Fracasso do No Limite engrossa lista de programas que voltaram e naufragaram - TV História

Fracasso do No Limite engrossa lista de programas que voltaram e naufragaram

Whatsapp

O reality show No Limite foi uma das apostas da Globo para 2021, mas, até o momento, tem se mostrado uma das maiores decepções da televisão brasileira no ano. A audiência cai a cada episódio e mesmo o engajamento nas redes sociais é muito baixo em comparação, por exemplo, ao BBB.

Comandado por André Marques, o programa, que mobilizou todo o Brasil em sua primeira edição, em 2000, está em sua quarta temporada e já havia recebido uma nova chance, em 2009, que também não foi recebida pelo público.

Na última terça (6), a saída de Kaysar Dadour marcou o pior índice desde a estreia, com 15,9 pontos de média e 28,5% de participação, de acordo com dados do Ibope. Mesmo assim, tudo indica que a Globo vai produzir mais uma edição da atração, no ano que vem.

Relembre abaixo outros programas que receberam novas oportunidades, mas decepcionaram:

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

 

Balança Mas Não Cai

Sucesso na Rádio Nacional na década de 1950, o Balança Mas Não Cai estreou na Globo em setembro de 1968, logo obtendo êxito com seus personagens cheios de bordões. A atração ficou na emissora até dezembro de 1971, quando passou a ser exibida pela Tupi. A volta à Globo ocorreu em abril de 1982, nas tardes de domingo, mas a repercussão não foi a mesma da primeira vez. Ficou no ar até 2 de janeiro de 1983.

Fantasia

Quando estreou nas tardes do SBT, em 1º de dezembro de 1997, o Fantasia logo se tornou febre, alavancou a audiência do canal e congestionou as linhas telefônicas. No entanto, o formato logo se esgotou e o Ibope começou a cair. Depois de várias mudanças, incluindo a troca de apresentadores, o programa saiu do ar em junho de 2000. Uma nova versão foi realizada entre outubro de 2007 e março de 2008, sem, no entanto, alcançar o sucesso do original.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Aqui Agora

Programa que revolucionou o telejornalismo policial no Brasil, alcançou altos índices de audiência no início dos anos 1990, chegando a incomodar a Globo. A primeira encarnação, que estreou em 1991, ficou no ar até 1997, passando por diferentes fases e apresentadores. Em 2008, Silvio Santos inventou de criar uma nova versão, sob o comando de nomes como Christina Rocha e Luiz Bacci. O Aqui Agora voltou em 3 de março daquele ano, mas derrubou a audiência do canal e durou pouco mais de um mês, até 10 de abril de 1998.

Show do Milhão

O programa de perguntas e respostas comandando por Silvio Santos mobilizou o Brasil por alguns meses em 1999 e 2000, mas foi perdendo fôlego e acabou saindo do ar em outubro de 2003. Uma nova temporada foi realizada a partir de 8 de julho de 2009, mas a audiência não correspondeu. A atração ficou no ar até 9 de setembro do mesmo ano. Recentemente, foi anunciado que uma nova versão deverá ser exibida em 2021, agora sob o comando de Celso Portiolli. Resta saber se vai dar certo.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

 

Viva a Noite

Primeiro grande sucesso de Gugu Liberato, o Viva a Noite foi exibido pelo SBT aos sábados (e, por um curto período, nas tardes de domingo) entre 1982 e 1992. Quando Gugu migrou definitivamente para o dia seguinte, mantendo o Sabadão Sertanejo no antigo horário, o fim foi decretado. Lutando para recuperar o segundo lugar no ranking do Ibope, o SBT criou uma nova versão do programa em 2007, com apresentação da cantora Gilmelândia e participação de Supla como repórter. Mas não rolou: a atração ficou no ar somente entre março e dezembro daquele ano.

Bozo

Importado dos Estados Unidos por Silvio Santos, o palhaço Bozo foi fenômeno de audiência e alicerce da programação dos primeiros anos do SBT, ficando no ar entre 1981 e 1991. Uma nova versão foi apresentada pela emissora em 2013, mas, além da audiência não ser a almejada, os direitos do personagem em dólares ficaram proibitivos com o aumento da moeda. Ficou apenas três meses no ar.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Família Trapo

Icônico programa humorístico da fase áurea da Record nos anos 1960, contava no elenco com nomes como Ronald Golias, Otelo Zeloni, Renata Fronzi e o jovem Jô Soares, entre outros. Em dezembro de 2013, a Record exibiu um especial intitulado Nova Família Trapo, baseado no original, mas sem o personagem Bronco, que é insubstituível. No entanto, qualquer chance de reviver a atração foi sepultada ali mesmo, já que a audiência foi baixa e a atração recebeu críticas pela falta de graça.

Whatsapp


Leia também