Após início promissor, novela terminava em 2015 com saldo negativo - TV História

Após início promissor, novela terminava em 2015 com saldo negativo

Whatsapp

Foram praticamente oito meses no ar. Após uma promissora e movimentada estreia, Boogie Oogie chegava ao fim há exatamente seis anos, no dia 6 de março de 2015, com um saldo para lá de negativo. A trama de Rui Vilhena – autor português (nascido em Moçambique) que estreou seu primeiro folhetim no Brasil -, dirigida por Ricardo Waddington e Gustavo Fernandez, não teve fôlego para se sustentar por tanto tempo e foi se perdendo à medida que os capítulos passavam.

Os primeiros meses empolgaram. Apesar de alguns absurdos – como a vingança fajuta de Suzana (Alessandra Negrini), que só contou que havia trocado os bebês vinte anos depois -, a novela despertou interesse pelo ritmo ágil e bons ganchos. O enredo em torno de Sandra (Isis Valverde) e Vitória (Bianca Bin), que tiveram suas vidas trocadas na maternidade, conduziu muito bem o início do folhetim. Os conflitos funcionavam e movimentavam a história. A grande virada aconteceu quando as duas protagonistas descobriram o crime da amante de Fernando (Marco Ricca), o que resultou em ótimas cenas.

Entretanto, depois desta revelação, o autor passou a explorar dois temas, que dominaram todos os núcleos: o segredo de Carlota (Giulia Gam) e a identidade do pai de Vitória. Inicialmente, o mistério envolvendo o passado da vilã e o drama da patricinha atraíram a atenção. Mas não por muito tempo. A novela começou a andar em círculos, ficando repetitiva e desgastada.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


Problemas no roteiro

Os problemas no roteiro ficaram evidentes, principalmente quando ficou claro que não havia mais subterfúgios para provocar algum tipo de movimentação na trama. Tudo passou a girar em torno de um mesmo assunto.

O famigerado segredo virou o protagonista de Boogie Oogie e os personagens passaram a viver em função deste enigma. O fato apenas reforçou a falta de conflitos individuais nos núcleos, incluindo até mesmo o casal protagonista – já que Sandra e Rafael (Marco Pigossi) ficaram sem função a partir da metade da história, sendo colocados também para investigar o mistério de Carlota. Se o autor tivesse construído boas tramas paralelas, daria tranquilamente para fazer um rodízio de conflitos, destacando cada núcleo e deixando somente para o grande final a abordagem do segredo, evitando assim o desgaste em cima da grande vilã.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Mas, além de toda esta cansativa situação, o conflito em torno do verdadeiro pai de Vitória (outro tema explorado à exaustão) se transformou em algo teoricamente inútil. Depois de meses de enrolação, foi, praticamente, comprovado que Paulo (Caco Ciocler) era o verdadeiro progenitor da patricinha e não Elísio (Daniel Dantas). No entanto, no último mês foi revelado que o marido de Diana (Maria João Bastos) era estéril. Ou seja, os dramas provenientes do resultado do exame, que demorou meses para ser feito, foram nulos.

Outro problema da história foi o não desenvolvimento de várias relações. Vicente (Francisco Cuoco) e Madalena (Betty Faria) tinham tudo para repetir o sucesso do casal de Pecado Capital, mas o autor escreveu pouquíssimas cenas dos dois juntos. Eles mal contracenaram e ainda terminaram separados. Já a relação de cumplicidade entre Beto (Rodrigo Simas) e Vitória era um dos pontos altos do folhetim, mas a parceria foi aniquilada quando o rapaz se transformou em um capacho da Carlota. A dupla que a patricinha fazia com Dani (Alice Wegmann) funcionava da mesma forma, só que também durou pouco.

E o amor súbito que surgiu entre Inês (ótima Deborah Secco) e Tadeu (Fabrício Boliveira), depois do relacionamento insosso da aeromoça com Beto não ter funcionado, pareceu uma saída de última hora para a personagem, que nunca teve uma função na trama, a não ser ajudar nos planos de Suzana. Mais uma questão que precisa ser citada foi a falta de história do mocinho. Rafael não teve uma vida própria, uma vez que seus dramas se resumiam em ir atrás de Sandra — tanto para ajudá-la quanto para impedi-la de tomar alguma atitude.

