22 anos sem TV Manchete: relembre 10 programas que deixaram saudade - TV História

22 anos sem TV Manchete: relembre 10 programas que deixaram saudade

Whatsapp

Há 22 anos, a TV Manchete encerrava suas transmissões. Foram apenas 16 anos no ar: de junho de 1983 a maio 1999. O suficiente para fazer da emissora uma das mais cultuadas de nossa televisão, ainda viva na memória afetiva do público.

Para relembrar e celebrar, listo 10 programas icônicos da “Televisão de primeira classe” – o primeiro slogan da emissora.

Confira:

1 – Documento Especial

Com o subtítulo “Televisão Verdade”, o programa jornalístico fez fama e sucesso por retratar com crueza (e, às vezes, sensacionalismo) os temas de suas reportagens. Apresentado por Roberto Maya, ficou no ar de agosto de 1989 a maio de 1992, quando migrou para o SBT.

Entre as edições de maior sucesso, destacam-se os programas sobre travestis, a Igreja Universal do Reino de Deus, o suicídio dos índios Caiowá no Mato Grosso, os refugiados de Cuba e a seca no Nordeste. Quando o “Documento Especial” foi para o SBT, entrou em seu lugar, na Manchete, o similar “Documento Verdade“, pois a emissora não era detentora do título “Documento Especial“.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

2 – Jornal da Manchete e Manchete Esportiva

O “Jornal da Manchete” foi o mais longevo programa da emissora: ficou no ar da inauguração ao fechamento. Concorria diretamente com o “Jornal Nacional“, da Globo. Com o tempo, ganhou duas outras edições: o vespertino “Edição da Tarde” e o “Segunda Edição”, tarde da noite.

Já o telejornal esportivo de maior projeção foi o “Manchete Esportiva“. Exibido da inauguração da emissora até outubro de 1997, foi o principal concorrente do “Globo Esporte“.

Vários apresentadores passaram por esses telejornais: Ronaldo Rosas, Carlos Bianchini, Roberto Maya, Eliakim Araújo, Leila Cordeiro, Márcia Peltier, Augusto Xavier, Berto Filho, Leila Richers, Marcos Hummel, Márcio Guedes, Mylena Ciribelli, Osmar Santos e outros.

3 – Carnaval da Manchete

Marcou época pela originalidade das transmissões e por apresentar uma opção diferente da recebida pelo público da Globo. Alcançou o primeiro lugar de audiência em fevereiro de 1984, com a Globo fora das transmissões naquele ano.

Outra vitória aconteceu no carnaval de 1987: a Manchete envolveu cerca de mil funcionários e inovou ao operar com uma câmera-robô durante a transmissão. Nesta ocasião, um enorme back-light com o símbolo da emissora (a letra M) ficou bem ao lado do da concorrente.

4 – Os documentários

A Manchete revolucionou a linguagem jornalística televisiva com o chamado “new journalism“, em que os repórteres se integram ao modo de vida de um lugar ou de um povo, convivendo com esses elementos diariamente.

Alguns títulos: “Os Brasileiros, o retrato falado de um povo“, com depoimentos de escritores, como Gilberto Freyre e Jorge Amado, políticos, religiosos e outros membros da sociedade; “Japão, uma Viagem no Tempo” e “China, o Império do Centro“, dirigidos por Walter Salles, mostrando o cotidiano dos dois países; “Xingu, a Terra Mágica dos Índios“, exibido em 1985, uma das maiores audiências da emissora na época; “Kuarup“, em que, pela primeira vez (1987), foi exibido na televisão esse ritual dos povos indígenas do Alto Xingu; e “Pantanal” – o documentário, não a novela -, exibido em 1986.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

5 – Clube da Criança

Programa infantil que marcou a estreia de Xuxa e Angélica na TV. Estreou no dia da inauguração da emissora, às 17 horas, comandado por Xuxa, que apresentava brincadeiras, sorteios, anunciava desenhos animados e recebia convidados. É do “Clube da Criança” o famoso meme “Aham, senta lá, Cláudia!“. Após a ida de Xuxa para a Globo (1986), o programa foi cancelado e substituído por outro infantil: “Lupu Limpim Claplá Topô” (com Lucinha Lins e Cláudio Tovar).

Voltou em 1987, apresentado por Angélica, então com 14 anos de idade. Quando a loura mudou-se para o SBT (1993), o programa passou a ser apresentado por Mylla Christie e, depois, por Patrícia Nogueira, a Pat Beijo, até sair do ar em 1995, por falta de dinheiro. Após dois anos, retornou à grade da Manchete com a apresentação da garota Debby. Com a grave crise da emissora, o programa saiu do ar definitivamente em 1998.

