A Globo surpreendeu com um recurso adotado em Fuzuê, substituta de Vai na Fé às sete. A trama de Gustavo Reiz vai contar com um elemento utilizado em tramas do passado e da concorrente Record.

Fuzuê - Giovana Cordeiro e Nicolas Prattes
Giovana Cordeiro (Luna) e Nicolas Prattes (Miguel) em Fuzuê (Fábio Rocha / Globo)

Nathalia Timberg foi escalada para narrar o folhetim. Portanto, a sua voz deve aparecer bem mais do que a sua imagem.

A veterana também poderá ser vista no vídeo, em cenas não tão corriqueiras, como flashbacks.

Aliás, será exatamente fazendo referência ao passado dos demais personagens que Nathalia entrará em ação.

[anuncio_1]

Retomada da narração

Força de um Desejo - Nathalia Timberg
Nathalia Timberg como Idalina em Força de um Desejo (Nelson Di Rago / Globo)

A narração é um recurso abandonado pela Globo há bastante tempo. Uma das últimas produções a contar com esse artifício do início ao fim foi O Pulo do Gato, realizada em 1978.

No folhetim, esquecido pelo público e pela emissora, o comediante Paulo Silvino tinha a função de contar a história sem dar as caras no vídeo. Sua única aparição ocorreu no último capítulo.

Na trama, ele imprimia um tom de suspense com o uso de sua voz. A passagem de Silvino por O Pulo do Gato ficou marcada pelo termo “confere?”, usado no fim de cada narração.

Conforme destaca o site Teledramaturgia, Silvino deu as caras nos momentos finais da produção e, mesmo assim, de óculos escuros, sobretudo e chapéu, todos na cor preta, mantendo o mistério sobe o contador da história.

A nova novela das sete

Fuzuê - Giovana Cordeiro
Giovana Cordeiro como Luna em Fuzuê (Manoella Mello / Globo)

A função narrativa terá um papel importante em Fuzuê, pois, ajudará a explicar os plots que serão abordados na narrativa e ditará o destino dos personagens.

O recurso será essencial para explicar a história central, principalmente o sumiço de Maria Navalha (Olivia Araujo), mãe da mocinha Luna (Giovana Cordeiro), após uma visita à loja que dá título à novela.

Leia também: Galvão Bueno lamentou morte de grande parceiro: “Mudou minha vida”

[anuncio_3]

Outras produções

Gênesis - Oscar Magrini
Oscar Magrini como Noé em Gênesis (Reprodução / Record)

A narração esteve presente também em Aquele Beijo (2011), quando a voz de Miguel Falabella, o autor, surgia para explicar um determinado passo do enredo.

O recurso também vem sendo largamente utilizado pela Record. Nas tramas Gênesis (2021) e Reis, Flávio Galvão e Ingrid Conte, respectivamente, responderam pela voz de Deus.

Na extinta Manchete, A História de Ana Raio e Zé Trovão (1900) contava com um narrador de boiadeiro relatando ações dos personagens.

Em Brida (1998), derradeira produção da rede carioca, o desfecho da trama foi possível graças a tal recurso, já que os atores deixaram de trabalhar em represália à falta de pagamento.

Compartilhar.
Dyego Terra

Dyego Terra é jornalista e professor de espanhol. É apaixonado por TV desde que se entende por gente e até hoje consome várias horas dos mais variados conteúdos da telinha. Já escreveu para diversos sites especializados em televisão. Desde 2005 acompanha os números de audiência e os analisa. É noveleiro, não perde um drama latino, principalmente mexicano, e está sempre ligado na TV latinoamericana e em suas novidades. Análises e críticas são seus pontos fortes. Leia todos os textos do autor