Aniversariante do dia, Flávia Alessandra teve seus melhores papeis com Walcyr Carrasco - TV História

Aniversariante do dia, Flávia Alessandra teve seus melhores papeis com Walcyr Carrasco

Whatsapp

Nesta segunda (7), Flávia Alessandra comemora 47 anos. Ela estreou na televisão em Top Model (1989), graças ao concurso de novas atrizes que o Domingão do Faustão promoveu na época, onde Adriana Esteves também foi revelada.

Desde então, participou de várias novelas, como História de Amor, A Indomada, Meu Bem Querer, Porto dos Milagres e O Beijo do Vampiro, entre outras.

Porém, foi graças a Walcyr Carrasco que Flávia Alessandra se firmou de vez na carreira, mostrando a ótima atriz que é. O autor iniciou uma bem-sucedida parceria com a intérprete em Alma Gêmea, a presenteando com seu melhor papel (a diabólica Cristina), e depois foram outros sucessos como Caras & Bocas, Morde & Assopra e Êta Mundo Bom!.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A recente reprise do Vale a Pena Ver de Novo provou que a parceria dessa dupla sempre funcionou. A atriz ganhou a ambiciosa Sandra, a grande vilã do fenômeno das seis. A personagem tinha algumas semelhanças evidentes com Cristina, como os cabelos e o estilo elegante de se vestir.

O objetivo do autor foi esse mesmo, pois a novela que marcou seu retorno ao horário que o consagrou teve todos os elementos já usados por ele nos seus outros folhetins das 18 horas. Entretanto, houve também diferenças claras entre os perfis. A víbora de Alma Gêmea era impulsiva e ficava vulnerável sem a mãe do lado planejando seus próximos passos, além do completo descontrole emocional ter sido sua maior característica.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Sandra era uma mulher fria e calculista. Mais contida, se comparada com a sua semelhante, e idealizadora de tudo o que fazia. Não precisava de uma mãe para lhe dar ordens. Tinha o poder da manipulação e só estava preocupada com o dinheiro, ao contrário de Cristina, que tinha uma obsessão pelo mocinho. Flávia Alessandra brilhou desde a estreia, conseguindo explorar com talento as similaridades e as diferenças que uniam e separavam sua segunda grande vilã da primeira.

A personagem, inicialmente, mais planejava do que agia e sua verdadeira face só era observada diante do amante Ernesto (Eriberto Leão) e do irmão Celso (Rainer Cadete). A interesseira só tirou a máscara de vez quando deu o golpe em Anastácia (Eliane Giardini), sua tia.

E foi a partir do êxito do plano tramado contra a sua tia que Sandra começou a ter ainda mais destaque na novela, valorizando o talento da intérprete. Inicialmente, Flávia adotou um tom mais moderado, deixando sua vilã com um ar sonso e representando uma certa passividade. Já quando Sandra se tornou milionária, expulsando todos da mansão, a atriz passou a adotar uma postura altiva, lembrando as bruxas dos contos de fadas, onde a expressão de malvada se sobressaía o tempo todo. Aliás, sua melhor cena foi o momento em que a sobrinha recalcada se revelou para tia, expondo tudo o que sempre tentou esconder, incluindo boas doses de deboche.

A vilã foi um dos muitos perfis bem construídos de Êta Mundo Bom! e o desempenho de Flávia mereceu o reconhecimento. Suas cenas com Eliane Giardini, Rainer Cadete, Eriberto Leão e Flávio Tolezani eram sempre bem defendidas pela atriz, sendo necessário ainda ressaltar os ótimos embates protagonizados por Sandra e Maria (Bianca Bin). A atriz precisava de um papel como esse, após duas figurações de luxo em sequência. Seu talento não foi valorizado em Salve Jorge (2012) e Além do Horizonte (2013), onde interpretou personagens esquecíveis e sem importância. Coincidentemente, as duas novelas representaram a interrupção de sua parceria com Walcyr.

Além da já citada Cristina, seu melhor papel, o autor deu para Flávia excelentes perfis em Caras & Bocas (2009) e Morde & Assopra (2011), os dois folhetins anteriores aos mencionados. Em um, a atriz interpretou a mocinha Dafne, se destacando ao lado de Isabelle Drummond (que vivia sua filha Bianca), e no outro a atriz interpretou a Naomi humana e a Naomi robô.

Neste caso, aliás, foi um pedido da própria intérprete, aceito pelo escritor. O desafio de viver um androide era bem complicado, até porque a chance de cair no ridículo era alta. Mas Flávia conseguiu defender as duas personagens com competência, virando um dos destaques da trama das sete. A situação era uma espécie ‘rivalidade entre gêmeas’, um clássico folhetinesco, embora com uma situação bem incomum. O sucesso foi tanto que até hoje a sequência da robô se revelando durante um julgamento é lembrada e virou meme.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Após dois anos de hiato, Flávia voltou aos folhetins na fracassada e problemática O Sétimo Guardião, de Aguinaldo Silva, em 2018. Novamente não deu sorte longe de Walcyr. Rita era uma personagem avulsa e sem enredo. Tanto que acabou desligada da trama quando novas mudanças para reerguer a audiência (sem êxito) foram iniciadas.

No ano passado, ao menos, parecia que a intérprete tinha recebido um bom papel em Salve-se Quem Puder. Flávia estava muito bem como Helena, mãe da mocinha Luna (Juliana Paiva), na trama de Daniel Ortiz e tinha, até então, um bom destaque. Mas veio a pandemia e as gravações foram interrompidas. O folhetim retornou recentemente e está entrando em sua reta final.

A verdade é que nenhum outro autor sabe valorizar mais Flávia Alessandra do que Walcyr Carrasco. Êta Mundo Bom! marcou o retorno da parceria da atriz com autor e amigo pessoal, que honrou seu talento mais uma vez. Sandra foi uma vilã que fez jus ao posto na história das seis e a intérprete voltou aos bons tempos. Foi um prazer rever seu desempenho nas tardes da Globo. Feliz aniversário!



Leia também