Confusão na estreia mudou a história do Jornal Nacional para sempre - TV História

Confusão na estreia mudou a história do Jornal Nacional para sempre

Whatsapp

Pense no Jornal Nacional com outro tema de abertura. Difícil, não é? Pouca gente sabe, mas The Fuzz, música conhecida em todo o Brasil há mais de 50 anos, se tornou o tema de abertura do noticiário global por mero acaso, poucas horas antes da estreia, em 1º de setembro de 1969. Isso porque a composição original que seria utilizada como trilha do telejornal, nunca divulgada, foi rejeitada pela cúpula da emissora.

Então diretor da emissora, José Bonifácio de Oliveira Sobrinho, o Boni, confirmou o fato em 2012, em entrevista ao Mais Você, de Ana Maria Braga.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“A abertura do Jornal Nacional apareceu no dia, escrita por um dos maestros da casa. Eu não gostei e pedi ao Antônio Faia, que era o sonoplasta da empresa, que encontrasse uma abertura desesperadamente. Tinha um vídeo e tínhamos que sincronizar com uma música”, contou Boni. “Tinha uma loja de discos em frente ao Jardim Botânico. Ele foi lá e trouxe um disco. Montamos em 30 segundos aquela abertura e ficou até hoje. Foi às pressas”, completou.

O disco continha The Fuzz, peça que foi composta pelo norte-americano Frank De Vol para o filme The Happening (no Brasil nomeado como Acontece Cada Coisa), de 1967, estrelado por Anthony Quinn e Faye Dunaway. A comédia fez pouco sucesso, mas a trilha sonora obteve destaque – a música The Happening, interpretada por The Supremes, alcançou o primeiro lugar na época.

De Vol nasceu em 20 de setembro de 1911 e morreu em 27 de outubro de 1999. Em reportagem sobre sua morte, o The New York Times de 30 de outubro de 1999 destacou que ele foi o compositor de mais de 50 trilhas sonoras de filmes.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“De Vol foi um dos mais prodigiosos compositores, arranjadores e condutores de Hollywood, conquistando reconhecimento com nomeações para cinco Oscars e cinco Emmys, entre eles uma indicação para o Brady Bunch, tema escrito para esse seriado da década de 1970. Ocasionalmente, também aparecia na tela como ator”, dizia a reportagem.

Tema foi utilizado em outros telejornais

Outra interessante curiosidade é que The Fuzz não foi utilizada apenas no noticiário brasileiro. Antes mesmo do Jornal Nacional, a KOOL-TV, de Phoenix, colocou o tema como abertura de seu telejornal, bem como a WKBW-TV, de Buffalo, e outras emissoras, inclusive do Canadá. No México, um famoso noticiário também usou a trilha.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Ao contrário de outros telejornais que já tiveram seus temas alterados, como o Jornal da Globo e o Bom Dia Brasil, a Globo nunca trocou The Fuzz por outra composição para o Jornal Nacional – e acredito que nem poderia, dada a identificação do telejornal com sua trilha sonora.

Ao longo das décadas, a música já ganhou diversas versões. Até junho, vigorava a versão de 1989, feita pelo maestro Aloísio Didier e executada na escalada (quando os apresentadores leem as manchetes), abertura e encerramento. “Houve uma mudança na harmonização, no peso, no corpo, até na grandiosidade, transformando ela em algo mais adequado à importância do jornal”, disse o maestro em entrevista ao próprio JN em 2011.

Quando o noticiário passou por uma profunda reformulação, em 2000, e passou a ser comandado diretamente da redação da emissora, chegou a ser anunciado que o tema de abertura seria alterado para uma versão mais clássica, mas, na última hora, optou-se por manter o atual.

Em ocasiões especiais, como nas posses de Luís Inácio Lula da Silva (2003) e Dilma Rousseff (2011), morte do papa João Paulo 2º (2005), a eleição do papa Francisco (2013), entre outras, o Jornal Nacional foi aberto com uma versão especial da trilha. Essa mesma composição passou a ser utilizada pelo JN como tema de abertura a partir da reformulação que estreou em 19 de junho de 2017.

Whatsapp


Leia também