4 novelas descartadas que provavelmente você nunca vai ver na tela da Globo

Whatsapp

Ano após ano, várias projetos de novelas são submetidos ao núcleo de teledramaturgia da Rede Globo. Enquanto algumas dessas tramas são aprovadas e produzidas, outras são simplesmente rejeitadas e descartadas.

Por isso, hoje vamos conhecer quatro novelas que foram recusadas pela Globo e provavelmente nunca serão produzidas.

Confira:

Escândalo

Leia mais

Em 1998, o autor Miguel Falabella estava escrevendo uma novela chamada Escândalo, que misturava jornalismo e política. De acordo com o autor, a trama teria um jornal decadente, que estaria cheio de dívidas. Precisando de um escândalo para sobreviver, eles arrumariam uma mocinha para acabar com a vida dela e noticiar no impresso.

Sem maiores explicações, a Globo elegeu a regionalista Meu Bem Querer, de Ricardo Linhares, para substituir Corpo Dourado, de Antônio Calmon. Alguns elementos de Escândalo foram reaproveitados em A Lua Me disse, obra que o autor levou ao ar em 2005.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O Descobridor dos Sete Mares

A autora Márcia Prates (foto acima) iria escrever a substituta do remake de Ti-Ti-Ti no horário das 19 horas da Rede Globo. Ela entregou a sinopse de O Descobridor dos Sete Mares, que seria toda ambientada em um navio. Os altos custos que a produção teria foi um dos motivos que a fizeram ser cancelada.

O outro motivo é que o autor João Emanuel Carneiro estava cotado para ser o supervisor da novela, porém já estava ocupado demais preparando o que viria a ser o mega sucesso Avenida Brasil. O Descobridor dos Sete Mares acabou sendo substituída por Morde e Assopra, de Walcyr Carrasco.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Trem Bom

Prevista inicialmente para estrear em janeiro de 2016, na faixa das seis, a novela Trem Bom foi definitivamente cancelada pela TV Globo. A direção de teledramaturgia da emissora reprovou os primeiros capítulos apresentados pelo estreante Maurício Gyboski. A trama, sobre uma dupla de música sertaneja, já tinha perdido a vez na fila das novelas do horário para Êta Mundo Bom, de Walcyr Carrasco.

A produção, que já tinha até diretor (Jayme Monjardim), se passaria em uma cidade fictícia do interior de São Paulo. Teria duas famílias rivais: uma dona de uma gravadora e outra, com dois talentos do sertanejo, os irmãos Cairo e Argel. Cairo, um habilidoso peão de boiadeiro, trabalharia para o vilão da história, Juca Jobim.

Astros da música, como Luan Santana e Michel Teló, foram cogitados para serem os protagonistas.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Anos Modernos

Ainda em 2016, a novela que substituiria Sol Nascente, de Walther Negrão, seria uma trama de Claudia Lage (foto), coautora de Lado a Lado, chamada Anos Modernos. No entanto, a sinopse de Claudia, sobre uma médica sufragista nos anos 1920, foi reprovada pela direção de teledramaturgia da Globo.

No lugar de Anos Modernos, a Globo escalou Novo Mundo, que foi reprisada no ano passado e agora tem uma continuação no ar, Nos Tempos do Imperador.



Leia também