Em menos de um ano, Guilherme Fontes foi do céu ao inferno dentro da Globo

Whatsapp

Um bom ator precisa ter versatilidade. Guilherme Fontes provou isso na prática: em menos de um ano, entre 1993 e 1994, ele trocou o papel de mocinho pelo de grande vilão em duas novelas de sucesso da Globo.

Após ter despontado em tramas como Bebê a Bordo (1988) e Desejo (1990), Fontes foi escalado para ser o protagonista masculino do remake de Mulheres de Areia.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Entre 1º de fevereiro de 1993 e 25 de setembro de 1993, o ator viveu Marcos, filho de Virgílio Assunção (Raul Cortez) e Clarita (Susana Vieira) e irmão de Malu (Vivianne Pasmanter).

Leia mais

Era um rapaz sensível e romântico. Trabalhava com o pai, a quem admirava, e era noivo de Andrea (Karina Perez). O casamento era visto com bons olhos por todos, principalmente por Virgílio, que vislumbra a consolidação de seu poderio econômico.

Marcos, no entanto, apaixona-se por Ruth (Gloria Pires), filha de um pescador. Só que também é cobiçado pela interesseira Raquel (Gloria Pires), gêmea de Ruth, com quem acaba se casando. No final, ele termina com a gêmea boa.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Sete meses após o final de Mulheres de Areia, que bateu recordes de audiência na faixa das seis, Fontes foi escalado para viver Alexandre em outro remake de Ivani Ribeiro.

A Viagem, recentemente exibida pelo canal Viva, entrou no ar em 11 de abril de 1994 e foi mostrada até 22 de outubro do mesmo ano, em 160 capítulos.

Em papel completamente oposto ao anterior, Alexandre era um rapaz sem caráter, maldoso e vingativo. Filho caçula de dona Maroca (Yara Cortes) e irmão de Diná (Christiane Torloni) – que não vê seus defeitos –, Raul (Miguel Falabella) e Estela (Lucinha Lins).

Viciado em drogas, comete um assassinato no primeiro capítulo, comete suicídio e passa a atormentar os que julga responsáveis por seu trágico destino, se redimindo somente no final da história.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“Estou trabalhando sem parar desde Mulheres de Areia”, declarou ao jornal O Dia de 22 de maio de 1994 – ele também estava em cartaz no teatro.

“Me policio para que os personagens não fiquem com a minha cara. Estou sempre atento. Não quero ficar estigmatizado e acabar fazendo sempre o mesmo papel. Sou um ator técnico que segue a intuição”, completou.

Depois das duas produções, o ator passou a se dedicar ao cinema e voltou a protagonizar uma novela somente em 2001, quando viveu o Tony de Estrela-Guia.

Até o momento, seu último trabalho no gênero foi em Órfãos da Terra, exibida em 2019 pela Globo.

Para saber por onde anda o ator atualmente, clique aqui.



Leia também