Balanço: cenas de Marília Pêra e Marco Nanini relevaram os deslizes de Brega e Chique

Whatsapp

Quando Brega e Chique foi exibida, em 1987, não pude acompanhá-la religiosamente. Porém, me satisfazia muito o que via. Por 33 anos guardada em minha memória afetiva, sempre a considerei uma das melhores de seu tempo, com preferência pelas interpretações de Marília Pêra e Marco Nanini, como a dupla Rafaela e Montenegro.

Com o fim de sua exibição no Viva (nesta segunda-feira, 7), renovo minha opinião sobre a novela de Cassiano Gabus Mendes. O posto de Brega e Chique continua firme, mesmo com o olhar maduro, crítico e moderno descobrindo incongruências que, 33 anos atrás, talvez tenham passado despercebidas, por inexperiência, parcialidade, comodismo ou hábito.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Deslizes pontuais

Em 1987, poucas novelas faziam “merchandising social” ou levantavam questões sociais ou médicas dentro da narrativa. Muito menos uma novela das sete cuja proposta era a comédia em detrimento do drama.

Isto posto, percebemos como é questionável aos olhos de hoje o tratamento dado ao personagem Bruno (Cássio Gabus Mendes), apresentado como um tipo “débil mental engraçado”. Não é bem uma crítica, mas uma constatação. Hoje, a abordagem seria diferente, com a conscientização do problema do rapaz, em vez de ele servir de chacota pelos outros personagens, ou de ser digno de pena.

No mais, há o registro do ótimo trabalho de Cássio Gabus Mendes, formando uma dupla cômica com o também ótimo Dennis Carvalho, como Baltazar, o tio de Bruno. Uma dupla que remete a pares marcantes, como O Gordo e o Magro, Jerry Lewis e Dean Martin e Shazzan e Xerife.

Outra trama que soaria mal hoje diz respeito à facilidade com que Rosemere (Glória Menezes) dispôs a filha criança, Marcinha (Fabiana Rocha), para passear com um homem maduro, Cláudio (Raul Cortez), que pouco conhecia. Os telespectadores sabem que se tratam de pai e filha, porém, hoje, a aproximação de Cláudio e a menina talvez precisasse se dar por outros meios. Também o alcoolismo tratado como alívio cômico, impensável atualmente, com a personagem Luci (a ótima Neuza Amaral).

Desde o início da reprise, cito Silvana, vivida por Cássia Kiss, como uma personagem que pouco agregou à carreira da atriz. No início, foi apresentada como uma mulher livre, independente, dona de si. Lembro perfeitamente que não era bem assim. Com o passar do tempo, provou-se que por trás da fachada de independência, havia uma moça imatura emocionalmente. Silvana foi se esvaziando até terminar sofrendo por um cafajeste. Uma lástima.

Maurício, o cafajeste em questão – vivido por Tato Gabus Mendes -, repetia com a sogra Francine – a maravilhosa Célia Biar – uma dupla recorrente na obra de Cassiano Gabus Mendes: pessoas que se odeiam e trocam ofensas o tempo todo, como Eunice e Adélia (Beatriz Segall e Eloísa Mafalda) em Champagne (1983-1984) e Emílio e Elza (Jorge Dória e Zilda Cardoso) em Meu Bem Meu Mal (1990-1991).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Houve um momento, lá pelo meio da história, que Brega e Chique começou a dar voltas em si mesma. O autor não podia avançar a trama principal, com a ameaça de esgotá-la. As tramas paralelas não pareciam fortes o suficiente para render. Foi quando Cassiano começou a fazer uso de pequenos esquetes com a finalidade de encher linguiça. Contudo, salvo esse período, a novela teve momentos tão bons que está liberado minimizar sua barriga.

Surpreenderam positivamente

Há de se destacar o excelente trabalho de Glória Menezes como Rosemere, personagem que passou para a história ofuscada pelo brilhantismo da interpretação de Marília Pêra, com quem formava a dupla protagonista da trama. Justiça seja feita: Rosemere era um papel tão difícil quanto Rafaela e Glória o levou tão brilhantemente quanto. Claro que o apelo era menor – e houve mesmo um momento em que Rosemere ficou muito pedante e chata. Porém, percebe-se na atriz uma construção muito eficiente, ainda mais quando se conhece o seu histórico. Rosemere em nada lembra outros trabalhos de Glória.

