Há 28 anos, grave crise na Manchete acabou com programa de sucesso de Angélica - TV História

Há 28 anos, grave crise na Manchete acabou com programa de sucesso de Angélica

Whatsapp

Há 28 anos, no dia 26 de dezembro de 1992, a Manchete exibia o último Milk Shake. O programa catapultou a carreira da promissora Angélica, uma loirinha graciosa que despontou no vídeo apresentando programas infantis na emissora de Adolpho Bloch e que, em 1988 – no auge do sucesso de seu primeiro LP e do hit ‘Vou de Táxi’ -, ganhou o ‘Milk’, destinado aos jovens. O fim da atração marcou também a saída de Angélica do canal que a lançou. Vamos relembrar os bastidores do programa!

Jayme Monjardim era o diretor artístico da Manchete na época do lançamento do Milk Shake. Marcelo Zambelli respondia pela direção geral. Nas palavras de Jayme, o programa era feito “de uma porção de som, pitadas de humor e algumas doses de entrevistas“. Já Marcelo buscava levar os convidados a “coisas que eles não fazem nem em shows“, como Pepeu Gomes tocando Jimmy Hendrix e Rosanah – no auge de ‘O Amor e o Poder’, do refrão “como uma deusa” – imitando Janis Joplin.

O programa estreou no dia 6 de agosto de 1988, sábado, às 16h. O horário estava “órfão” do Cassino do Chacrinha, da Globo, devido ao falecimento do apresentador Abelardo Barbosa em 30 de junho. A emissora não escondeu a intenção de angariar a audiência que a concorrente havia perdido com a morte do Velho Guerreiro.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

De fato, o Milk Shake conseguiu avançar contra o “exército inimigo” na guerra dos números. Logo em suas primeiras semanas, se fixou na vice-liderança, com médias em torno de 11 pontos (no Rio de Janeiro), atrás apenas da novela Olho Por Olho (1988).

O cenário remetia à anarquia do ‘Cassino’: carros e motocicletas da década de 1960 dividiam espaço com elementos de histórias em quadrinhos e letreiros em neon.

Na estreia, Angélica recebeu o Kid Abelha (ainda no tempo de ‘e os Abóboras Selvagens’), Dominó, Egotrip, Kátia, Nico Rezende, Zero, Barão Vermelho (então na trilha de Vale Tudo, com ‘Pense Dance’), Eduardo Dussek e Paralamas do Sucesso (ambos na seleção de Bebê a Bordo, com ‘Amor e Bombas’ e ‘O Beco’).

Esta mistura de gêneros rendeu elogios de Caetano Veloso. Em entrevista à revista IstoÉ, o cantor elegeu o Milk Shake como seu programa musical preferido, porque tinha “de tudo”. A atração recebeu desde de Caê até duplas sertanejas, passando pelo BR Rock, indo ao Palhaço Carequinha.

Em 1989, Angélica chegou a oferecer espaço aos candidatos à Presidência da República – a primeira eleição direta após anos de regime militar. Não encontramos registros das participações de políticos na atração.

Além dos números musicais, havia também espaço para a dramaturgia. Angélica treinava seu lado atriz em esquetes relacionadas ao tema de cada episódio. Todos estes eram temáticos: Branca de Neve e os Sete Anões, cinema mudo, espaço intergaláctico e “material girl”.

Como assistente de palco, a anã Lurdinha Adelaide, de 1,39 metro de altura, atriz do Tablado (de Maria Clara Machado), musa inspiradora da música ‘Adelaide, minha anã paraguaia’, da banda Os Inimigos do Rei.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Em 1992, o Grupo IBF assumiu as dívidas e boa parte das ações da Manchete. Em meio às reformulações propostas pelos então novos sócios dos Bloch, estava a transferência do núcleo de produção do Milk Shake para São Paulo. Os programas temáticos foram abortados; a ideia inicial era gravar tudo em uma casa noturna. O novo projeto incluía também a participação de radialistas de todo o país, comentando as músicas mais tocadas da semana.

Angélica, contudo, bateu o pé e manteve personagens já célebres da “porção” dramaturgia do ‘Milk’, como uma comentarista econômica e uma motorista de táxi, além de Sissi, “prima” invejosa da apresentadora.

Em dezembro de 1992, a loirinha resolveu deixar a Manchete / IBF. Modificaram então a proposta inicial: tanto o Milk Shake quanto o Clube da Criança seriam extintos. O primeiro, substituído por um dominical, Angélica Total; o segundo, pelo TV Angélica. Como o nome já diz, o ‘TV’ pretendia brincar com as atrações televisivas. Dirigido por Jorge Queiroz, recém-saído do também extinto Xou da Xuxa (1986), o programa contaria com sátiras dos apresentadores Clodovil e Otávio Mesquita, da jornalista Leila Richers e da atriz Jussara Freire.

Os dois projetos foram suspensos em razão da transferência de Angélica para o SBT. A apresentadora, que já havia recebido um convite de Silvio Santos em 1988, também estava em negociações com a Globo. A emissora-líder, contudo, pretendia mantê-la apenas em um musical e aproveitá-la nas novelas. Com diversos contratos publicitários que miravam o público infantil, Angélica não poderia abrir mão deste nicho. Por isto, aceitou a oferta do canal da Anhanguera.

Whatsapp


Leia também