Ator que nos deixou cedo ganhou processo contra emissora tarde demais

Whatsapp

Caio Junqueira nasceu no Rio de Janeiro, no dia 15 de novembro de 1976. Ele era filho do ator e diretor Fábio Junqueira (1956-2008), e meio irmão do ator Jonas Torres. Sua estreia na TV aconteceu em 1985, aos oito anos, na série Tamanho Família, da Rede Manchete.

Caio Junqueira

No ano seguinte, foi para a Globo, onde atuou ao lado do irmão na série Armação Ilimitada. A partir de então, Caio nunca mais parou, criando uma sólida carreira na televisão, no teatro e no cinema.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Na emissora carioca, esteve em Desejo (1990), Barriga de Aluguel (1990), A Viagem (1994), Engraçadinha (1995), Malhação (1998), Chiquinha Gonzaga (1999) e O Quinto dos Infernos (2002).

Leia mais

Desejo

Já na Record, participou do remake de Escrava Isaura (2004). Retornou para a Globo e atuou nas produções Paraíso Tropical (2007) e Desejo Proibido (2007).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Sucesso em Tropa de Elite e protagonista em novelas

Caio Junqueira em Tropa de Elite

Em 2007, Caio Junqueira integrou o elenco do filme Tropa de Elite. O longa dirigido por José Padilha tornou-se uma das maiores bilheterias daquele ano, vencedor de inúmeros prêmios.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O ator interpretou o aspirante Neto, um jovem que ingressa na PM e, após conhecer o Capitão Nascimento (Wagner Moura), decide entrar no BOPE. Graças ao seu temperamento impulsivo, passa a ser um dos favoritos para ocupar o lugar de Nascimento, porém acaba morto numa emboscada, antes de assumir o posto.

Caio Junqueira e Wagner Moura em Tropa de Elite

Com este papel, o artista ganhou notoriedade no cenário artístico e foi contratado para fazer parte do elenco fixo da Record, que naquele período estava reativando seu núcleo de dramaturgia, apostando em tramas para competir com a Globo.

Nesta fase, seus trabalhos na emissora foram a série A Lei e o Crime (2009), Ribeirão do Tempo (2010), na qual viveu seu primeiro e único protagonista em novelas, o detetive Joca, e, posteriormente, as produções bíblicas José do Egito (2013) e Milagres de Jesus (2015). Seu último trabalho artístico foi na série O Mecanismo, na Netflix, em 2018.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Trágico acidente

Caio Junqueira Acidente

Caio Junqueira faleceu em 23 de janeiro de 2019 após um trágico acidente. O carro que dirigia perdeu o controle, subindo no meio-fio e batendo violentamente contra uma árvore.

O ator ficou preso no veículo, desacordado, e chegou a ser internado no hospital Miguel Couto, onde passou por algumas cirurgias. Ele havia sofrido um trauma no tórax e tinha perdido muito sangue. Colegas de trabalho iniciaram uma campanha nas redes sociais para pedir doação de sangue para sua recuperação.

Na época do ocorrido, a mãe do ator, Maria Inês Torres, declarou ao portal G1 que o filho, mesmo sedado, chegou a abrir os olhos e tentou se levantar da cama.

“Isso mostra que ele está querendo lutar pela vida”, disse a mãe do artista.

Caio Junqueira Sepultamento

No entanto, cerca de uma semana depois do acidente, o ator não resistiu e morreu aos 42 anos.

Processo trabalhista contra a Record

Jonas Torres

Mais de dois anos após seu falecimento, Caio Junqueira venceu um processo trabalhista movido contra a Record no ano de 2017, no qual buscava o reconhecimento de vínculo empregatício. Sua relação de trabalho com o canal foi de 1º de agosto de 2008 a 31 de agosto de 2016.

Ele havia sido informado, na época, que a emissora não iria assinar sua carteira de trabalho e que seu salário seria pago por meio de notas fiscais. Com a morte do ator, sua mãe assumiu a representação do filho na ação, contudo ela também morreu, em novembro de 2019.

Dessa forma, foi Jonas Torres, o irmão, quem assumiu a causa como sucessor de Caio. Na primeira instância, a Record venceu o processo, alegando que a contratação do artista havia sido feita através de sua empresa, a Fuampa Filmes.

A defesa de Caio, no entanto, recorreu e venceu. O julgamento foi concluído em 25 de maio de 2021 e o valor da causa é de R$ 60 mil.

Whatsapp


Leia também