Há 35 anos, morte de vilã fez Globo parar o Brasil em pleno Natal

Quem esperava pelo Papai Noel se surpreendeu ao se deparar com o assassinato de Odete Roitman em Vale Tudo

Whatsapp

Imagine a cena: é noite de véspera de Natal e a família está reunida, compartilhando a ceia, trocando presentes e espiando a TV para ver o que está acontecendo na novela. De repente, tiros são disparados e a vilã da trama cai morta, ensanguentada. Não combina nem um pouco com a noite de Natal, certo?

Atriz Beatriz Segall
Beatriz Segall em Vale Tudo (Divulgação / Globo)

Mas foi isso o que aconteceu na véspera de Natal de 1988. O público que esperava por Papai Noel se surpreendeu ao se deparar com o assassinato de Odete Roitman (Beatriz Segall) em Vale Tudo, um clássico da teledramaturgia nacional.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Grande sucesso

Regina Duarte e Gloria Pires em Vale Tudo
Regina Duarte e Gloria Pires em Vale Tudo (divulgação/Globo)

Exibida de maio de 1988 a janeiro de 1989 no horário nobre da Globo, Vale Tudo é considerada uma das melhores novelas brasileiras de todos os tempos. Escrita por Gilberto Braga, Aguinaldo Silva e Leonor Bassères, a trama escreveu seu nome na história da televisão do país.

A trama girava em torno da batalhadora Raquel (Regina Duarte) e de sua filha, a carreirista Maria de Fátima (Gloria Pires), capaz das maiores atrocidades contra a própria mãe para se dar bem. Outra personagem icônica é a vilã Odete Roitman, personagem mais marcante da carreira da veterana Beatriz Segall.

Leia mais

Mau-caráter e politicamente incorreta, Odete destilava seu ódio contra o Brasil e os brasileiros com suas frases mordazes e cheias de preconceito. Após muito aprontar, ela acaba sendo misteriosamente assassinada com três tiros, numa cena que foi exibida em 24 de dezembro de 1988.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

 

Quem matou Odete Roitman?

Carlos Alberto Riccelli, Gloria Pires e Marcos Manzano
Carlos Alberto Riccelli, Gloria Pires e Marcos Manzano em Vale Tudo (Divulgação / Globo)

O assassinato de Odete Roitman não chegou a pegar o público de surpresa, já que a imprensa especializada já havia adiantado que a vilã seria alvejada na noite de Natal. Por isso, desde antes de a cena ir ao ar, já haviam matérias sobre os possíveis assassinos nos jornais e nas revistas.

Após a exibição da cena, as especulações sobre a identidade do assassino de Vale Tudo se intensificaram. O mistério mexeu com todo mundo, ao ponto de o Caldo Maggi lançar uma promoção na qual os participantes tinham que adivinhar o nome do personagem misterioso. A promoção, inclusive, superou as expectativas mais otimistas de seus realizadores.

Para despistar a imprensa, os autores escreveram cinco finais diferentes. Curiosamente, um dos finais apontava que o assassino era uma criança, Bruno (Danton Mello), que teria pegado a arma do pai Marco Aurélio (Reginaldo Faria) para levar a ele. Mas, ao chegar à casa de Odete, ele testemunharia uma discussão entre o pai e a vilã e atiraria.

Segundo o jornal O Globo de 7 de janeiro de 1989, além de Bruno, os outros finais apontavam para César (Carlos Alberto Riccelli), Olavo (Paulo Reis), Queiroz (Paulo Porto) e Leila (Cassia Kis).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Mistério revelado

Cássia Kis em Vale Tudo
Cássia Kis em Vale Tudo

Apesar do enorme sucesso, o mistério em torno do assassinato de Odete Roitman durou pouco tempo. A identidade do assassino foi revelada no último capítulo, que foi ao ar em 6 de janeiro de 1989.

No episódio final, é mostrado que a responsável por acabar com a vida de Odete era Leila. Ela acreditava que o marido Marco Aurélio estava se encontrando com a amante Maria de Fátima e atira, sem saber que, na verdade, tratava-se de Odete.

O desfecho deixou a atriz Cassia Kis satisfeita.

”Eu achei o desfecho fantástico. Leila era uma mulher comum demais, carente, com valores horrorosos, desequilibrada. Acredito que o fato dela ter sido escolhida como a assassina foi a melhor solução”, declarou a atriz ao jornal O Dia.

Whatsapp


Leia também