Ex-editor-chefe do Jornal Hoje faz duras críticas sobre a atual fase do telejornal - TV História

Ex-editor-chefe do Jornal Hoje faz duras críticas sobre a atual fase do telejornal

Whatsapp

Ex-editor-chefe do Jornal Hoje, Alberto Villas não poupou críticas ao telejornal em texto publicado em seu blog nesta quarta (07).

O jornalista e escritor, que também foi editor-chefe do Fantástico em São Paulo durante 10 anos, destaca que, com o sumiço do “fiasco” do Se Joga no início da pandemia, o JH teve sua duração ampliada, já que existiam muitas notícias para serem dadas. Mas, atualmente, segundo ele, o telejornal está muito longo e precisa encolher para voltar a ficar atraente.

No texto, Villas (foto acima) também elogiou o vigor e a competência da apresentadora Maria Julia Coutinho.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


Confira o comentário:

“Desde o início da pandemia, desde que o programa Se Joga sumiu do mapa, o Jornal Hoje, no ar na TV Globo desde abril de 1971, ganhou um tempo enorme.

No princípio, no auge da crise, as notícias eram muitas e não paravam de chegar. O programa segurava o telespectador pela tensão e pelo volume de informações sobre o coronavírus.

Com o passar dos meses, 1 hora e 35 minutos é simplesmente um exagero para um jornal da hora do almoço.

Apresentado com muito vigor e competência pela jornalista Maria Julia Coutinho, a Maju, o JH, como é chamado por ela, hoje começa às 13 horas e 10 e termina às 14 horas e 45 minutos.

É nítido para o telespectador que é tempo demais, o jornal parece não ter fim. Telespectadores às vezes começam a almoçar com o boa tarde da Maju, terminam a refeição, tiram um cochilo e acordam assustados: esse jornal ainda não acabou?

O Ibope tem refletido e não é pra menos. Nos tempos de hoje, é difícil alguém sentar na poltrona e ficar quase duas horas assistindo um noticiário.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


Principalmente quando as notícias não são quentes, apenas mornas. Hoje (sem trocadilho), o JH abriu com uma apreensão de drogas em Campinas, em seguida veio uma matéria sobre milícias extorquindo vendedores ambulantes no Rio e pulou pra uma matéria sobre dois presos numa estrada de Minas levando pedras preciosas.

Sentiu-se ali, nos primeiros minutos que o cardápio nas próximas uma hora e meia não seria assim tão empolgante.

Quando a pandemia acabar, há uma dúvida: o fiasco do Se Joga volta ao ar? Só uma coisa é certa: o JH precisa encolher seu tempo para ficar mais atraente”.



Leia também