Globo, Silvio Santos e mais: as 10 maiores fake news da história da TV brasileira - TV História

Globo, Silvio Santos e mais: as 10 maiores fake news da história da TV brasileira

A televisão brasileira completou 70 anos na última sexta (18). A história do veículo é recheada de passagens gloriosas, mas também de muitas lendas.

Reunimos abaixo as 10 maiores fake news difundidas sobre a história da TV brasileira:

Câmera quebrada na estreia

Uma das três câmeras preparadas para a estreia da Tupi, em 18 de setembro de 1950, simplesmente pifou pouco antes do programa inaugural começar. Mas uma lenda, até hoje difundida, diz que o dono da emissora, Assis Chateaubriand, quis batizar o equipamento como fazem com os navios, quebrando uma garrafa de champagne, o que teria causado o dano. A história foi criada pelo ator Lima Duarte, presente na cerimônia. Ele mesmo brincou com o fato no Globo Repórter exibido na sexta passada.

Concessão da Globo

É conhecido o fato de que a Globo apoiou a implantação do regime militar em 1964 e que Roberto Marinho nunca negou sua simpatia em relação ao fato. Mas a concessão do canal da Globo no Rio de Janeiro (RJ) não foi dada pelos militares, como muita gente afirma. As duas únicas concessões da Globo foram outorgadas antes do período militar. A primeira em 1957, pelo presidente Juscelino Kubitschek, para a Globo do Rio, e a segunda em 1962, por João Goulart, para o canal de Brasília (DF). Para entrar em São Paulo (SP), a Globo comprou a TV Paulista.

Silvio Santos careca

Silvio Santos é careca? Até que alguém prove o contrário, não. Mas uma brincadeira da revista Melodias, de 1971, ajudou a difundir a lenda. Uma foto de Silvio sem cabelo saiu na capa da revista, mas era uma montagem feita para ajudar a publicação, que estava passando por uma crise financeira. O veículo era dirigido por Plácido Manaia Nunes (1934-2007), criador do Troféu Imprensa e amigo de longa data do apresentador.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


Ator enterrado vivo

Outra história que vira e mexe aparecia na mídia era a de que o ator Sérgio Cardoso teria sido enterrado vivo. Ele morreu em 18 de agosto de 1972, quando vivia o protagonista da novela O Primeiro Amor, da Globo. Após o seu sepultamento, acompanhado por mais de 15 mil pessoas, surgiu um boato de que Cardoso sofria de catalepsia, uma doença rara que deixa os membros rígidos por horas, como se a pessoa estivesse morta. Por causa disso, o ator teria sido enterrado vivo. A família sempre desmentiu essa história e garantiu que ele morreu de ataque cardíaco.

Cid Moreira de bermuda

Até hoje é possível encontrar quem jure que Cid Moreira apresentava o Jornal Nacional usado bermuda. O comandante do telejornal entre 1969 e 1996 jura que isso aconteceu somente uma vez, durante um Carnaval, quando choveu e ele não conseguiu ir para casa se trocar, tendo usado uma bermuda com o paletó que estava na emissora.

Silvio Santos interpretou o palhaço Bozo

Por muito pouco, Silvio Santos não foi o primeiro Bozo da televisão brasileira. O animador cogitou viver ele mesmo o personagem, no início dos anos 1980, já que estava com dificuldade para achar um nome ideal, mas acabou desistindo depois de ouvir conselhos de sua equipe. O Bozo acabou sendo vivido no Brasil por diversos artistas, como Wanderley Tribeck (Wandeko Pipoca), Luis Ricardo, Arlindo Barreto, Décio Roberto, Luiz Leandro, Marcos Pajé e Edilson Oliveira.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


Roque Santeiro deu 100 pontos no Ibope

O fato de Roque Santeiro não ter dado 100% de audiência no Ibope não é demérito: se trata de uma das maiores novelas da história da televisão brasileira. Na época, o Ibope não era medido por pontos, mas sim por porcentagem. E a trama de Dias Gomes e Aguinaldo Silva teve média geral de 80%, sendo vista por 70 milhões de brasileiros. A única que deu 100%, até hoje, é Selva de Pedra, em 1972, no capítulo em que Simone (Regina Duarte) é desmascarada.

Acidente de avião matou elenco de Chaves

Chaves não é o Brasil, mas sempre fez sucesso por aqui. E essa história ter sido inventada por um brasileiro. Nos anos 1980 e 1990, era forte o boato de que um acidente de avião havia matado todo o elenco das séries Chaves e Chapolin. De acordo com Edgar Vivar, intérprete do Sr. Barriga, a lorota teria sido inventada por um empresário que queria trazer o show deles para o Brasil, mas não conseguiu. “Curiosamente, depois apareceu a notícia de que nós estávamos mortos. Nós rimos”, disse o ator em entrevista à Folha de S.Paulo. Do elenco principal de Chaves, ainda estão vivos Florinda Meza (Dona Florinda), Carlos Villagran (Quico), Edgar Vivar (Sr. Barriga) e Maria Antonieta de las Nieves (Chiquinha).

Pantanal venceu Rainha da Sucata

Que Pantanal foi uma pedra no sapato da Globo, em 1990, ninguém pode negar. Mas a novela da Manchete nunca venceu Rainha da Sucata, conforme muita gente afirma. “Há de se ressaltar que Pantanal nunca concorreu diretamente com Rainha da Sucata no horário”, enfatizou nosso colunista Nilson Xavier em seu site Teledramaturgia. A Globo esticou Rainha da Sucata para conter Pantanal, mas a trama de Benedito Ruy Barbosa goleava Araponga, obscura produção colocada no ar às 21h30 para tentar frear o sucesso do momento.

Dragon Ball Z no 11 de setembro

Em todo 11 de setembro é a mesma história: muita gente garante que o atentado do World Trade Center teria interrompido um dos principais momentos do desenho Dragon Ball Z. Mas trata-se de um fenômeno conhecido como “efeito Mandela”, quando um grupo de pessoas tem certeza de algo, mas não passa de uma memória falsa. O primeiro plantão da Globo foi exibido às 10h e o desenho seria exibido somente às 11h. Na verdade, a Globo exibia outra animação: Garrafinha.



Leia também