Bissexualidade, bom humor e mais: 5 fatos da vida e da carreira de Sérgio Mamberti

Whatsapp

O Brasil perdeu o talento de Sérgio Mamberti na madrugada desta sexta (3). O ator morreu aos 82 anos, em São Paulo (SP), vítima de falência múltipla de órgãos, após passar por diversos problemas de saúde.

Confira cinco fatos marcantes de sua vida e carreira:

Viagem de ácido

Mesmo sendo muito ligado ao teatro, Mamberti chegou a pensar que o gênero estava morto, no início dos anos 1970. Durante a apresentação de A Última Peça, de José Vicente, ele descobriu que estava errado, como contou ao jornal O Globo de 28 de janeiro de 2000.

Leia mais

“As sessões eram uma loucura, porque sempre subíamos no palco depois de tomar um ácido. Nesse dia, eu entrei em cena, falei algumas palavras sobre a morte do teatro e parei subitamente de fazer a peça”, lembrou. O ator disse que só voltou a si quando um dos atores desenrolou um pano em que estava escrita a palavra “teatro”. “Foi a reconciliação”, completou.

Destaque em Vale Tudo

Um dos personagens de maior destaque da carreira de Sérgio Mamberti foi o mordomo Eugênio, de Vale Tudo (1988). Em entrevista ao jornal O Globo de 28 de agosto daquele ano, o ator disse que foi convidado por Gilberto Braga para o papel e que viver um “serviçal afetado”, como citou a reportagem, não era problema. “Só tenho pudores com maus papeis”, observou.

Personagens com bom humor

Apesar de ter atuado em todos os gêneros, Mamberti tinha carinho especial pela comédia, sempre dando um jeito de levar seus personagens para o lado do riso. “Já fiz personagens extremamente comoventes e dramáticos, mas neles sempre coloquei uma ponta de humor, que faz parte do povo brasileiro. Até uma tragédia de Shakespeare dá para ser levada com uma ponta de ironia. Nos meus trabalhos de colagem sempre existe um certo humor”, contou ao jornal O Globo.

Dinastia Mamberti

Além de Sérgio, a família Mamberti tem inúmeros representantes na televisão brasileira. Seu irmão, Cláudio, teve grande destaque no teatro e participou de novelas como A Viagem, onde viveu Geraldão; ele morreu em 2001. Junto com a atriz Vivian Mahr, com quem foi casado entre 1964 e 1980, Sérgio teve três filhos: Duda (com ele na foto), Carlos e Fabrício. Duda participou de diversas novelas, como Torre de Babel e Haja Coração, enquanto Fabrício é diretor de programas da Globo há anos.

Bissexualidade

Em sua biografia, “Senhor do Meu Tempo”, lançada neste ano, Mamberti deu detalhes de sua vida privada, abordando fatos como a perda da primeira mulher, Vivian, que morreu aos 37 anos, e falando abertamente sobre sua bissexualidade.

Na primeira metade da década de 1980, após a perda da esposa, o ator conheceu Ednardo Torquato (com ele na foto), com quem viveu uma relação de 37 anos – eles foram morar juntos em 1985 e ficaram unidos até a morte do companheiro, em 2019.

“Ed, meu companheiro querido, nos deixou muito cedo. Pela segunda vez, tive de experimentar a mesma ausência sofrida com a partida de Vivian, em 1980. Sei que nunca vou me recuperar dessas duas perdas, mas a vida exige coragem e esperança para seguir em frente”, disse no livro.

Ele também falou sobre sua bissexualidade ao site Notícias do TV. “São encontros. Eu prefiro chamar de encontros, não importa qual é o gênero”, declarou, em julho desse ano. Com o parceiro, Mamberti adotou Daniele, sua única filha mulher.



Leia também