Afastamento de galã em novela que estreava há 32 anos comoveu o Brasil - TV História

Afastamento de galã em novela que estreava há 32 anos comoveu o Brasil

Whatsapp

Há exatamente 32 anos, em 21 de novembro de 1988, a Globo estreava Vida Nova, de Benedito Ruy Barbosa. Apesar de ter feito uma brilhante reconstituição da São Paulo dos anos 1940, a trama não despertou grande interesse do público e ainda contou com um fato triste em sua trajetória.

Foi a última novela de Lauro Corona, que se afastou da produção em fevereiro de 1989 para se tratar das complicações decorrentes do vírus da Aids.

O caso comoveu o Brasil, ainda mais depois da bela cena de despedida do personagem, o português Manoel Vitor. Ele partiu de volta para sua terra-natal, em um carro escuro, em noite de chuva e declamou, em off, um poema de Fernando Pessoa.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


De acordo com reportagens da época, o ator se isolou em uma chácara em Ribeirão Preto (SP) e havia a expectativa de que ele pudesse retornar às gravações na reta final.

Mas isso não ocorreu. Corona viria a morrer um mês e meio após o final da novela, em 20 de julho de 1989, aos 32 anos.

Para suprir a falta do personagem, Benedito resolveu matar o judeu Samuel, vivido por José Lewgoy, “para criar um impacto maior na história”, segundo o autor.

Além de Corona e Lewgoy, também integraram o elenco Yoná Magalhães, Carlos Zara, Osmar Prado, Nívea Maria, Deborah Evelyn, Paulo José, Giuseppe Oristânio e Patrícia Pillar, entre outros.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


De acordo com o especialista Ismael Fernandes no livro Memória da Telenovela Brasileira, a novela não pegou porque “faltava um filão central, um fio condutor que despertasse o interesse geral”.

A trama, que foi a última de Benedito Ruy Barbosa antes do sucesso de Pantanal, na Manchete, nunca foi reprisada.



Leia também