Desenhos que fizeram sucesso no “Clube da Criança“: Os Cavaleiros do Zodíaco, Sailor Moon, A Turma do Abobrinha, A Família Trololó, Candy Candy, Dartagnan e os Três Mosqueteiros, Dom Drácula, Garfield e Seus Amigos, Goldie Gold, Lord o Gato, Marmaduke, O Pirata do Espaço, Patrulha Estelar, Supertiras, os desenhos da Hanna-Barbera, e as séries japonesas Jaspion, Changeman, Jiraya, Lion Man, Jiban, Cybercop e muitos outros.

6 – Milk Shake

Programa musical juvenil apresentado por Angélica. Estreou em agosto de 1988. Exibido aos sábados à tarde, alcançou ótimos índices de audiência. A cada semana, era exibido um tema sobre o qual Angélica e seus assistentes se caracterizavam e encenavam pequenos esquetes de humor entre uma atração musical e outra. Alguns temas: cinema mudo, material girl (Angélica caracterizou-se de Madonna e reproduziu o famoso clipe da cantora), punk, Marilyn Monroe, sertanejo, Pantanal, Grécia e até uma sátira ao “Cassino do Chacrinha”.

À frente do “Milk Shake” e do “Clube da Criança“, Angélica consagrou-se como apresentadora de apelo infanto-juvenil e, nessa época, lançou seu disco com a música “Vou de Táxi“. O programa terminou em dezembro de 1992, com o fim do contrato de Angélica com a Manchete e sua ida para o SBT.

7 – Cabaré do Barata

Divertido programa humorístico apresentado por Agildo Ribeiro em que ele contracenava com bonecos manipulados (muppets) caracterizando políticos brasileiros. Estreou em abril de 1989, em plena efervescência da primeira eleição para presidente da República pós Governo Militar.

Uma fina e – ao mesmo tempo – popular sátira à classe política do país. A começar pela abertura, em que os bonecos estão reunidos e fechando acordos e maracutaias por baixo da mesa de reunião, ao som de “É Por Debaixo dos Panos“, sucesso de Ney Matogrosso. Ficou no ar até 1991.

8 – Cinemania

Programa sobre os bastidores do cinema que cobria lançamentos de filmes nacionais e estrangeiros. Exibido entre 1989 e 1993, aos sábados, escrito e apresentado por Wilson Cunha. O sucesso levou a emissora, em 1991, à produção de uma segunda edição, o “Cinemania 2: Mais Forte Ainda“, exibido nas madrugadas de segunda para terça-feira, destinado aos bastidores de filmes “picantes”.

Foi no “Cinemania” que muitos ouviram falar pela primeira vez de filmes como “Batman” (de Tim Burton, 1 e 2), “Dança com Lobos“, “Ghost“, “A Pequena Sereia“, “A Bela e a Fera“, “Uma Linda Mulher“, “O Silêncio dos Inocentes“, “Esqueceram de Mim” (1 e 2), “O Vingador do Futuro“, “Instinto Selvagem“, “Mudança de Hábito“, “Jurassic Park” e outros.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

9 – Bar Academia

Apresentado pelo ator Walmor Chagas, a atração, que estreou em agosto de 1983, era um misto de conversa de bar e show musical, com a presença da nata da música popular brasileira, dos mais antigos aos que entravam na moda. Os convidados papeavam e cantavam. Normalmente, havia um homenageado principal.

No especial sobre Fagner, por exemplo, o cantor foi entrevistado por Walmor Chagas, Cauby Peixoto, Zé Ramalho, Chico Buarque, Ivan Lins e outros, que também fizeram números especiais. Surgiram duetos improvisados, como o de Chico Buarque e Tom Jobim e Gilberto Gil e Maria Bethânia, em outras edições do programa.

10 – As novelas

Entre as novelas de sucesso da Manchete, algumas entraram para a história da TV: “Dona Beija“, com a nudez de Maitê Proença (1986), a novela-reportagem “Corpo Santo” (1987), “Kananga do Japão” (1989), “Pantanal“, com a fórmula erotismo-fantasia-natureza (1990), a novela itinerante “A História de Ana Raio e Zé Trovão” (1991) e “Xica da Silva” (1996-1997).

Passaram pela emissora nomes consagrados (José Wilker, Maitê Proença, Christiane Torloni, Reginaldo Faria, Lídia Brondi, Lucélia Santos, Cláudio Marzo, Herval Rossano, Walter Avancini, Jayme Monjardim, Bráulio Pedroso, Benedito Ruy Barbosa, Geraldo Vietri, Manoel Carlos e outros) e novatos que seguiram em carreiras de sucesso (Cristiana Oliveira, Marcos Palmeira, Marcos Winter, Carolina Ferraz, Paulo Gorgulho, Chico Diaz, Alexandre Borges, Taís Araújo, Giovanna Antonelli, Glória Perez, Walcyr Carrasco e outros).



Leia também