Após polêmica com Alexandre Garcia, TSE esclarece apoio à movimento - TV História

Após polêmica com Alexandre Garcia, TSE esclarece apoio à movimento

Whatsapp

A participação de Alexandre Garcia, da CNN Brasil e do Canal Rural, no movimento #EuVotoSemFake, anunciada no Twitter no último dia 22, gerou muito debate nas redes sociais. Enquanto alguns apoiavam a presença do jornalista, outros criticavam a adesão.

O fato levou o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) a esclarecer que qualquer pessoa pode apoiar a iniciativa, que visa estimular um ambiente mais saudável de debates nas redes sociais.

O objetivo do projeto é que entidades e personalidades estimulem outras pessoas de seu círculo a aderirem para promover um debate eleitoral livre de informações falsas e inspirar o eleitorado brasileiro a votar com consciência.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


Nesse sentido, o movimento busca angariar a participação de figuras públicas e influenciadores de múltiplos perfis, com seguidores associados a diversas linhas de pensamento.

De acordo com a nota do TSE, “qualquer pessoa pode ser “embaixadora” do movimento #EuVotoSemFake, bastando para isso postar uma mensagem em suas redes sociais em defesa da votação livre de informações falsas e inserir a hashtag #EuVotoSemFake. Nenhum dos aderentes receberá qualquer quantia do Tribunal Superior Eleitoral, que não assumiu nenhum custo com publicidade do movimento” – e foi exatamente isso que Alexandre Garcia fez.

“Dezenas de entidades e órgãos públicos de todo o país e personalidades, com alcance e engajamento nas redes, já aderiram – entre eles STF, TST, STJ, CNJ, CNBB, Conic, MCCE, Politize, Pacto pela Democracia, representações regionais do Ministério Público e associações. Entre as personalidades, estão o divulgador científico Atila Iamarino, Astrid Fontenelle, Marina Silva e Alexandre Garcia”, completou o comunicado.



Leia também