10 artistas de Pantanal que tiveram poucas chances nas novelas na Globo

Whatsapp

Ao longo da história da televisão brasileira, muitos atores e atrizes se destacaram em emissoras como Tupi, Excelsior, Manchete, Bandeirantes, SBT e Record. Ao mesmo tempo, tiveram poucas oportunidades na Globo, líder de audiência há décadas e que exporta novelas para todo o mundo.

Confira abaixo 10 exemplos de artistas da versão original de Pantanal, exibida pela Manchete, que estiveram em poucas produções da concorrente:

Giovanna Gold – Zefa

Pantanal

Apesar de ter feito trabalhos nos anos 1980, a atriz despontou em Pantanal (1990), na Manchete, e se destacou no remake de Mulheres de Areia (1993), como Alzira. Na Globo, ainda esteve em A Viagem (1994) e Por Amor (1997).

Leia mais

Depois de participar da segunda versão de Chiquititas (2013), a atriz voltou ao vídeo no ano passado, em Gênesis, da Record. Atualmente, está com 58 anos.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Ítala Nandi – Madeleine

Pantanal

Ítala Nandi iniciou sua trajetória em novelas em Melodia Fatal (1964), da TV Excelsior. Na Globo, participou apenas de O Pulo do Gato (1979), Direito de Amar (1987), Que Rei Sou Eu? (1989) e A Casa das Sete Mulheres (2003).

A atriz teve seu maior destaque em Pantanal (1990), quando interpretou a personagem Madeleine. Atualmente, está com 80 anos.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Elaine Cristina – Irma

Pantanal

A atriz, que foi casada com Flávio Galvão, fez muitas novelas da Tupi nos anos 1970, incluindo A Viagem (1975), quando viveu Lisa. Ela estreou na Globo na série Obrigado, Doutor (1981), e participou de duas novelas, Sinhá Moça (1986), quando viveu Cândida, a Baronesa de Araruna, e O Outro (1987).

Assim como Ítala Nandi, a atriz se destacou em Pantanal (1990), como Irma. Atualmente com 72 anos, está longe da televisão desde Chiquititas (2013).

Almir Sater – Trindade

Almir Sater

O principal companheiro de cena de Irma na segunda fase de Pantanal, Trindade, foi vivido por Almir Sater. Na Globo, além do remake de Pantanal, ele esteve em O Rei do Gado (1996), como Pirilampo.

Também participou de A História de Ana Raio e Zé Trovão (1991), como protagonista, e Bicho do Mato (2006), da Record.

Neste caso, o ator e músico, que está com 65 anos, até foi convidado para algumas novelas da Globo, como Cordel Encantado, mas não conseguiu conciliar sua agenda de shows com as gravações.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Antônio Petrin – Tenório

Pantanal

O veterano ator estreou na televisão em 1965, na série 22-2000 Cidade Aberta, da Globo, mas fez poucas novelas na emissora.

Presente em muitas tramas do SBT e da Manchete, tendo se destacado como Tenório, em Pantanal (1990), e Assad, em Éramos Seis (1994), Petrin esteve na mítica série Malu Mulher (1979) e participou das novelas Corpo Dourado (1998), como o vilão Ezequiel, além de Um Anjo Caiu do Céu (2001), Esperança (2002) e Em Família (2014), além de algumas minisséries.

Aos 83 anos, está fora do vídeo desde Escrava Mãe (2016).

Luciene Adami – Guta

Luciene Adami

A atriz gaúcha estreou na televisão logo como Guta, filha de Tenório e Maria Bruaca. Em seguida, já emendou a sucessora da trama, A História de Ana Raio e Zé Trovão.

Luciene se destacou em Éramos Seis (1994), no SBT, e depois participou de tramas como Tocaia Grande, Estrela de Fogo, Chiquititas, Pícara Sonhadora, Metamorphoses, Essas Mulheres e Cristal.

Sua última participação na televisão foi em 2012, em Avenida Brasil, da Globo, como uma amiga de Carminha (Adriana Esteves) em um capítulo da trama.

Atualmente, a artista está com 57 anos.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Andréa Richa – Muda

Andrea Richa

A atriz, que viveu a personagem Muda na primeira versão da novela, teve uma curta carreira na televisão.

Atualmente com 58 anos e atuando como empresária desde o final dos anos 1990, Andréa estreou na televisão em O Salvador da Pátria.

Depois de Pantanal, fez Na Rede de Intrigas, O Fantasma da Ópera, A Madona de Cedro, Antônio Alves, Taxista e Mandacaru.

Depois disso, trocou as novelas pelo anonimato.

Flávia Monteiro – Nalvinha

Flavia Monteiro

Em Pantanal, Flávia Monteiro viveu a personagem Nalvinha, que pertencia ao núcleo carioca da trama e teve pouco destaque.

Antes disso, ela se destacou em Vale Tudo, na Globo. Depois da novela da Manchete, esteve novamente na Globo, em Salomé, e seguiu para o SBT.

No canal de Silvio Santos, emendou trabalhos como Éramos Seis, Sangue do Meu Sangue e Chiquititas.

Na Globo, ainda fez pequenas participações em Kubanacan e Bang Bang.

Desde 2006 como contratada da Record, atuou em tramas como Vidas Opostas, Os Mutantes, Ribeirão do Tempo, Vitória, Apocalipse e, mais recentemente, Gênesis. Atualmente, está com 49 anos.

Ernesto Piccolo – Renato

Ernesto Piccolo

O ator estreou em novelas em 1981, em Jogo da Vida. Na Globo, ainda esteve em Eu Prometo, Um Sonho e Mais e Hipertensão.

Depois de Pantanal, onde interpretou o personagem Renato, integrante da segunda família de Tenório, o ator fez apenas Alma Gêmea, Desejo Proibido e Beleza Pura.

Após atuar em O Rico e o Lázaro, da Record, ele voltou às novelas justamente em Pantanal, como um bandido comparsa de Tenório.

Rubens Corrêa – Ibrahim Chaguri

Rubens Correa

O consagrado ator e diretor, que fez uma participação especial na reta final de Pantanal, teve poucos trabalhos nas novelas da Globo.

Na emissora, fez apenas Partido Alto (1984), quando se destacou como Amoedo e Mandala (1987), além das minisséries Abolição (1988) e Decadência (1995), seu último trabalho na televisão.

Fora isso, teve maior presença na Manchete, onde esteve, além de Pantanal, em Kananga do Japão (1989), Amazônia (1991) e Guerra sem Fim (1993).

Corrêa morreu em 22 de janeiro de 1996, aos 64 anos, vítima de complicações decorrentes do vírus da Aids.

Whatsapp


Leia também