No início da trama, parecia que Nívea Maria fazia figuração de luxo. A única informação que tínhamos era a de que sua personagem, a sonsa Zilda, era a Alfa 3. Porém, quando o ator é grande, não existe papel pequeno, não é mesmo? Nívea tornou Zilda maior do que era. E sem arroubos: a atriz foi sutil na condução de sua personagem, tanto quando pendia para o drama, quanto para a comédia.

Roubou a cena” é uma expressão que cabe perfeitamente ao casal Luci e Justino, vivido pelos experientes Neuza Amaral e Percy Aires, em grande forma, outro exemplo de dosagem perfeita entre o drama e a comédia. A frase “É imperdoável!” fez sentir saudade do tempo em que as novelas tinham bordões que caíam na boca do público.

Não foi a primeira vez que vimos Raul Cortez em um papel que não lhe exigia muito, mas que o ator soube fazer bom uso nos momentos certos – como o Quim de Baila Comigo. Nem a primeira vez que Raul mostrou um preciso timing para comédia sem tirar o brilho de quem contracenava com ele – como Carlito Madureira de Jogo da Vida e Virgílio Assunção de Mulheres de Areia (sim, classifico Virgílio como um vilão cômico).

Outro nome que quero destacar é o de Suzy Camacho, como a interesseira Rosinha, seu único papel na Globo. A segurança da atriz em cena era um diferencial. Uma pena para nós, telemaníacos, que tenha abandonado a carreira.

A direção-geral de Jorge Fernando, ainda criativa e cheia de energia, proporcionou detalhes originais que ajudaram a dar identidade à novela, como o sobe-desce dos atores com a câmera estática e as passagens criativas de cena, seja com elementos comuns entre uma sequência e outra (como no primeiro e último capítulos), ou com o wipe, a “varredura” de tela.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Outro recurso muito bacana foi o “espelho espião“, a exibição de dois cenários em um só em que a câmera focalizava o ator em primeiro plano e atrás dele havia um espelho que refletia outro ator no cenário à frente, sempre com um jogo de luzes, em que o ator refletido só era iluminado quando começava a falar – recurso usado nas cenas em que dois atores conversavam ao telefone, por exemplo.

Há de se destacar ainda a trilha sonora, bem pontuada, inclusive a internacional, com temas próprios de personagens respeitados. Um contraponto à reprise anterior, de Selva de Pedra (da mesma época de Brega e Chique), em que apenas 3 ou 4 músicas da trilha internacional foram tocadas.

Passados 33 anos, corroboro a máxima de que Marília Pêra e Marco Nanini – comparando papadas ou aspirando a gravata – fizeram valer a pena cada cena de Brega e Chique, fazendo relevar qualquer deslize da trama ou a inexperiência de atores estreantes – Paula Lavigne (Wânia), Kaká Barrete (Amauri) e Valéria Keller (Roseli). Com a revisão da novela no Viva, concluo que Brega e Chique continua em seu posto, entre as melhores da década de 1980.

AQUI tem tudo sobre Brega e Chique, trama, elenco completo, personagens, trilha sonora e curiosidades.

SOBRE O AUTOR
Desde criança, Nilson Xavier é um fã de televisão: aos 10 anos já catalogava de forma sistemática tudo o que assistia, inclusive as novelas. Pesquisar elencos e curiosidades sobre esse universo tornou-se um hobby. Com a Internet, seus registros novelísticos migraram para a rede: no ano de 2000, lançou o site Teledramaturgia, cuja repercussão o levou a publicar, em 2007, o Almanaque da Telenovela Brasileira.

SOBRE A COLUNA
Um espaço para análise e reflexão sobre a produção dramatúrgica em nossa TV. Seja com a seriedade que o tema exige, ou com uma pitada de humor e deboche, o que também leva à reflexão.



Leia também