Vale citar ainda a falta de destaque de ótimas atrizes, como Ana Rosa, Zezé Motta e Christiana Guinle (retirada da história sem necessidade), que não foram valorizadas como mereciam, e a figuração da boate ‘Boogie Oogie’, que era para ser um dos focos principais da história.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


Pontos positivos

Mas, a novela também teve pontos positivos. Marco Ricca se destacou na pele do canalha Fernando, enquanto Sandra e Rafael formaram um casal protagonista com boa química. Fabíula Nascimento brilhou vivendo sua primeira vilã, a venenosa Cristina, e fez boas cenas. Bianca Bin esteve em seu melhor momento na carreira. Daniel Dantas convenceu interpretando o rígido Elísio e foi bom vê-lo com um tipo que não era bonzinho demais. Foi muito prazeroso assistir Heloísa Périssé dando vida a um tipo totalmente dramático e passivo, bem diferente dos perfis cômicos que a consagraram. Giovanna Rispoli comprovou seu talento com a irônica Cláudia e Osvaldo Mil conseguiu crescer na trama através do seu malandro Homero. Rodrigo Simas se saiu bem com o seu Beto. Giulia Gam também merece elogios, embora Carlota tenha se transformado em uma vilã exagerada demais.

E a maior qualidade do folhetim foi sua trilha sonora: o saudosismo se fez presente com tantas músicas de sucesso dos anos 70 – é de se lamentar, apenas, que a década não tenha sido explorada em função do enredo: Ditadura, Emancipação Feminina, Anistia e outros acontecimentos foram ignorados.

Em sua última semana, como não poderia deixar de ser, a novela seguiu voltada para o segredo de Carlota e a revelação do atropelador que eliminava quem estava próximo da descoberta do tal enigma. Mas também houve o esperado julgamento de Suzana, acusada da troca de bebês, entre outros crimes. A picareta foi condenada em regime aberto e terminou ao lado de Fernando, homem que teve a vida arruinada por ela.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Já o misterioso passado da vilã foi cheio de furos, além de óbvio: Carlota ficou com as joias verdadeiras que o falecido marido tinha roubado de Carmem Miranda e deixou joias falsas no lugar. O ‘tesouro’ estava escondido no túmulo de Ivan e foi tirado de lá com a maior facilidade (bastou quebrar a tampa da cova e puxar o saco). O pior que é Agata (o Corvo), a grande diaba da história, ficou com bijuterias por anos e nunca percebeu. Aliás, a ‘Corva’ era a atropeladora (o que já estava bem evidente), mas ninguém soube. E o que aconteceu com ela? O público também ficou sem resposta.

Pedro (José Loreto inexpressivo) foi um vilão extremamente cansativo e ficou vidrado em Sandra o tempo todo. Ele a sequestrou no último capítulo, porém, não conseguiu fugir. O acerto do desfecho foi a cena em que Vitória salva Sandra, deixando a rivalidade de lado e mostrando que no fundo sempre foi uma pessoa boa. A patricinha, aliás, terminou flertando com Beto, situação que o autor poderia ter desenvolvido bem antes, ao invés de deixá-la atrás do Rafael feito sombra. Na sequência final teve o elenco dançando na boate, que deveria ter sido o principal cenário do folhetim e não foi.

Boogie Oogie tinha tudo para ter sido uma ótima novela; entretanto, a falta de consistência da trama, o equívoco no desenvolvimento dos núcleos e a enrolação em torno de um segredo (que na verdade era uma grande obviedade) prejudicaram a obra de Rui Vilhena, que – além de desprezada pela crítica – amargou a pior média geral do horário das seis na ocasião. O início da trama ambientada na década de 70 foi promissor, mas o enredo, lamentavelmente, não se sustentou.



Leia também