Em 1991, bordel leiloou virgindade de jovem após ver novela flopada da Globo - TV História

Em 1991, bordel leiloou virgindade de jovem após ver novela flopada da Globo

Whatsapp

Em 1991, a Globo teve muitas dores de cabeça com O Dono do Mundo, novela de Gilberto Braga que não agradou ao público e ainda sofreu a concorrência da mexicana Carrossel, apresentada pelo SBT.

Mas a trama acabou inspirando uma agência de Belo Horizonte (MG) a leiloar a virgindade de uma jovem de 18 anos. O caso, evidentemente, teve repercussão em todo o Brasil e terminou na delegacia.

No dia 24 de maio daquele ano, a Delegacia Especializada em Crimes contra a Mulher fechou a agência Eros & Cia, que anunciou a virgindade da jovem através de um anúncio no jornal Estado de Minas, o maior da capital mineira.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


O proprietário da agência, um engenheiro e tenente PM reformado, foi indiciado em inquérito para responder pelos crimes de favorecimento e exploração da prostituição, podendo pegar de três a nove anos de cadeia.

De acordo com reportagem do Jornal do Brasil do dia seguinte do fato, Cícero, em depoimento na delegacia, negou que o anúncio fosse verdadeiro. “Era uma estratégia de marketing, inspirada na novela O Dono do Mundo, da Rede Globo, onde o personagem de Antônio Fagundes quer manter relação sexual com uma virgem, interpretada por Malu Mader”, explicou a matéria.

O anúncio oferecia a virgem por 200 mil cruzeiros, mas a procura superou as expectativas e a agência começou a fazer um leilão. “Levaria a moça quem pagasse mais. Um dia depois, o preço chegara aos 250 mil cruzeiros”, destacou o texto.

“Várias mulheres foram levadas à delegacia especializada para depor, mas a donzela – que se apresentava no telefone com o nome de Naiara – não compareceu. Uma das mulheres detidas, de 18 anos, alta, bonita e jeito típico de classe média, chegou a admitir ser virgem e possuir pouca experiência sexual, mas em seu depoimento à escrivã negou a condição”, informou a publicação.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


A então titular da delegacia, Elaine Matozinhos Gonçalves, não ficou satisfeita com a versão apresentada pelos acusados.

O dono da agência ainda prometeu publicar outro anúncio no mesmo jornal retratando-se do primeiro e explicando que a virgem anunciada “não é exposta como pessoa física, mas sim como temática da novela O Dono do Mundo”.

Procurada, a Globo não se manifestou na época e o caso foi rapidamente esquecido.



Leia também