Atriz saiu da Globo para não repetir papel de lésbica: “Não me interessa”

Whatsapp

Paula Picarelli ganhou notoriedade quando viveu Rafaela, par romântico de Clara (Alinne Moraes) em Mulheres Apaixonadas (2003). Só que um convite para outra produção da Globo acabou frustrando a atriz, que tomou a decisão de romper com a casa e seguir outros caminhos.

Mulheres Apaixonadas

Nascida em São Paulo, em 12 de junho de 1978, Paula formou-se em Artes Cênicas pela USP. A estreia na TV se deu com uma breve participação em O Cravo e a Rosa (2000). Logo depois, ela emplacou uma personagem fixa na terceira temporada de Sandy e Junior (2001).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A popularidade com a novela das oito

Mulheres Apaixonadas

Leia mais

O papel de namorado do cantor não foi tão emblemático quanto o de Rafaela, que mantinha um romance com Clara em Mulheres Apaixonadas. O relacionamento causava comentários na Escola Ribeiro Alves – especialmente da maldosa Paulinha (Roberta Gualda). No último capítulo do folhetim de Manoel Carlos, Rafaela e Clara trocaram um discreto beijo durante uma encenação de Romeu e Julieta.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Sobre a personagem, Paula contou em entrevista ao jornalista Gabriel Perline, do portal Notícias da TV (20/06/2018), que, com apenas 25 anos, precisou lidar com o assédio e a curiosidade em torno de sua vida pessoal.

“A experiência na novela foi muito difícil para mim, eu fui muito exposta e eu não tinha certeza do que (eu queria). Não sabia o que ia acontecer, como eu seria exposta, como a minha vida iria mudar, como eu deveria reagir diante dessa nova realidade. Eu não tinha instrumentos para lidar com o que estava acontecendo comigo naquele momento”, relatou Picarelli.

“Depois da novela, preferi voltar para o teatro, até para entender toda a experiência que eu tinha vivido, e como seriam os meus passos como artista a partir de então”, complementou.

Longe da Globo e dos folhetins

Paula Picarelli

Por conta de seu desempenho na trama das oito, Paula Picarelli recebeu convite para atuar em outra produção. Ela, no entanto, preferiu sair da Globo. É que o papel oferecido era o de uma menina masculinizada, o que fez com que a atriz se sentisse desconfortável:

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“Eu lembro que na época tinha surgido a possibilidade de eu fazer uma personagem numa novela das 19h, que era uma menina meio masculina. Daí eu falei: ‘Talvez eu já esteja dentro de alguma caixinha na emissora e não me interessa seguir por esse caminho’. Então, eu também procurei outras coisas”.

Fora da Globo, a artista seguiu novos caminhos. Paula foi apresentadora do programa Entrelinhas, da TV Cultura, entre 2005 e 2012. Ela também atuou em documentários e peças de teatro.

Em 2008, Picarelli fez a série 9mm: São Paulo, pela Fox Brasil. Em seguida, a atriz viveu a promotora Taís, de Psi (2014), produção da HBO Brasil indicada ao Emmy Internacional de melhor série dramática.

Experiência traumática relatada em livro

Paula Picarelli e sua filha

Paula Picarelli também escreveu um livro, Seita – O dia que entrei para um culto religioso, da Editora Planeta, onde relatou sua traumática experiência em uma seita que envolvia o consumo de ayahuasca, um chá que altera a consciência da pessoa.

Ela esperava exorcizar tal passagem ao publicar o livro, que mescla ficção e realidade. Não foi bem isso o que aconteceu…

“Ainda está tudo em mim de algum jeito. Tenho lido a obra de uma psicóloga norte-americana que fala especificamente de traumas religiosos. Ela diz que as pessoas que passam por isso têm um quadro parecido com a síndrome do estresse pós-traumático. Acho que é por aí mesmo”, lamentou, em entrevista à Patrícia Kogut, do jornal O Globo.

Recentemente, a atriz pôde ser vista na série infantil Escola de Gênios (2018), transmitido pelo canal infantil Gloob, do Grupo Globo. Ela interpretou a malvada Marie, uma especialista em Física Moderna.

Paula Picarelli tem 44 anos, é casada e mãe de uma menina, Sofia.

Whatsapp


Leia também