Em 2002, Globo penou para tapar buraco de novela proibida pela Justiça - TV História

Em 2002, Globo penou para tapar buraco de novela proibida pela Justiça

Whatsapp

O começo dos anos 2000 não foi dos mais felizes para a teledramaturgia da Globo. Apesar de contar com alguns sucessos, como Laços de Família e O Clone, a emissora também teve dissabores e dores de cabeça com tramas, como As Filhas da Mãe e A Padroeira.

Justamente para substituir a novela de Manoel Carlos e alavancar o horário das seis, o canal convocou Maria Adelaide Amaral para escrever uma nova história para a faixa.

Assim nasceu Dança da Vida, que seria protagonizada por Adriana Esteves e Fábio Assunção.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


O problema é que a novela mexia com temas espinhosos, como a política, e acabou, por determinação da Justiça, sendo proibida de ir ao ar, por ser um ano eleitoral. Maria Adelaide voltaria a abordar a política somente em A Lei do Amor, fiasco que a emissora produziu em 2016, na faixa das oito.

Para tapar o buraco, a Globo acabou tendo que se virar. Manteve praticamente o mesmo elenco e chamou Emanoel Jacobina, que fez sucesso escrevendo Malhação, para criar uma nova trama.

Foi assim que Coração de Estudante veio ao mundo, sendo exibida a partir de 25 de fevereiro de 2002.

No início, a novela não empolgou o público, fazendo a Globo continuar em crise na faixa. Carlos Lombardi foi escalado para ajudar Jacobina e sugeriu alterações, que acabaram revertendo o quadro.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Vilão coadjuvante ganha destaque

Entre essas mudanças estão a entrada de um novo personagem, o promotor Pedro Guerra (Bruno Garcia), e a mudança no perfil de outros. Um deles foi Nélio (Vladimir Brichta), que era um peão vilão coadjuvante e acabou ganhando muito destaque na trama ao ser elevado a um papel cômico.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


“A partir do capítulo 70, eu me sentei com o Emanuel para discutir e montar uma estrutura. Ele escrevia e eu fazia o texto final. A implantação da mudança de tom durou uns trinta e poucos capítulos. Como a reação em termos de audiência foi bem rápida, o próprio Emanuel ficou bem à vontade com aquele tom. Então fui diminuindo minha participação”, declarou Lombardi ao livro “Autores, Histórias da Teledramaturgia”, do projeto Memória Globo.

Se não foi um estrondoso sucesso, Coração de Estudante acabou pegando no tranco e recuperou a audiência global, sendo exibida até 28 de setembro de 2002, em 185 capítulos.



Leia também