Deu trabalho: novela que resgatou carreira de veterana estreava em 1980

Whatsapp

Dercy Gonçalves, todo mundo sabe, nunca teve muito filtro, talvez por isso fosse tão querida pelo público. As entrevistas eram aguardadas para conferir a sinceridade da atriz e comediante, que nunca mediu palavras para se expressar – ou melhor, palavrões. E justamente por sua verve, digamos, autêntica, Dercy foi a vida toda vigiada pela censura e pelos guardiães da moral, da ordem pública e dos bons costumes.

Dercy Gonçalves

Por dedicar sua carreira ao teatro e a programas de televisão próprios, Dercy Gonçalves demorou para começar a atuar em novelas. E sempre que o fez, era uma temeridade para roteiristas e diretores: a atriz improvisava muito e mal seguia roteiros, acostumada que estava no teatro e em seus programas de TV.

Agora, imagine o trabalho da edição em tempos em que a TV era subjugada pela censura do Governo Militar!

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Retorno

Há 42 anos (em pleno governo do General João Figueiredo), estreou a primeira novela com Dercy: Cavalo Amarelo, de Ivani Ribeiro, produzida pela TV Bandeirantes (hoje chamada de Band). Deliciosa comédia que aproveitava o seu humor histriônico em uma personagem criada especialmente para ela, que estava afastada da telinha há algum tempo: Dulcineia, empresária de um teatro de revista, cheio de vedetes. Neste ponto, a trama tinha afinidades com a vida da artista, não que fosse baseada nela.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Dulcineia, ex-vedete de teatro rebolado, administrava a sua própria casa de shows, mas penava para pagar os alugueis atrasados do espaço. Sem papas na língua, desbocada e de modos por vezes grosseiros, a personagem falava o que vinha à cabeça, mas tinha um bom coração – apesar de sua malandragem e métodos nem sempre lícitos.

Ivani Ribeiro

Um prato cheio de possibilidades para a autora Ivani Ribeiro, que certamente acatava os cacos de Dercy com gosto. Também trabalho dobrado para os censores de Brasília. O pesquisador Cláudio Ferreira narrou em seu livro “Beijo Amordaçado – A Censura às Telenovelas Durante a Ditadura Militar”:

“Os censores (…), ao examinarem o capítulo 15, fizeram uma observação curiosa: ‘Recomendamos que seja solicitado o abrandamento dos pronunciamentos de Dulcineia que, além de fugirem constantemente do texto previsto, estão a cada dia se tornando inconvenientes para o horário a que se destinam. Informamos que a personagem é representada pela atriz Dercy Gonçalves’.

Pareceu um alerta: cuidado é Dercy Gonçalves!

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Desbocada

A fama de desbocada da comediante a perseguiu durante toda a novela. No capítulo 26, os censores retiraram as expressões ‘xiriba’ (umbigo) e ‘Lelé da cuca tá a sua progenitora!’. Argumentaram que ‘os tais termos ficam engraçados pela maneira que estão colocados e pela personagem da atriz’.

No capítulo 32, a censora Eni Martins França Borges foi mais direta ao vetar a expressão ‘porque não sai nem com bicarbonato’. Ela justificou: ‘Em se tratando por personagem interpretada por Dercy Gonçalves, tal frase tem sentido conotativo direto com ejaculação’. Quê?!

Cavalo Amarelo estreou no dia do aniversário de Dercy, 23 de junho – de 1980, quando ela completou 73 anos. A comediante faleceu em 19 de julho de 2008, aos 101 anos. Se viva fosse, Dercy estaria completando 115 anos neste dia 23 de junho.

AQUI tem tudo sobre Cavalo Amarelo: a trama, elenco completo, personagens, trilha sonora e mais curiosidades.

Whatsapp


Leia também