9 tradições das novelas que você não vê nas tramas de hoje em dia

Quem vê as novelas do VIVA e vê as que estão em exibição nas emissoras de TV aberta nota grandes diferenças na estrutura do capítulo, nas vinhetas e até no aproveitamento da trilha sonora. Eis 9 mudanças pelas quais passaram nossos folhetins, dos primórdios até os dias de hoje!

O “gancho” do capítulo anterior sempre abria o capítulo seguinte. Logo depois, a abertura, o intervalo, a vinheta de numeração e só então as cenas do dia. No final da década de 80, a Globo abriu mão do número, mas manteve a estrutura – vide Tieta.

via GIPHY

Os “A” eram utilizados quando um capítulo muito grande precisava ser dividido em dois…

via GIPHY

E no final de cada “episódio”…

via GIPHY

Aliás, as cenas do próximo capítulo – que foi “próximos capítulos” até o início dos anos 80 – servia para divulgar a trilha sonora. Que obedecia critérios mais rigorosos: de início, as nacionais; lá pela metade, as internacionais. Nos intervalos, clipes e mais clipes promoviam a vendas dos LPs. Que saudade!

via GIPHY

Esse “modelo” que explorava muitíssimo bem as trilhas sonoras chegou até a “guardar” temas para ocasiões especiais. Como ‘De Volta Pro Aconchego’, com Elba Ramalho, que só tocou em Roque Santeiro quando o Roque (José Wilker) desembarcou em Asa Branca…

via GIPHY

Tempo de uma novela passar a bola para outra? Tempo de “a seguir, cenas da próxima novela”…

via GIPHY

Logo após os créditos, aquele aviso importante, utilizado desde O Cafona (1971), justamente para aplacar o falatório acerca dos personagens de ficção que remetiam a figuras da “vida real”…

via GIPHY

E o “Entretenimento Globo” de hoje já foi “Sistema Globo de Novelas”…

via GIPHY

. e uma “realização” da “Central Globo de Produção”!

via GIPHY




Deixe sua opinião


Leia também