O triste final de Leopoldina que Novo Mundo não mostrou - TV História

O triste final de Leopoldina que Novo Mundo não mostrou

Whatsapp

Há exatamente quatro anos, em 25 de setembro de 2017, a Rede Globo finalizava a novela Novo Mundo. No ano passado, a trama de Thereza Falcão e Alessandro Marson, substituiu a inédita Éramos Seis no momento em que o país entrava na pandemia do novo coronavírus e as gravações de novelas foram embargadas.

Na última cena da produção, a personagem Anna Millman (Isabelle Drummond) faz uma reflexão sobre os rumos que a trama tomou diante das expectativas dos personagens estrangeiros antes de desembarcarem no Brasil. “Hoje, olhamos para dentro de nós e descobrimos um Novo Mundo”, finalizou a personagem, caminhando invisível pela platéia que assistia a uma peça teatral.

Leopoldina (Letícia Colin) e Dom Pedro I (Caio Castro) terminaram rindo, felizes da vida.

O que pareceu o fim de um conto de fadas, na realidade foi um grande pesadelo para a Imperatriz do Brasil. Por isso, vamos desvendar agora como foi o triste fim de Maria Leopoldina, importante nome da Independência do Brasil.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Casamento conturbado

Como todos sabemos, o casamento de Dom Pedro I e Maria Leopoldina nunca foi perfeito. As inúmeras amantes do Imperador logo deixaram claro para Leopoldina que a convivência com ele não seria fácil.

Em Novo Mundo, parte do relacionamento abusivo é mostrado: Dom Pedro desfruta de várias amantes durante os capítulos, com destaque para Domitila (Agatha Moreira) e sua irmã Benedita (Larissa Bracher), sendo que ambas engravidaram do Imperador na vida real.

De acordo com relatos dos historiadores, Leopoldina teve que suportar as infidelidades e o temperamento violento do jovem Imperador por toda a vida, realidade que a ficção não mostrou.

O ápice dos abusos de Dom Pedro foi trazer Domitila para a Corte e fazer com que a amante convivesse com sua esposa no mesmo ambiente – e, pior, com sua filha bastarda.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Últimos meses

Se a novela se encerra por volta de 1824, vamos avançar ao ano de 1826, quando tudo desabou para Leopoldina.

Grávida, depressiva e vítima de todos os tipos de violência, a Imperatriz teve que engolir sua rival tornar-se Marquesa de Santos em 12 de outubro daquele ano.

No dia 20 de novembro, antes de embarcar para o Sul, Dom Pedro exigiu que Leopoldina participasse com ele do rito “beija-mão” (cerimônia onde os nobres beijam na mão dos monarcas), junto com Domitila.

Com a negativa de Leopoldina, Dom Pedro teria arrastado a esposa pelo palácio, agredindo-a com palavras e chutes em seu ventre, mesmo com avançado estado de gravidez.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Triste fim

A Imperatriz, que há meses encontrava-se em grave processo de depressão, na 12ª semana de gravidez teve a saúde profundamente abalada. Em sua última carta à irmã Maria Luísa, ela menciona um terrível atentado que sofrera pelas mãos de seu marido na presença da amante.

A carta, assinada na madrugada de 8 de dezembro de 1826, também era uma despedida. Leopoldina teria um aborto espontâneo três dias depois, morrendo por complicações do parto mal-sucedido.

É muito difundida a versão de que Maria Leopoldina teria morrido em consequência das agressões desferidas contra si durante os acessos de raiva de seu marido, mas nada foi comprovado oficialmente.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A nova esposa

Após a morte de Leopoldina, Dom Pedro iniciou uma busca para encontrar uma nova esposa, mas seu temperamento difícil havia se espalhado pelo mundo e ninguém queria casar-se com ele.

Em 1829, Dom Pedro I casou novamente, dessa vez com a princesa Amélia de Leuchtenberg. Ele rompeu definitivamente com Domitila e prometeu a todos que tentaria ser a melhor pessoa possível, coisa que não havia sido com ex-mulher.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Assista ao vídeo:



Leia também