Bom Dia Verônica coloca as séries policiais brasileiras em um novo patamar

Whatsapp

Perguntado se Bom Dia Verônica tinha referências em séries policiais estrangeiras de sucesso, Raphael Montes (um dos criadores e roteiristas) foi categórico: “Não é um decalque de uma série americana, ela tem a sua autenticidade.” A fala aconteceu em entrevista a Murilo Ribeiro, em seu programa Fala Muka, no Youtube.

Bom Dia Verônica coloca as séries policiais brasileiras em um novo patamar. Baseada no romance homônimo escrito por Raphael Montes e Ilana Casoy, a série “não deve nada às melhores estrangeiras” (clichê, eu sei). Não falo apenas da trama empolgante (ideal para fazer binge watching, maratonar) somada a algumas viradas na história (plot-twists), recursos já explorados por aqui.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A trama trata da investigação de um serial killer por uma policial. Mas não apenas isso, você verá ao longo dos episódios. À medida que o roteiro se desenrola, novas subtramas surgem. A costura da narrativa avança gradualmente, atinge o clímax e, ao final, nem todos os arcos se fecham, dando margem a novas temporadas.

Há ainda temas urgentes abordados, como a corrupção na polícia, violência doméstica e domínio psicológico. A produção – direção, edição, fotografia, atuação do elenco – é de primeira. O DNA nacional de Bom Dia Verônica – a autenticidade que Raphael Montes cita – está em alguns elementos com características nacionais.

Porém o autor reconhece que referências a séries de fora são inevitáveis. Questionei sobre outras atrações com serial killers (como Mindhunter e Inacreditável) e Montes citou True Detective, a islandesa Trapped (já viu? veja! tem na Netflix) e Hitchcock – especificamente na cena tensa do terceiro episódio em que Verônica (Tainá Müller) conversa com Janete (Camila Morgado) na casa dela.

E que elenco! Tainá Müller cresce ao longo dos episódios. Camila Morgado em uma das melhores interpretações de sua carreira – foi uma aposta, a produção procurava uma atriz mais jovem. Eduardo Moscovis dá medo com seu personagem. Antônio Grassi é outro ator em um grande momento. Críticas? O som é estranho nos primeiros episódios, às vezes não dá para entender o que os personagens falam, problema resolvido já antes da metade.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Bom dia Verônica

Série original Netflix
Produção Zola Filmes
Criada por Raphael Montes
Roteiro: Raphael Montes, Ilana Casoy, Gustavo Bragança, Carol Garcia e Davi Kolb
Baseada no livro de Raphael Montes e Ilana Casoy
Direção: José Henrique Fonseca, Izabel Jaguaribe e Rog Souza
Direção geral: José Henrique Fonseca
Produtores Executivos: José Henrique Fonseca, Eduardo Pop, Raphael Montes e Ilana Casoy
Direção de fotografia: Flávio Zangrandi e Rodrigo Monte
Música: Dado Villa-Lobos e Roberto Schilling
Edição: Yan Mota
Gerência de produção: Beto Bruno
Direção de arte: Marlise Storchi
Figurino: Marina Franco

SOBRE O AUTOR
Desde criança, Nilson Xavier é um fã de televisão: aos 10 anos já catalogava de forma sistemática tudo o que assistia, inclusive as novelas. Pesquisar elencos e curiosidades sobre esse universo tornou-se um hobby. Com a Internet, seus registros novelísticos migraram para a rede: no ano de 2000, lançou o site Teledramaturgia, cuja repercussão o levou a publicar, em 2007, o Almanaque da Telenovela Brasileira.

SOBRE A COLUNA
Um espaço para análise e reflexão sobre a produção dramatúrgica em nossa TV. Seja com a seriedade que o tema exige, ou com uma pitada de humor e deboche, o que também leva à reflexão.

Whatsapp


Leia também