão e também por ter declarado a guerra ganha, enquanto Solano López, comandante do Paraguai, ainda estava solto e reagrupando seus poucos recursos militares.

No entanto, Pedro sabia que ele era o principal responsável pelos grandes sucessos durante a batalha, realizações que vieram ao custo de anos de sacrifício e bravura pessoal. Por isso, convocou Caxias para o Palácio de São Cristóvão cerca de um mês depois, para uma reconciliação.

Últimos anos de vida

Comparação Duque de Caxias

Em 23 de março do mesmo ano, o Imperador lhe presenteou com a Imperial Ordem de Pedro Primeiro e o elevou ao título de Duque, o mais alto da nobreza brasileira. Ele foi a única pessoa a receber essa honraria durante o reinado de Dom Pedro II.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

No ano seguinte, em outubro de 1870, Pedro o nomeou para o Conselho de Estado. Já com sérios problemas de saúde, em 1877, Caxias deixou o cargo.

Confinado a uma cadeira de rodas e com a saúde cada vez mais debilitada, o Duque viveu seus últimos dias na Fazenda Santa Mônica, perto da cidade de Valença, interior da província do Rio de Janeiro.

Morreu em 7 de maio de 1880, cercado por familiares. Dom Pedro II havia visitado o amigo várias vezes durante esse tempo e ficou muito triste com sua partida.

Caxias queria um funeral simples e foi parcialmente atendido, pois Pedro enviou uma carruagem usada apenas nos funerais da Família Imperial, seguida de 16 membros da criadagem imperial e 13 soldados de boa conduta para carregarem o caixão.

Uma grande procissão foi seguida por um funeral, que contou com a presença do Imperador. Seu corpo foi enterrado junto com o de sua esposa no Cemitério de São Francisco de Paula, no Rio de Janeiro.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Décadas após sua morte, Caxias passou a ser considerado como a principal figura militar da história brasileira. Em 1923, foi criada uma celebração anual em sua homenagem e, dois anos depois, a data de seu nascimento, 25 de agosto, tornou-se oficialmente o Dia do Soldado.

Seus restos mortais, assim como os de sua esposa, foram exumados em 25 de agosto de 1949 e colocados no Panteão Duque de Caxias, na capital fluminense.

Em 13 de março de 1962, Caxias transformou-se no Patrono do Exército, consolidando sua imagem de figura mais importante da tradição militar brasileira.

Whatsapp


Leia também