“Foi horrível”: saiba o que aconteceu com a atriz que fez Mariana em A Favorita

Whatsapp

Dizem que a primeira vez a gente nunca esquece. E isso aconteceu com Clarice Falcão. A atriz e cantora pernambucana, atualmente com 32 anos, estreou em novelas logo no principal horário da Globo, em A Favorita, exibida entre 2008 e 2009 e que estará em cartaz no Vale a Pena Ver de Novo a partir desta segunda (16).

Clarice Falcão

Filha do cineasta João Falcão e da roteirista e escritora Adriana Falcão, Clarice nasceu em 23 de outubro de 1989, em Recife (PE). Ela iniciou sua carreira artística em 2006, atuando em curta-metragens.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Na novela da Globo, ela viveu a personagem Mariana. Filha de Catarina (Lilia Cabral) e Leonardo (Jackson Antunes), irmã de Domenico (Eduardo Mello). Inteligente, perspicaz, extrovertida, desbocada e explosiva, era a principal opositora do pai dentro de casa.

Leia mais

Ao longo da trama, ela ficou grávida e o público descobre que a garota era estuprada pelo próprio pai.

“Não funcionou”

Em entrevista ao programa Pânico, da Jovem Pan FM, em 2016, Clarice contou que não gostou da experiência, tanto que ela nunca mais fez nenhuma novela.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“Já fiz e foi horrível para mim. A novela era incrível, mas eu não me acostumei com a forma. Voltava para casa muito infeliz. Para mim não funcionou. Prefiro fazer as minhas coisas mais livres e com amigos, ser autoral”, declarou.

Depois dessa experiência, Clarice passou a fazer parte do grupo Porta dos Fundos, cujos vídeos estão entre os mais acessados do mundo no YouTube.

Ela também fez filmes e séries, além, é claro, de se dedicar à música. Em 2013, a artista foi indicada ao Grammy Latino na categoria Artista Revelação.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Por onde anda Clarice Falcão?

Clarice Falcão

A atriz morou junto com o ator Gregório Duvivier até 2014, quando se separaram. Atualmente, ela namora o apresentador Guilherme Guedes.

Em suas entrevistas, a atriz destaca sua luta pelo feminismo, inclusive retratada nas letras de segundo disco, Problema Meu.

“Ser feminista é necessário. Só não vai ser quando estiver tudo igual, a gente não ganhar menos, o aborto for legalizado, mas fico agoniada de tomar um espaço de gente que sabe mais porque estudou e viveu mais. Acho complicado ocupar um lugar de ícone”, declarou a cantora ao jornal Diário de Pernambuco de 2016.

Whatsapp


Leia também