Gato no colo, cigarro e muito mais: curiosidades sobre Célia Biar, a Francine de Brega & Chique





Célia Raphaella Martins Biar nasceu em São Paulo (SP) no dia 10 de março de 1918. Ainda jovem, começou a participar de montagens no teatro, tendo se profissionalizado no Teatro Brasileiro de Comédia, em 1949.

Ela foi uma das principais apresentadoras da Globo nos primeiros anos da emissora. Contratada em 1965, estreou logo no primeiro dia do canal, no comando do programa feminino Sempre Mulher.

Ainda na emissora, participou de diversas atrações, como Quem é Quem, Oh, Que Delícia de Show, Alô Brasil, Aquele Abraço e Satyricom, entre outras.

Uma passagem marcante da sua carreira veio ao comandar a Sessão das Dez. Os filmes, geralmente antigos, não tinham nada demais, mas Célia fazia comentários sobre a produção com uma longa piteira na mão e um gato angorá no colo, chamado Zé Roberto.



A partir dos anos 1970, como atriz, também esteve em novelas de sucesso, como Pigmalião 70 (Mirtes), A Próxima Atração (Dulce), Minha Doce Namorada (Tia Miquita), O Primeiro Amor (Olga), Bicho do Mato (Alzira), Carinhoso (Hermínia), Corrida do Ouro (Gilda), A Moreninha (Dona Violante), Estúpido Cupido (Adelaide), Locomotivas (Silvia), Te Contei (Laura) e A Sucessora (Filomena). Ainda esteve na série Plantão de Polícia.

Nos anos 1980, fez participações em humorísticos, como Viva o Gordo, e também em diversas novelas, como Marina (Rita), Final Feliz (Jandira) e Sassaricando (Kiki).

Seu papel mais famoso foi em Brega & Chique, como Francine Alvaray, mãe de Rafaela (Marília Pêra), que acompanha a filha quando ela perde tudo, mas nunca perde a pose.

Nos anos 1990, diminuiu sua presença na televisão, mas ainda esteve em Gente Fina (Eulália), Deus nos Acuda (Françoise), Quatro por Quatro, A Justiceira, Torre de Babel e Suave Veneno, geralmente em participações especiais. Também participou de alguns episódios do Você Decide.

A veterana atriz, que nunca se casou e não teve filhos, fumava muito. Ela morreu em 6 de novembro de 1999, aos 81 anos, vítima de câncer de pulmão.


Deixe sua opinião



Leia também