Em entrevista a Luciana Gimenez, Nuno Leal Maia comenta ausência da TV: "trabalhar na Globo agora está difícil" - TV História

Em entrevista a Luciana Gimenez, Nuno Leal Maia comenta ausência da TV: “trabalhar na Globo agora está difícil”

Whatsapp

Com mais de 40 anos de carreira e de 30 novelas no currículo, Nuno Leal Maia enfrenta hoje dificuldades para voltar aos folhetins. É o que o diz o ator em entrevista a Luciana Gimenez, no Luciana by Night desta terça-feira, 22h30, na RedeTV!.

“As coisas estão complicadas. Trabalhar na TV Globo agora, por exemplo, está difícil. Tem que ter essa disciplina deles – que vem lá de cima – e aí se transforma numa ditadura dramática. Antigamente não existia isso. A gente criava, a coisa brotava e o artista tem que ser assim mesmo”, comenta Nuno, de volta ao vídeo na série Juacas, do Disney Channel e ausente da casa onde se consagrou desde Amor Eterno Amor (2012).

“Gosto de pegar personagem que dê para trabalhar. Se você tiver um [personagem] bacana, vale a pena fazer. Mas não topo fazer qualquer coisa, não”, salienta o ator, destaque com suas composições em Mandala (1987), como o bicheiro Tony Carrado, e em Top Model (1989), como o surfista Gaspar Kundera.

Nuno Leal Maia, que também fez sucesso com seus personagens irritadiços em A Gata Comeu (1985), História de Amor (1995) e Malhação (1999), também fala sobre a dificuldade de chorar em cena: “Fiz um filme e, no final, me disseram que deixariam a câmera ligada esperando até que eu conseguisse chorar. Fiquei sentado, comecei a puxar e veio. É como se fosse o orgasmo do ator”.

E por falar em A Gata Comeu, o ator certamente não acompanhou a onda saudosista que dominou as redes sociais por conta da reprise da novela no Viva, entre outubro de 2016 e abril deste ano. “Só vejo [a internet] quando quero descobrir algo no Google. De resto, só WhatsApp. Essas coisas todas são de maluco. Prefiro ver televisão do que mexer no computador”, relata.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


Whatsapp


Leia também